A INTERSUBJETIVIDADE DO PODER NO PENSAMENTO DE FOUCAULT

Victoria Elena Santillán Briceño, Ángel Manuel Ortiz Marin

Resumo


Para Foucault os indivíduos concretos poderiam ser entendidos como resultadode aparatos sócio-políticos que os configuram, os fixam, os submetem e os limitam. Sujeitoconstituinte, que articula una série de tecnologias de exclusão e inclusão que aspiram àprodução de um específico modelo de subjetividade. Ou seja, o sujeito na plenitude de suasdeterminações: corpórea e transcendental, factual e eidética, com a totalidade de suasexperiências transcendentais e a totalidade de seus respectivos correlatos objetivos, junto aseu mundo circundante. Assim, se propõe uma reflexão teórica a partir da discussão dosinstrumentos teórico-metodológicos do pensamento e obra de Michel Foucault. Dispositivosque ao serem considerados no trabalho investigativo de campo, modificam a análisehermenêutica, os processos de construção e reconstrução das identidades sociais sempredentro de uma perspectiva dialética. No geral, o investigador se encontra situado dentro deum espaço social numa circunstancia histórica específica, e pode compreender o significadoda experiência cultural, assim como a identidade social da realidade, a partir de descobrir edescrever os dispositivos ou os sistemas estratégicos de poder e saber que configura asubjetividade.

Palavras-chave


Realidade, Poder, Subjetividade, intersubjetividade, Relações de poder.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Tempo da Ciência



e-ISSN: 1981-4798 — ISSN: 1414-3089

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Toledo
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Rua da Faculdade, 645 — Jardim La Salle
CEP: 85903-000 — Toledo-Paraná-Brasil

| revistatempodaciencia@yahoo.com.br |