A ALIMENTAÇÃO DAS PRESAS NA PENITENCIÁRIA FEMININA MADRE PELLETIER

Dani Rudnicki, Gabriel Borrea dos Passos

Resumo

Esse trabalho visa mostrar como acontece a alimentação das apenadas na PenitenciáriaFeminina Madre Pelletier, localizada em Porto Alegre. Partindo da premissa de que o gostovaria conforme a classe social na qual a pessoa tenha sido criado ou viva busca constatar se odireito à assistência material, no caso o direito à alimentação da presa, está sendo respeitadopelo Estado. Assim, a partir de pesquisa de campo, se busca analisar e avaliar a alimentaçãodas apenadas. Para tanto, com fundamento em observações e entrevistas realizadas no mêsde maio de 2012, com a nutricionista responsável, apenadas que trabalham na cozinha,agentes penitenciárias e o juiz de Direito que fiscaliza a Casa, observou-se as situaçõesreferentes à qualidade e quantidade do alimento, bem como higiene do local onde é preparadoe da maneira como é servido. Percebe-se que as presas não relatam queixas no que se refereà alimentação, nem sobre a qualidade ou a quantidade. Não reclamam também das condiçõesde higiene da cozinha, nem do preparo dos pratos. Essa situação, diferenciada em relação aosistema prisional pátrio é reconhecida também pelo juiz. Assim, pode-se afirmar quealimentação, nesta Casa, respeita os direitos humanos das pessoas ali privadas de liberdade

Palavras-chave

alimentação, direitos humanos, prisão

Texto completo:

PDF