RECONVERSIONES DEL CONTROL SOCIAL EN EL CAMPO DE LA SALUD. UN RECORRIDO EN TORNO A LAS RELACIONES ENTRE ESTADO, MEDICINA OFICIAL Y ACTORES SOCIALES NO-BIOMÉDICOS EN ARGENTINA

Mariana Bordes

Resumo

O objetivo do trabalho visa refletir sobre a natureza histórica e socialmente situadado monopólio biomédico, focando em mostrar como esse monopólio é posta em causa apartir de algumas expressões da sociedade civil. Como um corte deste universo de estudo,o trabalho destaca uma série de relações entre três atores sociais que fazem a construção dosistema formal de saúde no país: 1) o Estado, 2) a medicina oficial, que estabelece-se comouma corporação (FREIDSON, 1970) capaz de influenciar as decisões e políticas governamentaise 3) os atores sociais localizados nas margens do espaço social da arte de curar, que constituemuma ameaça potencial vis-à-vis do monopólio da medicina oficial. Para sistematizar essasrelações, o artigo tem duas seções. Primeiro, realizamos um contexto histórico, procurandomostrar como delinea-se uma passagem no que respeita a atitude do Estado em relação àsabordagens médicas. Em segundo lugar, reconstruimos o horizonte da possibilidade dastransformações atuais no campo da saúde na Argentina

Palavras-chave

Estado, Campo da Saúde, Biomedicina, Atores Sociais não-biomédicos.

Texto completo:

PDF