TIÃOZINHO E MIGUILIM: A REPRESENTAÇÃO DA INFÂNCIA EM MUNDOS FICCIONAIS DE GUIMARÃES ROSA

Salete Paulina Machado Sirino, Rita Felix Fortes

Resumo

Neste estudo, estabelece-se uma correlação entre a infância representada nos mundos ficcionais Conversa de Bois e Campo Geral, de João Guimarães Rosa, com o conceito sociológico de infância advindo da tradição europeia, abordados por Elizabeth Badinter, que traça o percurso histórico da concepção de infância que muda ao longo do tempo.  Tal conceito se entranha à cultura brasileira e foi renitente e tardia a modernização, conforme analisa Gilberto Freyre – cujo autor aborda a condição da criança brasileira ao longo do período colonial e imperial.  Condição esta que, nas regiões mais isoladas – como é o caso do planalto central brasileiro – perdurou quase imutável até as primeiras décadas do século XX. E, ainda, visando destacar a passagem precoce de menino a “homem” de Tiãozinho e de Miguilim, respectivamente, protagonistas nas referidas obras rosianas, a análise pauta-se nos estudos sobre o valor simbólico do rito de passagem de Mircea Eliade. 

Palavras-chave

Personagens rosianos; infância; Tiãozinho e Miguilim.

Texto completo:

PDF