Um multiplicador de vozes: A idade do ferro (1992) e Desonra (2000) de JM Coetzee

Ruane Maciel Kaminski Alves, Ximena Antonia Díaz Merino

Resumo


Esta pesquisa realiza um estudo comparado das obras A Idade do Ferro (1992) e Desonra (2000), do escritor sul-africano John Maxwell Coetzee. O tema proposto visa uma análise comparativa entre os dois romances destacando as imagens de identidade, alteridade e na investigação sobre o papel do narrador na construção dessas imagens e conceitos. Respaldando-se, na temática do apartheid tratada em ambas as obras, além de outros elementos que encontram ressonância na estrutura interna das duas narrativas a exemplo da focalização narrativa ancorada em elementos de uma memória cultural que traz à tona questões de alteridade e pós-colonialismo. Na obra A Idade do Ferro (1992), a questão da alteridade aparece no cotidiano da personagem principal, Elizabeth Costello, que inicia um questionamento e reflexão a partir do contato com o Outro que revela a sua “cegueira” frente ao regime, como também sua fragilidade em comparação aos negros fortes como ferro. O romance Desonra (2000), revela a condição do homem branco na nova sociedade pós-apartheid, que transformou a antiga superioridade branca em minoria e o sujeitou à condição de excluído, na qual necessita se adequar à nova sociedade da África do Sul marcada pelo passado segregacionista, percebendo-se, agora, como um ser deslocado, vendo a “desgraça” ao seu redor, enquanto as outras personagens se relocam. A análise toma como pressupostos teóricos os conceitos de identidade, alteridade, resistência e pós-colonialismo expostos por Franz Fanon (1979), Alfredo Bosi (2002), Stuart Hall (2003), Homi Bhabha (2003), Thomas Bonnici (2009), entre outros. Para o estudo sobre o narrador, foram tomados os pressupostos de Mikhail Bakhtin (1993) mais precisamente a concepção de plurilinguismo no romance, dialogismo e polifonia.


Palavras-chave


Pós-colonialismo; Literatura; África do Sul; polifonia; alteridade.

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. July, 2009. Disponível em: Acesso em: 26/09/2014.

ÁFRICA, O despertar de um continente. Volume I. VOL.I – Introdução aos Estudos da África. Centro de Estudos Africanos, USP.

ASHCROFT, Bill; GRIFFITHS, Gareth; TIFFIN, Helen.The empire writes back: Theory and practices in post-colonial literatures. 2nd ed. London and New York: Taylor & Francis e-Library, 2003.

ASHCROFT, Bill; GRIFFITHS, Gareth; TIFFIN, Helen. The post-colonial studies readers. London and New York: Taylor & Francis e-Library, 2003.

ATTWELL, David. J. M. Coetzee: South Africa and the Politics of Writing. California: University of California Press, 1993. Disponível em: . Acesso em: 08/12/2015.

ATTWELL, David. Doubling the point: essays and interviews – J.M. Coetzee. United States of America: Harvard University Press, 1992.

ATTRIDGE, Derek. Age of Bronze, State of Grace: Music and Dogs in Coetzee's "Disgrace". In: NOVEL: A Forum on Fiction, Vol. 34, No. 1 (Autumn, 2000), pp. 98-121.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: HUCITEC, 1993.

BARZOTTO, Leoné A. Interfaces culturais: The ventriloquist`s tale & Macunaíma. Dourados: Ed. UFGD, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renata Gonçalves. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BONNICI, Thomas. O pós-colonialismo e a literatura: estratégias de leitura. Maringá: Eduem, 2000.

BONNICI, Thomas. Avanços e ambiguidades do pós-colonialismo no limiar do século 21. Légua & meia: Revista de literatura e diversidade cultural. Feira de Santana: UEFS, v. 4, no 3, 2005, p. 186-202.

BONNICI, Thomas. Pós-colonialismo e representação feminina na literatura pós-colonial em inglês. In: Acta. Scientiarum Human and Social Sciences. Maringá, vol. 28, n.01, p.13-25, 2006.

BONNICI, Thomas (org). Resistência e intervenção nas literaturas pós-coloniais. Maringá: Eduem, 2009.

BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: Companhia editorial nacional, 2006.

CARVALHO, Isaías F. de. O narrador pós-colonial. In: Anais ICONLIRE. Ilhéus: UESC, 2009.

CEIA. E-dicionário de termos literários. Disponível em: . Acesso: 10/11/2015.

COETZEE, J.M. A Idade do Ferro.Trad. Sônia Regis. São Paulo: Siciliano, 1992.

COETZEE, J.M. Desonra. Trad. José Rubens Fonseca. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

COETZEE, J.M. Novel in Africa. In: Occasional papers series. California: Hunza Graphics, 1999.

FANON, Franz. Os condenados da terra. 2 ed. Trad. J. L. de Melo. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1979. Entrevista concedida para prefácio do livro.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria e ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

KRISTEVA, Julia. Semiotica. Trad. Jose Martin Arancibia. Spain: Julián Benita, 1981.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizador precedido pelo retrato do colonizado. 2ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina M. Dicionário de Teoria Narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina M. Dicionário de narratologia. Coimbra: Almedina, 2000.

RICOEUR. Paul. Tempo e narrative. Tomo I. Trad. Constança Marcondes Cesar. São Paulo: Papirus, 1994.

SAMOYAULT, Thiphaine. A intertextualidade. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008.

SAID, Edward. Orientalismo. Trad. Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. 2ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SANTIAGO, Silviano. Nas malhas das letras. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

TIFFIN, Helen. Post-colonial literatures ans counter discourse. In: ASHCROFT, Bill;

GRIFFITHS, Gareth; TIFFIN, Helen. The post-colonial studies readers. London and New York: Taylor & Francis e-Library, 2003.




Direitos autorais 2016 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.