Mulher negra de pele clara ou mulher branca de pele escura? Tensionamentos, negociações e disputas de verdades na constituição de uma youtuber negra

Pâmella Rochelle Rochanne Dias de Oliveira, Francisco Vieira da Silva

Resumo


O presente trabalho objetiva analisar os tensionamentos e as disputas de verdade que perpassam o processo de constituição das youtubers negras, tendo como materialidade selecionada o vídeo “Sobre ser negra”, do canal Rayza Nicácio, que será analisado a partir da perspectiva teórica-metodológica da Análise do Discurso de linha francesa, mais precisamente dos postulados foucaultianos. Para tanto, procuramos realizar uma articulação entre os estudos foucaultianos e os estudos étnicos-raciais, posicionando o campo da negritude na grade de inteligibilidade da governamentalidade, com o intuito maior de perceber as formas de governo de si e os modos de subjetivação da mulher negra contemporânea, verificando a produção e mobilização dos discursos que a atravessam no âmbito do YouTube. O que acaba por evidenciar um recorrente racismo que incide sobre a mulher negra e seu corpo, através de uma tentativa de embranquecê-lo ao máximo possível, negando e, por vezes, invisibilizando os principais aspectos constituintes da negritude, questões que ocorrem por meio e em meio a complexas relações de saber-poder.


Palavras-chave


Relatos de si; Modos de subjetivação; Governamentalidade; Youtuber negra.

Texto completo:

PDF

Referências


BAMPI, Lisete. Governo, Subjetivação e Resistência em Foucault. Revista: Educação e Realidade, 27 (1): 127-150, jan./jun., 2002.

BURGESS, Jean; GREEN, Joshua. YouTube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo. Crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CANDIOTTO, Cesar. Cuidado da vida e cuidado de si: sobre a individualização biopolítica contemporânea. In: Dissertatio. n. 34, 2011.

CARDOSO, Hélio Rabelo Jr. Para que serve uma subjetividade? Foucault, Tempo e Corpo. Psicologia: Reflexão e Crítica, 2005, 18 (3), pp. 229-000.

DAVIS, Angela Y. Blues legacies and Black feminism: Gertrude “Ma” Rainey, Bessie Smith and Billie Holiday. New York: Vintage Books, 1998.

DAVIS, Angela Y. Mujeres, raza y clase. Madrid: Akal, 2005.

FOUCAULT, Michel. A governamentalidade. In: Ditos e escritos, v. IV – Estratégia, poder-saber. Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert I, e RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. 2. ed., ver. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos. Curso no Collège de France, 1979-1980 (excertos). Tradução, transcrição, notas e apresentação de Nildo Avelino. São Paulo/Rio de Janeiro: Achiamé, 2010b.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, - 7ed. – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo; Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: curso no Collège de France. Tradução: Eduardo Brandão. - São Paulo: Martins Fonseca, 2001.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 7º ed. Trad. Laura Fraga Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988, 13. Ed.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade III: o cuidado de si. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque, revisão técnica de José Augusto Albuquerque. Edições Graal: Rio de Janeiro, 1985.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto. Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GADEA, Carlos A. Negritude e pós-africanidade: crítica das relações raciais contemporâneas. Porto Alegre: Sulina, 2013.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92-3, pp. 69-82, jan./jun. 1988.

GROS, Frédéric. O Cuidado de Si em Michel Foucault. In: RAGO, Margareth (Org.); VEIGA-NETO, Alfredo (Org.). Figuras de Foucault. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica. 2008.

OLIVEIRA, Sônia Regina Martins. Governamentalidade e constituição do sujeito em Foucault. Dissertação (Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em Filosofia) Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2009.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 1999.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito social de origem, Tempo Social, São Paulo, v.19, n.1, p. 287-308, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2020.

REVEL, Juditn. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro?. 1º ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala. 1º ed. Belo Horizonte (MG): Letramento, 2017.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

WERNECK, Jurema. Políticas Públicas para as Mulheres Negras. Passo a Passo: Defesa, monitoramento e avaliação de políticas públicas. CRIOLA e Fundação Heinrich Böll Stiftung, 2010.

WIEVIORKA, Michel. O racismo, uma introdução. Tradução de Fany Kon. São Paulo: Perspectiva, 2007.




Direitos autorais 2020 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.