A COMPREENSÃO DOS ENFERMEIROS SOBRE A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

Natali Portela, Cibele de Moura Sales, Rogério Dias Renovato

Resumo


A Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS) objetiva transformar as práticas e a organização do trabalho no Sistema Único de Saúde (SUS) promovendo processos de formação mais reflexivos, visando, entre outras coisas, à melhoria na qualidade da atenção à saúde. Trata-se de uma proposta que ambiciona mudanças paradigmáticas ao questionar moldes hegemônicos de fazer Saúde e Educação, e, assim sendo, encontra dificuldades à sua compreensão que desafiam sua realização. Através da revisão de pesquisas que focaram a Educação Permanente em Saúde (EPS) no Brasil nos últimos onze anos, buscou-se investigar como os enfermeiros, categoria profissional relevante e significativa para qualificação do cuidado em saúde, entendem a proposta da PNEPS, e em quê esse entendimento aproxima-se ou distancia-se do que a Política almeja. Seis artigos e uma dissertação foram analisadas, indicando que a maioria dos enfermeiros acreditam que a PNEPS está relacionada às atividades educativas como capacitações, treinamentos e atualizações de caráter predominantemente técnico, conceituação esta mais próxima da Educação Continuada. Faz-se necessário a ampliação da discussão a respeito da EPS entre os profissionais de enfermagem para que estes possam apropriar-se de suas conceituações e, consequentemente, efetivá-la no seu cotidiano de trabalho em saúde.

Texto Completo: PDF

Revista Varia Scientia - Ciências da Saúde


e-ISSN 2446-8118

Unioeste
Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Rua Universitária, 1619 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revista.vscsaude@unioeste.br |

 

Sobre o Projeto SABER | Unioeste | IBICT