USO DA ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA NA DISMENORREIA PRIMÁRIA EM MULHERES JOVENS

Rafaela Dresch, Maria Carolina Torrilhas, Yngrid Haiany Monteiro de Oliveira Navarro, Marcia Rosângela Buzanello, Gladson Ricardo Flor Bertolini

Resumo

Dismenorreia, palavra derivada do grego, caracteriza-se pela dor na região abdominopélvica. Dor cíclica que pode ser acompanhada por cefaleia, vômitos, tontura, sensação de inchaço, entre outros sintomas. A dismenorreia primária, comumente diagnosticada, não apresenta nenhuma anormalidade pélvica, iniciando normalmente na adolescência. Nota-se que durante o seu acontecimento, ocorre o aumento da produção de prostaglandinas no útero durante o ciclo menstrual, acarretando o aumento da dor. Aproximadamente de 50 a 70% das mulheres apresentam dor uterina em algum momento de sua vida, sendo que, em média, 10% tornam-se incapazes de realizar suas atividades habituais. Como recurso para alívio da dor, a fisioterapia oferece tratamentos, dentre estes, pode-se citar a Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea (TENS), método que estimula nervos periféricos por meio de eletrodos fixados à pele, que atua nos sistemas moduladores da dor, elevando a tolerância à mesma e causando analgesia local. Este estudo teve como objetivo analisar o efeito da TENS como tratamento da dor gerada pela dismenorreia primária em jovens nulíparas. Realizou-se um estudo quantitativo, experimental com 20 voluntárias distribuídas aleatoriamente em 2 grupos de 10, sendo o primeiro grupo controle, enquanto o segundo, grupo tratamento. Foram inclusas mulheres jovens com idades entre 18 e 26 anos que apresentassem dismenorreia primária e que não fizessem nenhum tipo de eletroestimulação como tratamento no período em que participariam do estudo. A avaliação da dor foi realizada através da EVA e McGill, antes e após a aplicação da TENS, que teve duração de 30 minutos, com frequência de 100Hz e duração de pulso 200 μs, com intensidade forte, porém confortável, diariamente. As pacientes foram posicionadas em decúbito ventral para colocação de 4 eletrodos distribuídos paralelamente à coluna vertebral, bilateralmente, entre as vértebras L3 e S3. O grupo controle foi submetido a um procedimento semelhante, porém o equipamento permaneceu desligado durante todo o tempo. Observou-se um aumento significativo no alívio da dor no grupo que recebeu a eletroestimulação comparado ao grupo controle. Conclui-se com este estudo que a TENS teve eficácia significativa no tratamento da dor causada pela dismenorreia primária em jovens nulíparas.

Palavras-chave

Dismenorreia, Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea, Medição da Dor.

Texto completo:

PDF