Desempenho inicial de sementes de milheto tratadas com Tiametoxam e Azospirillum brasilense em condições de deficiência hídrica simulada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/actaiguaz.v10i2.27120

Palavras-chave:

entressafra, germinação, vigor

Resumo


O tratamento de sementes de milheto com Tiametoxam e Azospirillum brasilense pode favorecer o desenvolvimento inicial das plantas em condições de estresse hídrico, o que resulta na melhor cobertura do solo durante a entressafra e beneficia o cultivo da espécie em sucessão. Neste sentido, objetivou-se avaliar o desempenho inicial de sementes de milheto submetidas ao tratamento com Tiametoxam e Azospirillum brasilense, em condições de deficiência hídrica simulada. O delineamento experimental empregado foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial de 4 x 4, com quatro repetições. Os tratamentos constaram de quatro tipos de tratamento de sementes (Testemunha, Azospirillum brasilense, Tiametoxam, e Azospirillum brasilense em associação com Tiametoxam) e quatro potenciais hídricos (0; -0,2; -0,4 e -0,6 MPa). Na ausência de estresse hídrico, os tratamentos de sementes contendo Tiametoxam e Azospirillum brasilense de maneira isolada foram semelhantes a Testemunha para todas as características avaliadas. Independentemente do tratamento de sementes, quanto mais negativo o potencial hídrico, maior a redução do desempenho de sementes e plântulas de milheto. A associação entre Tiametoxam e Azospirillum brasilense no tratamento de sementes favorece a germinação e o vigor de sementes até o potencial hídrico de -0,2 MPa.

Biografia do Autor

Ítala Menegon Castilho, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Programa de Pós-Graduação em Agronomia

Engenheira agrônoma pelo Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos. Mestranda em agronomia pela Universidade Estadual de Londrina

Downloads

Publicado

23-06-2021

Como Citar

CAZARIM, P. H.; FERNANDES, C. H. dos S.; BAZZO, J. H. B.; FERREIRA, A. S.; CASTILHO, Ítala M.; ZUCARELI, C. Desempenho inicial de sementes de milheto tratadas com Tiametoxam e Azospirillum brasilense em condições de deficiência hídrica simulada. Acta Iguazu, [S. l.], v. 10, n. 2, p. 90–99, 2021. DOI: 10.48075/actaiguaz.v10i2.27120. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/27120. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS CIENTÍFICOS