Análise eletromiográfica dos músculos bíceps femoral, reto femoral e vasto lateral durante três variações do exercício de ponte supino

Autores

  • Anelize Cini
  • Cláudia Silveira Lima

Palavras-chave:

Eletromiografia, Membro Inferior, Força Muscular, Cinesiologia Aplicada.

Resumo


Os músculos posteriores da coxa têm alto índice de prevalência e taxa de recidiva de lesões no esporte. Recentemente, a estabilidade segmentar tem sido um conceito altamente estudado por sua elevada relação com esse tipo de lesão. Nesse sentido, o objetivo do estudo foi verificar a ativação elétrica do músculo bíceps femoral, vasto lateral e reto femoral durante exercícios de ponte supino. Participaram do estudo 4 estudantes do sexo feminino com idade média de 26,5 ± 1,73 anos. A participação muscular foi analisada por meio da ativação elétrica dos músculos bíceps femoral, vasto lateral e reto femoral utilizando a eletromiografia. Foram realizadas dez repetições para a ponte em apoio bipodal e unipodal em base estável e para ponte bipodal em base instável. Foi utilizada uma contração isométrica voluntária máxima (CIVM) de 5s para normalização do sinal eletromiográfico. A ativação elétrica do músculo bíceps femoral (extensor de quadril) na ponte em apoio bipodal foi de 23,3 % CIVM, para a ponte unipodal de 36,9 % CIVM e para a ponte em base instável com bola suíça de 54,3 % CIVM. Para a musculatura extensora de joelho (reto femoral, vasto lateral) a ativação variou de 2,2 a 4,4 % CIVM. O músculo bíceps femoral apresenta um recrutamento relevante nos exercícios de ponte supino podendo esta ser prescrita para o reforço e reabilitação dessa musculatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSEN, L. L.; MAGNUSSON, S. P.; NIELSEN, M.; HALEEN, J.; POULSEN, K.; AAGAARD, P. Neuromuscular activation in conventional therapeutic exercises and heavy resistance exercises: implications for rehabilitation. Journal of the American Physical Therapy Association, Alexandria, v. 86, n. 5, p. 683-97, 2006.

EKSTROM, R. A.; DONATELLI, R. A.; KNEJU, C. C. Electromyographic Analysis of Core Trunk, Hip, and Thigh Muscles During 9 Rehabilitation Exercises. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy, Alexandria, v. 37, n. 12, p. 754-62, 2007.

GARCIA, F. J.; BARBADO, D.; MOYA, M. Trunk stabilization exercises for healthy Individuals. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 200-11, 2014.

HERMENS, H. J.; FRERIKS, B.; MERLETTI, R.; STEGEMAN, D.; BLOK, J.; RAU, G.; DISSELHORST-KLUG, C.; HAGG, G. SENIAM 8: European Recommendations for Surface Electromyography: Results of the SENIAM Project. Enschede. The Netherlands: Roessingh Research and Development, 1999.

MALLIAROPOULOS, N.; MENDIGUCHIA, J.; PEHLIVANIDIS, H.; PAPADOPOULOU, S.; VALLE, X.; MALLIARAS, P.; MAFFULLI, N. Hamstring exercises for track and field athletes: injury and exercise biomechanics, and possible implications for exercise selection and primary prevention. British Journal of Sports Medicine, London, v. 46, p. 846–51, 2012.

RASCH, P. Cinesiologia e Anatomia Aplicada. 7 ed. São Paulo: Guanabara, 1991.

SHERRY, M. Rehabilitation Guidelines Following Proximal Hamstring Primary Repair University of Wisconsin School of Medicine and Public Health. Science Drive, n. 621, 2011. Disponível em: http://www.uwhealth.org/files/uwhealth/docs/pdf5/sm-27464_hamstring_protocol.pdf . Acessado em: 25 de Fevereiro de 2015.

WILLIANS, M. R. Electromyographic Analysis of Hip and Knee Exercises: A Continuum from Early Rehabilitation to Enhancing Performance. 2013. 141f. Dissertação (Mestrado). University of Hertfordshire, Hertfordshire, 2013.

YOUDAS, J. W.; HARTMAN, J. P.; MURPHY, B. A.; RUNDLE, A. M.; UGOROWSKI, J. M.; HOLLMAN, J. H. Magnitudes of muscle activation of spine stabilizers, gluteals, and hamstring during supine bridge to neutral position. Physiotherapy Theory Practice Early Online, London, v. 11, n. 1-10, p. 1-10, 2015.

Downloads

Publicado

04-03-2016

Como Citar

CINI, A.; LIMA, C. S. Análise eletromiográfica dos músculos bíceps femoral, reto femoral e vasto lateral durante três variações do exercício de ponte supino. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 12, n. 2, p. 53–59, 2016. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/12942. Acesso em: 6 dez. 2021.