Práticas corporais de aventura na educação física espanhola: um estudo com foco na metodologia e na avaliação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p125

Palavras-chave:

Educação física escolar, Atividades de aventura, Metodologias de ensino da educação física, Avaliação na educação física.

Resumo


NTRODUÇÃO: Desde os anos 1990 a Educação Física espanhola registra o ensino das práticas corporais de aventura (PCAs) na escola, ainda que, por lá, tenham sido denominadas inicialmente como Atividades Físicas de Aventura na Natureza e, após 20 anos de debate, passaram a ser definidas como Atividades Físicas no Meio Natural.OBJETIVO: Este texto apresenta as metodologias e os processos avaliativos mais utilizados em aulas de Educação Física em seus níveis de primária e secundária em um extrato do contexto espanhol, quando o conteúdo são as Práticas Corporais de Aventura. MÉTODOS: Para tanto, triangulou dados de artigos encontrados em uma base dados especializada – a Outdoorpeactivies, e de registros de campo realizados in loco, durante acompanhamento de aulas.RESULTADOS: As análises apontam que as metodologias mais frequentes são: ‘3 dimensões do conteúdo’ (conceitual, procedimental e atitudinal) e ‘tecnicista’. Enquanto a avaliação mais frequente se dá pela participação do aluno na atividade e ainda por fichas de observação.CONCLUSÃO: Sobre metodologia de ensino da EF, os textos se alternam, predominantemente, entre propostas tecnicistas e as baseadas nas 3 dimensões do conteúdo. Alguns casos, de relatos de experiências, indicam o uso de materiais adaptados e/ou a aquisição de gestos técnicos de uma PCA como ferramenta para a apropriação de gestos técnicos de outra; Já nas avaliações, os dados obtidos indicam uma subvalorização desta etapa do processo de ensino-aprendizagem, sendo a ‘participação’ um critério bastante utilizado e valorizado.ABSTRACT. Adventure bodily practices in Spanish physical education: a study with focus on the methodologies and evaluation processes.BACKGROUND: Since the 1990s, Spanish Physical Education registers the teaching of adventure bodily practices at school. There, they were initially called Physical Adventure Activities in Nature and, after 20 years of debate, they became defined as Physical Activities in the Natural Environment.OBJECTIVE: This text presents the methodologies and evaluation processes most used in physical education classes at the primary and secondary levels in an extract from the Spanish context when the content is the Adventure Bodily Practices.METHODS: For that, we used articles found in a specialized data base - the Outdoorpeactivies, and field records conducted during class follow-up. RESULTS: The results indicate that the most frequent methodologies are the ‘3 dimensions of content’ (conceptual, procedural and attitudinal) and the ‘technicist’. While the most frequent evaluation is given by the participation of the student in the activity and also by observation cards. CONCLUSION: About EF teaching methodology, the texts alternate predominantly between technical proposals and those based on the 3 dimensions of the content. Some cases indicate the use of adapted materials and / or the acquisition of technical gestures from one Adventure Bodily Practice as a tool for the appropriation of technical gestures from another. In the evaluations, the data obtained indicate an underestimation of this stage of the teaching-learning process, with ‘participation’ a widely used and valued criterion.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Humberto Luís de Deus Inácio, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Professor Associado III na Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás. Professor permanente no Mestrado Profissional em Educação Física da Faculdade de Educação Física e Dança da UFG; atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Física Escolar, Educação Física Escolar e práticas corporais de aventura, lazer, meio ambiente, ecologia;Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (1993), Mestrado em Educação (1997) e Doutorado em Sociologia Politica (2007) pela mesma instituição. Realizou estágio Pós-doutoral na Facultad de Ciencias del Deporto de la Universidad de Murcia, Espanha (2012).  Líder do GEPELC-Grupo de Estudos e Pesquisas em Esporte, Lazer e Comunicação (UFG), e membro do Laboratório Physis de Pesquisa em Educação Física, Sociedade e Natureza (UFG). Sócio-pesquisador do CBCE - Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte. Editor de seção da Revista Pensar a Prática (UFG), Parecerista Ad Doc das revistas Brasileira de Ciências do Esporte (RBCE), Movimento (ESEF-UFRGS), Motrivivência (UFSC), Pensar a Prática (FEF-UFG), CONEXÕES (Unicamp) e EMASF-Revista Digital de EF (Espanha). Realizou estágio pós-doutoral na Universidade de Granada-Espanha (2018) sob a tutoria do Prof; Dr. Antônio Baena-Extremera.

Antonio Baena-Extremera, Universidade de Granada (UGR) Espanha

Professor titular na Faculdade de Ciências da Educação (Departamento de Expressão Corporal) da Universidade de Granada, Espanha.

Referências

ÁLVAREZ, C. S.; FERNÁNDEZ-RÍO, J. Expandiendo las fronteras del aula de educación física: el parkour como contenido educativo. Tándem Didáctica de la Educación Física, Barcelona, n. 40, p. 96-106, 2012.

APUNTS. Instituto Nacional de Educación Física de Cataluña. 41, 3º trim., 1995. Disponível em: https://www.revista-apunts.com/es/hemeroteca/?issue=53. Acessado em: 20 de outubro de 2018.

BAENA, A.; CALVO, J. F.; MARTINA, M. M. Una experiencia didáctica en metodología integrada: cinco estilos de enseñanza a través de la bicicleta de montaña, patines y monopatines en E.S.O. Espiral. Cuadernos del Profesorado, Almeria, v. 2, n. 3, p. 41-8, 2009.

BAENA, A.; GRANERO, A. Actividades en el medio natural, aula y formación del profesorado. Tándem Didáctica de la Educación Física. Barcelona, n. 45, p. 8-13, 2014.

BAENA, A.; GRANERO, A. Las actividades físicas en la naturaleza en el currículum actual: contribución a la educación para la ciudadanía y los derechos humanos. Retos, Murcia, n. 14, p. 48-53, 2008.

BAENA, A.; ESCARAVAJAL, J. C. Base de Datos OutdoorPEactivies. Disponível em: http://www.outdoorpeactivities.com/. Acessado em: 30 de outubro de 2018.

BAENA, A.; GRANERO, A. Propuesta didáctica para el trabajo de la orientación deportiva en centros educativos. Trances, Sevilha, v. 3, n. 6, p. 735-49, 2011.

BICUDO, M. A. V. Meta-análise: seu significado para a pesquisa qualitativa. Revemat, Florianópolis, v. 9, n. 9, p. 7-20, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acessado em: 09 de setembro de 2018.

BRASIL ESCOLA. População da Espanha. Acesso em: 02 de outubro de 2018. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/espanha2.htm/. Acessado em: 02 de outubro de 2018.

BRUJULABIKE. En España se venden más de 3.000 bicicletas al día. Disponível em: https://www.brujulabike.com/se-venden-mas-3000-bicis-dia/. Acessado em: 02 de outubro de 2018.

DELGADO, M.; CORRÊA, E. A. Atividades de aventura nos currículos de formação inicial em educação física no Brasil. In: II Congresso Brasileiro de Estudos do Lazer. Anais... Belém do Pará: ANPEL. p. 878-88, 2016.

ESPANHA. MEC. LOMCE: Ley Orgánica para la Mejora de la Calidad Educativa. Madrid: BOE, 295; 2013. Disponível em: https://www.boe.es/eli/es/lo/2013/12/09/8/con. Acessado em: 15 de abril de 2018.

ESPANHA. MEC. Real DR 1105/2014. Madrid: BOE, 3; 2014a. Disponível em: https://www.boe.es/boe/dias/2015/01/03/pdfs/BOE-A-2015-37.pdf. Acessado em: 15 de abril de 2018.

ESPANHA. MEC. Real DR 126/2014. Madrid: BOE, 52; 2014b. Disponível em: https://www.boe.es/buscar/pdf/2014/BOE-A-2014-2222-consolidado.pdf. Acessado em: 15 de abril de 2018.

FRANCO, L. C .P.; CAVASINI, R.; DARIDO, S. C. Práticas corporais de aventura. In: GONZÁLEZ, F. J.; DARIDO, S. C.; OLIVEIRA, A. A. B. (Org.). Práticas corporais e a organização do conhecimento. Maringá: Eduem, 2014.

FRANCO, L. C. P. Atividades físicas de aventura na escola: uma proposta nas três dimensões do conteúdo. 2008. 136f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Motricidade) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2008.

INÁCIO, H. L. D.; MORAES, T. M.; SILVEIRA, A. B. Educação física e educação ambiental: refletindo sobre a formação e atuação docente. Conexões, Campinas, v. 11, n. 4, p. 1-23, 2013.

INÁCIO, H. L. D.; CAUPER, D. A. C.; SILVA, L. A. P.; MORAIS, G. G. Práticas corporais de aventura na escola: possibilidades e desafios - reflexões para além da base nacional comum curricular. Motrivivência, Florianópolis, v. 28, n. 48, p. 168-87, 2016.

PEÑARRUBIA LOZANO, C.; DIESTE, G.; TRALLERO, J.; LAPETRA, S.; GUILLÉN, R. El trabajo de competencias educativas a través de la bicicleta todo terreno. Tándem Didáctica de la Educación Física, Barcelona, n. 44, p. 68-74, 2014.

PEREIRA, D. W.; ARMBRUST, I. Pedagogia da aventura. São Paulo: Fontoura; 2010

PEREIRA, D. W.; DE PAULA, R. O.; SILVA, A. B. da; GALINDO, C. B.; SANTOS, V. S. F. dos. Esportes radicais no meio ambiente urbano no município de São Paulo. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 15, n. 1, p. 83-92, 2017.

PIOVANI, V. G. M. Atividades de aventura: prática para um tempo livre para o consumo ou para um tempo livre mais humano? Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11, n. 2, p. 61-7, 2013.

VAQUERO-CRISTÓBAL, R.; MARTÍNEZ, M.; BAENA, A.; GRANERO, A.; SÁNCHEZ, J.A. Progresión de los contenidos a enseñar en la educación secundaria obligatoria dentro del bloque de actividades en el medio natural. Trances: Revista de Transmisión del Conocimiento Educativo y de la Salud, Sevilha, v. 5, n. 1, p. 39-50, 2013.

VIÑAMBRES, A.M. Las actividades de orientación en la educación formal. Ágora para la EF y el Deporte, Valladolid, n. 7-8, p. 49-62, 2008.

Downloads

Publicado

22-09-2020

Como Citar

INÁCIO, H. L. de D.; BAENA-EXTREMERA, A. Práticas corporais de aventura na educação física espanhola: um estudo com foco na metodologia e na avaliação. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 3, p. 125–131, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p125. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/23314. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Relato de Experiência