Aspectos socioambientais relatados por praticantes de atividades de aventura na natureza com 60 anos ou mais: a natureza em si e no outro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p149

Palavras-chave:

aventureiros, idosos, meio ambiente

Resumo


INTRODUÇÃO: As atividades de aventura na natureza favorecem a discussão de importantes questões sociais e ambientais, constituindo-se em experiências valiosas para qualquer pessoa, inclusive, para a população idosa.OBJETIVO: Este estudo teve como objetivo identificar os significados que praticantes de atividades de aventura, com 60 anos ou mais, atribuem às questões socioambientais. MÉTODOS: Trata-se de uma pesquisa de campo, com corte transversal, realizada com 18 homens e seis mulheres praticantes de atividades de aventura na natureza, com 60 anos ou mais de idade, na região da Grande Florianópolis. Para a coleta de dados foram utilizadas entrevistas semiestruturada e observação simples, registradas em diário de campo. Os dados foram organizados no NVivo 11.0 e analisados conforme técnica de análise de conteúdo categorial.RESULTADOS: A aproximação do praticante com o ambiente foi um dos motivos apresentados pelos idosos para praticarem atividades de aventura na natureza. Essa relação que se estabelece entre praticante e ambiente foi percebida, nesse estudo, pelo amor, pela preocupação com questões socioambientais, pelo cuidado com o outro e consigo mesmo.CONCLUSÃO: Os idosos praticantes de atividades de aventura na natureza refletem uma diferente forma de envelhecer, por meio da qual são valorizados e admirados. Assim, a contribuição deles com relação às questões socioambientais podem ser influenciadoras para outras gerações.ABSTRACT. Social and environmental aspects reported by nature adventure practitioners aged 60 and over: nature itself and the other.BACKGROUND: Adventure activities in nature favor the discussion of important social and environmental issues, becoming valuable experiences for anyone, including the elderly population. OBJECTIVE: This study aimed to identify the meanings that adventure practitioners, aged 60 and over, attribute to social and environmental issues. METHODS: This is a cross-sectional field study conducted with 18 men and six women who practice adventure activities in nature, aged 60 and over, in the Greater Florianópolis region. Semi-structured interview and simple observation were used for data collection. The data were organized in NVivo 11.0 and analyzed according to the categorical content analysis technique.  RESULTS: The connection between the practitioner and the environment was one of the reasons presented by the elderly to practice adventure activities in nature. This relationship that is established between practitioner and environment was perceived, in this study, by love, concern with socio-environmental issues, care for others and for oneself. CONCLUSION: Elderly practitioners of adventure activities in nature reflect a different way of aging, through which they are valued and admired. Thus, their contribution in relation to socio-environmental issues can influence other generations.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACOSTA, A. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Autonomia Literária/Elefante, 2016.

ALVES JUNIOR, E. D. Atividades de aventura, tecnologias e envelhecimento. In: SCHWARTZ, G. M. (Org.) Tecnologias e atividades de aventura. São Paulo: Lexia, 2012. p. 23-9.

BANDEIRA, M. M.; RUBIO, K. “Do outside”: corpo e natureza, medo e gênero no surfe universitário paulistano. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 97-110, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BETRÁN, J. O; BETRÁN, A. O. Las actividades de aventura em la naturaleza (AFAN): revisión de la taxonomía (1995-2015) y tablas de clasificación e identificación de las prácticas. Apunts, Barcelona, n. 124, p. 71-88, 2016.

BROOKES, A. A critique of neo-Hahnian outdoor education theory. Part one: challenges to the concept of “character building”. Journal of Adventure Education & Outdoor Learning, London, v. 3, n. 1, p. 49-62, 2003.

BRUHNS, H. T.; MARINHO, A. Ritos e rituais nas viagens à natureza. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 87-102, 2012.

CRESPO, L. V. Os idosos e seus tempos de lazer em família: uma aproximação pedagógico-social. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 16, n. especial, p. 341-53, 2011.

DEBERT, G. G. Velho, terceira idade, idoso ou aposentado? Sobre diversos entendimentos acerca da velhice. Revista Coletiva, Cidade, n. 5, 2011.

FIGUEIREDO, J. P.; SCHWARTZ, G. M. Atividade de aventura e educação ambiental como foco nos periódicos da área de educação física. Motriz, Rio Claro, v. 19, n. 2, p. 467-79, 2013.

FISHPEOPLE. Diretor: Keith Malboy. Produtora: Monika McClure. Patagonia, 2017. 48 min. Documentário. Formato: MP4 digital. Disponível em: <https://youtu.be/Vejz78dhfZk>.

GOMES, C. L.; BAHIA, M. C.; ELIZALDE, R.; LACERDA, L. L. L.; SILVA, R. L. P. Lazer, sustentabilidade e meio ambiente na América Latina: problematizações e desafios. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, Belo Horizonte, v. 1, n. 3, p. 84-105, 2014.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv91983.pdf>. Acessado em: 15 de janeiro de 2019.

LAVOURA, T. N.; SCHWARTZ, G. M.; MACHADO, A. A. Aspectos emocionais da prática de atividades de aventura na natureza: a (re)educação dos sentidos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 119-27, 2008.

MARINHO, A. Atividades físicas e esportivas e meio ambiente. Produção de background paper para o Relatório Nacional de Desenvolvimento Humano do PNUD, 2017. Disponível em: <https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/library/idh/rdhs-brasil/relatorio-nacional-desenvolvimento-humano-2017.html>. Acessado em: 23 de agosto de 2019.

MARINHO, A. Lazer, aventura e ficção: possibilidades para refletir sobre as atividades realizadas na natureza. Motriz, Rio Claro, v. 15, n. 1, p. 1-12, 2009.

MARINHO, A. Lazer, aventura e risco: reflexões sobre atividades realizadas na natureza. Movimento, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 181-206, 2008.

OHANA Pupo. Diretor: Munir El Hage, Rafael Mejias. Brasil: 2008. 20 min. Documentário. Formato: DVCam. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4Fl_PO9oIHo>.

OLIVEIRA, C.L.; MAIA, T. N.; ALVES JUNIOR, E. D.; MOTA, G. A. G. Montanhismo: dos significados, conflitos e tensões. Licere, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 194-217, 2018.

PEREIRA, D. W.; TAVARES, J. T.; SUZUKI, S. F. Slackline: saúde, aventura e emoção para os idosos. Pensar a Prática, Goiânia, v. 19, n. 2, p. 328-38, 2016.

PICCOLO, G. M. Os caminhos dialéticos do envelhecimento e a sua relação com a educação física contemporânea. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 169-77, 2011.

PIOVANI, V. G. S. Atividades de aventura: prática para um tempo livre para o consumo ou para um tempo livre mais humano? Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11, n. 2, p. 61-7, 2013.

RATTO, C. G.; HENNING, P. C.; ANDREOLA, B. A. Educação Ambiental e suas Urgências: a constituição de uma ética planetária. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 42, n. 3, p. 1019-34, 2017.

SANTOS, P. M.; MARINHO, A. Slackline e educação física: experiências do projeto de extensão “Lazer e recreação”. Licere, Belo Horizonte, v. 17, n. 4, p. 306-28, 2014.

VISCARDI, A. A. F.; CORREIA, P. M. S.; MAZO, G. Z.; MARINHO, A. Percepções de idosos sobre atividades de aventura na natureza. Licere, Belo Horizonte, v. 21, n. 2, p. 1-25, 2018.

WARAT, L. A. Amor de gigantes. Humanidades, Brasília, v. 20, n. 6, p. 21-6, 1989.

WHEATON, Belinda. Surfing through the life-course: silver surfers’ negotiation of ageing. Annals of Leisure Research, London, v. 20, p. 1-21, 2016.

Downloads

Publicado

19-10-2020

Como Citar

VISCARDI, A. A. da F.; MARINHO, A. Aspectos socioambientais relatados por praticantes de atividades de aventura na natureza com 60 anos ou mais: a natureza em si e no outro. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 3, p. 149–155, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p149. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/23324. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Relato de Experiência