Qualidade de vida na deficiência: o CrossFit adaptado para usuários de cadeiras de rodas e amputados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p139

Palavras-chave:

Qualidade de vida, Pessoas com deficiência, Atividade física, Exercicio Físico.

Resumo


INTRODUÇÃO: A qualidade de vida de pessoas com deficiência está associada à condição de bem-estar, mesmo diante das condições limitadoras ou restritivas que possuem. Assim, o exercício físico adaptado requer a promoção de algumas estratégias de estimulação das capacidades e possui grande importância para o indivíduo, seja na descoberta de novas habilidades ou na reabilitação das funções.OBJETIVO: Ao adentrar no universo de um box de CrossFit, objetivou-se conhecer a prática oferecida para um grupo de pessoas com deficiências físicas (usuárias de cadeiras de rodas e amputados) a fim de identificar na prática os benefícios que podem apresentar enquanto exercício físico. MÉTODOS: Buscou-se na literatura especializada subsídios para a discussão e descrição dos resultados obtidos, por meio do acompanhamento de um grupo praticante da modalidade, com registros fotográficos dos treinos e relatos dos participantes.RESULTADOS: Foi notada a melhoria da autoestima dos participantes, a redescoberta de funções em indivíduos em fase de reabilitação física e a importância da socialização entre pessoas com e sem deficiências.CONCLUSÃO: Constatou-se o quanto a prática é válida para o grupo que busca melhor condicionamento, além de contribuir para aspectos psicológicos e sociais essenciais para a qualidade de vida e, consequentemente, para a convivência saudável das pessoas com deficiência no esporte e na sociedade.ABSTRACT. Quality of life in disabilities: CrossFit adapted for wheelchair users and amputees.BACKGROUND: The quality of life of people with disabilities is associated with the condition of well-being, even in the face of the limiting or restrictive conditions they have. Thus, adapted physical exercise requires the promotion of some strategies to stimulate capacities and has great importance for the individual, whether in the discovery of new skills or in the rehabilitation of functions.OBJECTIVE: When entering the universe of a CrossFit box, the objective was to get to know the practice offered to a group of people with physical disabilities (users of wheelchairs and amputees) in order to identify in practice the benefits they can present while exercising.METHODS: We sought in the specialized literature subsidies for the discussion and description of the results obtained, through the monitoring of a group practicing the sport, with photographic records of the training and reports of the participants. RESULTS: It was noted the improvement in self-esteem of participants, the rediscovery of functions in individuals in rehabilitation, and the importance of socialization between people with and without disabilities.CONCLUSION: It was found how valid the practice is for the group that seeks better conditioning, in addition to contributing to psychological and social aspects essential to the quality of life and, consequently, to the healthy coexistence of people with disabilities in sports and in society.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle da Silva Pinheiro Wellichan, Universidade do Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) - Marília

Bibliotecária e Pedagoga Especialista. Mestra em Ciência da Informação (UNESP / Marília) e Doutoranda em Educação, na linha de Educação Especial no Programa de Pós-Graduação na UNESP/Marília.

Marcella Garcia Ferreira dos Santos, Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) Bauru/SP

Fisioterapeuta pela Faculdade Anhanguera de Bauru com Aprimoramento Profissional em Fisioterapia Geral pela UNESP, no Hospital Estadual de Bauru, SP.

Referências

ALVES, G. CrossFit é o exercício que mais machuca? Não, segundo estudos. Folha de São Paulo, Caderno Equilíbrio e Saúde, 27 mar. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/amp/equilibrioesaude/2018/03/crossfit-e-o-exercicio-que-mais-machuca-nao-segundo-estudos.shtml. Acessado em: 22 de janeiro de 2019.

ARAUJO, D. S. M. S.; ARAUJO, C. G. S. Aptidão física, saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 6, n. 5, p. 194-203, 2000.

ARAÚJO, F. P. Desporto adaptado no Brasil. São Paulo: Phorte Editora, 2011.

ARONI, A. L. Um estudo sobre a prática de atividade física por amputados. Monografia (Especialização em Atividade Motora Adaptada) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

BARBANTI, V. J. Dicionário de educação física e esporte. São Paulo: Manole, 2003

BRANCATTI, P. R. Esporte adaptado às pessoas com deficiências na Unesp de Presidente Prudente: da iniciação às conquistas sociais. Revista Adapta, Presidente Prudente, v. 9, n. 1, p. 33-38, 2013.

BRASIL. Lei 13.146 de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm Acessado em: 10 jan. 2019.

CARDOSO, V. D. A reabilitação de pessoas com deficiência através do desporto adaptado. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 33, n. 2, p. 529-39, 2011.

CARVALHO, J. A. Amputações de membros inferiores: a busca da plena reabilitação. 2. ed. Barueri: Manole, 2003.

COSTA, S. M. L.; BARROS, A. A.; SITONIO, F. T.; BARROS, M. F. A; CARVALHO, A. G. C. Perfil do atleta de basquetebol sobre rodas de uma instituição pública. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 16, n. 2, p. 59-64, 2012.

COSTA E SILVA, A. A.; MARQUES, R. F. R.; PENA, L. G. S.; MOLCHANSKY, S.; BORGES, M.; CAMPOS, L. F. C. C.; ARAUJO, P. F.; BORIN, J. P.; GORLA, J. I. Esporte adaptado: abordagem sobre os fatores que influenciam a prática do esporte coletivo em cadeira de rodas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 27, n. 4, p. 679-87, 2013.

FARQUHAR, M. Definitions of quality of life: a taxonomy. Journal of Advanced Nursing, Oxford, v. 22, n. 3, p. 502-8, 1995.

FEDERAÇÃO Internacional de Medicina Esportiva. A inatividade física aumenta os fatores de risco para a saúde e a capacidade física. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 4, n. 2, p. 69-70, 1998.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GLASSMAN, G. What is CrossFit. 2005. Disponível em: https://www.crossfit.com/what-is-crossfit. Acessado em: 29 de julho de 2020.

GOMES, A. L. C. B.; GOMES, A. B. A.; SANTOS, H. H.; CLEMENTINO, A. C. C. R. Habilidades motoras de cadeirantes influenciadas pelo controle de tronco. Motriz, Rio Claro, v. 19 n. 2, p. 278-87, 2013.

GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. F. (Org.). Dicionário crítico de educação física. Ijuí: Unijuí, 2008.

HEIL, E. A percepção de atletas com deficiência visual sobre o esporte adaptado. 2008. 40f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2008.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, 2010. Disponivel em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf. Acessado em: 20 de janeito de 2019.

LIANZA, S. Medicina de reabilitação. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1985.

MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149-58, 1990/1991.

MATOS, D. C.; SILVA, J. E.; LOPES, C. S. Dicionário de educação física, desporto e saúde. Rio de Janeiro: Rubio, 2005.

MEDOLA, F. O.; MACEDO, D. L.; CARRERI, D. S.; MARQUES, E. F. A.; KIKUCHI, L. T.; COSTA, N. L.; BUSTO, R. M. Acessibilidade de um centro de treinamento esportivo para usuários de cadeira de rodas. Revista Neurociências, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 244-9, 2011.

MINAYO, M. C. S.; HARTZ, Z. M. A.; BUSS, P. M. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 7-18, 2000.

NEUMANN, D. A. Cinesiologia do aparelho musculoesquelético: fundamentos para a reabilitação física. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

NOCE, F.; SIMIM, M. A. de M.; MELLO, M. T. de. A percepção de qualidade de vida de pessoas portadoras de deficiência física pode ser influenciada pela prática de atividade física? Revista Brasileira de Medicina e Esporte, Niterói, v. 15, n. 3, p. 174-8, 2009.

OLIVEIRA, A. R. P.; GONÇALVES, A. G.; SEABRA JUNIOR, M. O. Badminton e esporte adaptado para pessoas com deficiência: revisão sistemática da literatura. Revista da Sobama, Marília, v. 18, n. 1, p. 93-108, 2017.

OLIVEIRA, A. C. Qualidade de vida em idosos que praticam atividade física – uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Niterói, v. 13, n. 2, p. 301-12, 2010.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Saúde e envelhecimento: Um documento para o debate: Versão Preliminar. Madrid: Instituto de Migração e Serviços Sociais; 2001. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5661:folha-informativa-envelhecimento-e-saude&Itemid=820. Acessado em: 09 de outubro de 2020.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), OMS; 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf. Acessado em: 09 de outubro de 2020.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Diminuindo diferenças: a prática das políticas sobre determinantes sociais da saúde. Rio de Janeiro: OMS; 2011. Disponível em: http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/10/Documento-Tecnico-da-Conferencia-vers%C3%A3o-final.pdf. Acessado em: 09 de outubro de 2020.

PEREIRA, R. Atletas adaptados de CrossFit brilham em competição no Canadá. Idethnos, 02/08/2018. Disponível em: https://www.idethnos.com/blog/atletas-adaptados-de-crossfit-brilham-em-competicao-no-canada/. Acessado em: 11 de janeiro de 2019.

PEREIRA, É. F.; TEIXEIRA, C. S.; SANTOS, A. Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 241-50, 2012 .

PEREIRA, S. O. Reabilitação de pessoas com deficiência no SUS: elementos para um debate sobre integralidade. 2009. 113f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

QUINTANA, R.; NEIVA, C.M. Fatores de risco para síndrome metabólica em cadeirantes – jogadores de basquetebol e não praticantes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 188-91, 2008.

ROCHA, T.M.; GARDENGHI, G. O esporte adaptado: uma revisão de literatura. 2016. 12f. Monografia (Especialização em Fisiologia do Exercício) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiania, 2016.

ROSADAS, S. C. Educação física para deficientes. Rio de Janeiro: Ateneu, 1989.

ROEDER, M. A. Atividade física, saúde mental e qualidade de vida. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

SAGAWA JUNIOR, Y.; HAUPENTHAL, A.; BORGES JUNIOR, N. G.; SANTOS, D. P.; WATELAIN, E. Análise da propulsão em cadeira de rodas manual: revisão de literatura. Fisioterapia em Movimento, Curituba, v. 25, n. 1, p. 185-94, 2012.

SANTOS, D. B.; GARCIA, M. G.; BARBA, P. C. S. D. Qualidade de vida das pessoas com deficiência: revisão sistemática no âmbito de trabalhos brasileiros publicados em bases de dados. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, Ponta Grossa, v. 9, n. 1, p. 45-62, 2017.

SANTOS, A. L. P.; SIMÕES, A. C. Educação física e qualidade de vida: reflexões e perspectivas. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 181-92, 2012.

SERON, B. B.; ARRUDA, G. A.; GREGUOL, M. Facilitadores e barreiras percebidas para a prática de atividade física por pessoas com deficiência motora. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Amsterdam, v. 37, n. 3, p. 214-21, 2015.

SOUZA, A. L. M. Gestão da diversidade e pessoas com deficiência: investigação sobre a inserção da pessoa com deficiência em uma organização pública federal. 2009. 46f. Monografia (Especialização em Gestão Judiciária) - Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

SOUZA, P. A. O esporte na paraplégica e tetraplegia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 1994.

TUBINO, M. J. G.; TUBINO, F. M.; GARRIDO, F. A. C. Dicionário enciclopédico do esporte. São Paulo: Senac, 2007.

VICARI, G. S.; MATTES, V. V. Construções e transições de carreira no esporte adaptado: um estudo de caso com uma atleta paraolímpica da seleção brasileira do voleibol sentado. Revista da Sobama, Marília, v. 19, n. 2, p. 89-102, 2018.

WELLICHAN, D. S. P.; SANTOS, M. G. F. Atividade Física Adaptada para a pessoa com deficiência: o CrossFit Adaptado para um grupo com cadeirantes e amputados. Temas em Educação e Saúde, Araraquara, v. 15, p. 146-58, 2019.

WINNICK, J. P. Educação física e esportes adaptados. 3. ed. Barueri: Manole, 2004.

WHOQOL Group. The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the WHOQOL). In: ORLEY, J.; KUYKEN, W. (Eds.). Quality of life assessment: international perspectives. Psychological Medicine, Cambridge, v. 28, p. 551-8, 1998.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Downloads

Publicado

14-10-2020

Como Citar

WELLICHAN, D. da S. P.; SANTOS, M. G. F. dos. Qualidade de vida na deficiência: o CrossFit adaptado para usuários de cadeiras de rodas e amputados. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 3, p. 139–147, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p139. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/23957. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Relato de Experiência