Efeitos de diferentes modelos de treinamento de força e flexibilidade no desempenho do teste de salto horizontal e sentar-e-alcançar em jogadores de voleibol

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p63

Palavras-chave:

Treinamento de Força, Treinamento de Flexibilidade, Voleibol.

Resumo


OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi comparar o desempenho no teste de potência de membros inferiores e flexibilidade de atletas de voleibol do gênero feminino, categoria sub-16, submetidas exclusivamente ao treino de força com atletas submetidas ao treino de força e flexibilidade.MÉTODOS: As atletas foram divididas em dois grupos. Um grupo realizou o treinamento de força (GTF) e o outro grupo efetuou o treinamento de força e flexibilidade (GTFF). O período de treinamento foi de dois meses. Para a avaliação da potência de membros inferiores e flexibilidade optou-se, respectivamente, pelo teste de salto horizontal e sentar-e-alcançar. Verificou-se a normalidade dos dados através do teste de Shapiro-Wilk. Alicerçado nestes resultados, utilizou-se o Anova two way, com post hoc de Sidak, para duas amostras independentes a fim de identificar o efeito do treino nos testes de salto horizontal e sentar-e-alcançar. O teste de Mann Whitney foi utilizado para verificar a diferença da melhora entre grupos no teste de força, e o teste t independente para verificar a diferença da melhora entre grupos do teste de sentar-e-alcançar.RESULTADOS: Verifica-se que houve diferença entre as médias entre as diferentes avaliações (tempo) no teste de salto horizontal [F(2,48)=10,282; p<0,05] e flexibilidade [F(2,48)=10,298; p>0,05). No salto horizontal a diferença significativa ocorreu no grupo GTF (p<0,05). Na flexibilidade, a diferença significativa ocorreu no GTFF (p<0,05). Na comparação entre grupos, o teste de Mann Whitney retornou valor de p=0,924 no teste de força. Não obstante, o teste t independente retornou valor de p=0,106 no teste de sentar-e-alcançar.CONCLUSÃO: Conclui-se que em face a importância da flexibilidade para atletas de voleibol, ainda que a GTFF não tenha apresentado melhora significativa no teste de impulsão vertical, não é possível refutar a utilização do treino de força aliado ao treino de flexibilidade.  ABSTRACT. Effects of different models of strength and flexibility training on the performance of the horizontal jump and sit-and-reach test in volleyball players.OBJECTIVE: This study aimed to compare the performance in the lower limb strength test and flexibility test of athlete of volleyball of the feminine gender, category sub-16, exclusively submitted to the strength training with athletes submitted to the strength training and flexibility training. METHODS: The athletes were divided in two groups. A group carried through the strength training (GTF) and the other group effected the strength training and flexibility training (GTFF). The period of training was of two months. For assessing lower limb strength and flexibility it was opted, respectively, for the horizontal jump test and to sit-and-reach test. It was verified normality of the data through the test of Shapiro-Wilk. Based in these results, Anova two way with post hock of Sidak was used to identify the effect of training in horizontal jump test and sit-and-reach test. For the difference between the initial and final test of each group, the Mann Whitney test was used to identify the difference of the improvement between groups in the strength test and independent test t was used to identify the difference of the improvement between groups of the sit-and-reach test. RESULTS: We found that there was a difference between the different test in the horizontal test [F(2.48)=10.282; p<0.05] and sit-and-reach test [F(2.48)=10.298; p>0,05). In the horizontal jump test there was a difference in GTF group (p<0.05). In the flexibility test there was a difference in GTFF group. In the comparison between groups, the Mann Whitney test returned value from p=0.924 for the performance of the strength test. Besides that, independent test t returned value from p=0.106 for the performance of the flexibility test. CONCLUSION: We concluded that in view the importance of flexibility for volleyball athletes, it is not possible to refute the use of strength training combined with flexibility training.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALECRIM, J. V. C.; ALECRIM NETO, J. V. C.; SOUZA, M. O.; GILBERTO, P. P. Efeitos do treinamento pliométrico e isométrico na força explosiva de atletas de Handebol. Revista Ciencias de la Actividad Física, Maule, v. 20, n. 2, p. 1-14, 2019.

ANDRADE, L. N.; TEIXEIRA, R. V.; CARLOS, P. S. Relação entre a flexibilidade e a força entre praticantes de Crossfit. Motricidade, Ribeira de Peña, v. 14, n. 1, p. 279-283, 2018.

ASKLING, C.; KARLSSON, J.; THORSTENSSON, A. Hamstring injury occurrence in elite soccer players after preseason strength training with eccentric overload. Scandinavian Journal of Medicine e Science in Sports, Nova Jersey, v. 13, n. 4, p. 244-50, 2003.

BARBOSA, A. C.; ANDRIES JÚNIOR, O. Efeito do treinamento de força no desempenho da natação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 141-150, 2006.

BASSO, B.; FARIAS, J. M. Níveis de força explosiva e potência aeróbica de atletas de futebol. Revista Brasileira de Futebol e Futsal, São Paulo, v. 11, n. 43, p. 235-42, 2019.

BASTOS, C. L.; ROSÁRIO, A. C.; PORTAL, M. N.; RODRIGUES NETO, G.; SILVA, A. J.; NOVAES, J. S. Influência aguda do alongamento estático no comportamento da força muscular máxima. Motricidade, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 90-9, 2014.

BOMPA, T. O. A periodização do treinamento esportivo. São Paulo: Manole, 2001.

BOMPA, T. O. Treinamento total para jovens campeões. São Paulo: Manole, 2002.

CARVALHO, A. C. C.; PAULA, K. C.; AZEVEDO, T. M. C.; NÓBREGA, A. C. L. da. Relação entre flexibilidade e força muscular em adultos jovens de ambos os sexos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 1-8, 1998.

CARVALHO, J.; BORGES, G. A. Exercícios de alongamento e as suas implicações no treino de força. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 3, n. 2, p. 67-78, 2001.

CÉSAR, E. P.; SOUZA, D. V. B. C.; SANTOS, T. M.; GOMES, P. S. C. Efeito agudo de diferentes rotinas de alongamento estático sobre o salto contramovimento. Revista da Educação Física, Maringá, v. 26, n. 2, p. 279-88, 2015.

CONCEIÇÃO, M. C. S. C.; SAMPAIO, A. O.; VALE, R. G. S.; ACHOUR JUNIOR, A.; NODARI JUNIOR, R. J.; DANTAS, E. H. M. Efeitos Crônicos do flexionamento estático sobre parâmetros neuromusculares em jovens adultos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 181-5, 2012.

CORBIN, C. B.; NOBLE, L. Flexibility: A major component of physical fitness. Journal of Physical Education and Recration, Washington, v. 51, n. 6, p. 57-60, 2013.

CORREIA, M. A.; MENÊSES, A. L.; LIMA, A. H.; CAVALCANTE, B. R.; RITTI-DIAS, R. M. Efeito do treinamento de força na flexibilidade: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 19, n. 1, p. 3-11, 2014.

DANCEY, C. P.; REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia. Artmed: Porto Alegre, 2006.

DEVAN, M. R.; PESCATELLO, L. S.; FAGHRI, P.; ANDERSON, J. A prospective study of overuse knee injuries among female athletes with muscle imbalances and structural abnormalities. Journal of Athletic Training, Kansas, v. 39, n. 3, p. 263-7, 2004.

DORNELES, R. C. G.; OLIVEIRA, H. L. R.; BERGMANN, M. L. A.; BERGMANN, G. G. Flexibility and muscle strength/resistance indicators and screening of low back pain in adolescents. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 18, n. 1, p. 93-102, 2016.

FABRÍCIO, D. L.; ARAÚJO, A. M.; OLIVEIRA, M. N.; BROLLO, C. H.; OLIVEIRA, R. R. Influência do alongamento estático agudo nas valências força e potência muscular em jovens futebolistas. Revista Fisioterapia e Saúde Funcional, Fortaleza, v. 1, n. 1, p. 4-9, 2012.

GALDINO, L. A.; NOGUEIRA, C. J.; CÉSAR, E.; FORTES, M. E. P. Comparação entre níveis de força explosiva de membros inferiores antes e após flexionamento passivo. Fitness & Performance Journal, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 11-5, 2005.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas: São Paulo, 2008.

GONÇALVES, D. L.; PAVÃO, T. S.; DOHNERT, M. B. Efeitos agudos e crônicos de um programa de alongamento estático e dinâmico no rendimento em jovens atletas do futebol. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 241-6, 2013.

HIGAJO, N.; ANDRADE, D. R.; PEREIRA, M. H. Relação entre a flexibilidade e a força dos membros inferiores em voleibolistas de alto nível. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, São Caetano do Sul, v. 5, n. 3, p. 7-12, 1991.

LEITE, Y.; TEIXEIRA, A. S.; SAAVEDRA, F. J. F.; LEITE, R. D. Influence of strength flexibility training, combined or isolated, on strength and flexibility gains. Journal of Strenght and Conditioning Research, Philadelphia, v. 25, n. 5, p. 1083-1088, 2015.

LIMA, T. R.; MARTINS, P. C.; MORAES, M. S.; SILVA, D. A. S. Association of flexibility with sociodemographic factors, physical activity, muscle strength, and aerobic fitness in adolescents from southern Brazil. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 202-208, 2019.

LIMA, W. S.; TEIXEIRA, R. V.; QUEIROZ, J. B.; LIMA, E. J. Nível de flexibilidade em adolescentes praticantes de treino de força. Motricidade, Ribeira de Peña, v. 14, n. 1, p. 240-4, 2018.

MARCHETTI, P. H.; SOARES, E. G.; DOMINGUES, F. H.; MEDEIROS, I. I.; NETO, I. R.; LOPES, C. R.; ...; BACURAU, R. F. Efeitos de diferentes durações do alongamento no desempenho de saltos unipodais. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 223-6, 2014.

MARQUES JUNIOR, N. K. Análise cinesiológica dos fundamentos do voleibol: conteúdo para descrever o treino neuromuscular – força e flexibilidade. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 10, n. 57, p. 155-91, 2016.

MENDES, E. H.; NUNEZ, J. C. L. Um estudo sobre a flexibilidade de membros inferiores com praticantes de ginástica rítmica. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 5, n. 10, p. 135-42, 2003.

MORAES, A. H. O alongamento como precedente do exercício de força: aumento do desempenho e prevenção de lesões. Educação Física em Revista, Taguatinga, v. 7, n. 1, p. 1-7, 2013.

OLIVEIRA, A. L.; NOGUEIRA, N. Influência do stretching global activo na flexibilidade da cadeia posterior e no salto vertical no voleibol. Revista Portuguesa de Fisioterapia no Desporto, Vale de Sousa, v. 10, n. 2, p. 90-9, 2008.

OLIVEIRA, M. B.; LETIERE, R. V.; HOLANDA, F. J.; LIMA, I. H. V.; JÚNIOR, T. A. A.; FURTADO, G. E. Efeito agudo de exercícios de flexibilidade no desempenho do salto vertical em homens: um estudo piloto. Motricidade, Ribeira de Pena, v. 12, n. 1, p. 62-8, 2016.

PAULO, A. C.; UGRINOWITSCH, C.; LEITE, G. S.; ARSA, G.; MARCHETTI, P. H.; TRICOLI, V. Efeito agudo dos exercícios de flexibilidade no desempenho de força máxima e resistência de força de membros inferiores e superiores. Motriz, Rio Claro, v. 18, n. 2, p. 345-55, 2012.

PIRES, P.; NAVARRO, A. C. O treinamento de quatro semanas de pliometria promove a melhoria no teste de impulsão horizontal na equipe adulta de voleibol masculino da universidade salgado de oliveira (Universo). Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 4, n. 21, p. 287-94, 2010.

PLATONOV, V. L.; BULATOVA, M. A preparação Física. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

PROESP. Projeto Esporte Brasil. Manual de testes e avaliação. 2016. Disponível em: https://www.ufrgs.br/proesp/arquivos/manual-proesp-br-2016.pdf. Acessado em: 29 de março de 2017.

SANTOS, Z. A.; RIBEIRO, R. Efeito do exercício físico na melhora do grau de flexibilidade na articulação dos joelhos em obesos exercitados comparados com obesos sedentários. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo, v. 10, n. 55, p. 20-4, 2016.

SCHUBERT, A.; JANUÁRIO, R. S. B.; CASANATTO, J.; SONOO, C. N. Aptidão física relacionada à prática esportiva em crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 142-6, 2016.

SIMAS, J.; GONÇALVES, C. Influência da flexibilidade musculotendínea nas lesões de atletas do voleibol. Revista de Fisioterapia e Saúde Funcional, Fortaleza, v. 1, n. 2, p. 48-53, 2012.

SOUZA, A. C.; BENTES, C. M.; SALLES, B. F.; REIS, V. M.; ALVES, J. V.; MIRANDA, H.; NOVAES, J. S. Influence of inter-set stretching on strenght, flexibility and hormonal adaptations. Journal of Human Kinectics, Katowice, v. 36, n. 1, p. 127-35, 2013.

VILELA, G.; SILVA, S. F. Efeitos do treinamento pliométrico na força explosiva e potência de meninas púberes praticantes de voleibol. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Águas Claras, v. 25, n. 1, p. 109-17, 2017.

VOIGT, L.; VALE, R. G. S.; ABDALA, D. W.; FREITAS, W. Z.; NOVAES, J. S.; DANTAS, E. H. M. Efeitos de três repetições de 10 segundos de estímulos do método estático para o desenvolvimento da flexibilidade de homens adultos jovens. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, Florianópolis, v. 32, n. 2-4, p. 155-66, 2010.

ZANOLO, J. C. Efeito da inclusão de treinamento específico na flexibilidade de flexão do quadril e no salto vertical, em jovens atletas de voleibol feminino. 2015. 51f. Monografia (Especialização em Avaliação e Prescrição na Atividade Física) - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, 2015.

ZANOLO, J. C.; RAVAGNANI, F. C. P.; REIS FILHO, A.; SIMÃO, R. Q. Efeito do treinamento de flexibilidade articular do quadril sobre o salto vertical em jovens atletas de voleibol feminino. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 8, n. 50, p. 846-54, 2014.

ZUCCOLOTTO, A. P.; BELLINI, M. A. B. C.; RECH, A.; SONDA, F. C.; MELO, M. O. Efeitos do treinamento de força com resistência elástica sobre o desempenho de flexão de quadril em bailarinas clássicas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 893-901, 2016.

Downloads

Publicado

27-11-2020

Como Citar

RODRIGUES, H. D.; PINTO, G. M. C.; PEDROSO, B. Efeitos de diferentes modelos de treinamento de força e flexibilidade no desempenho do teste de salto horizontal e sentar-e-alcançar em jogadores de voleibol. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 3, p. 63–69, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p63. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/25247. Acesso em: 29 nov. 2021.