A preparação de jovens tenistas para a competição: um estudo exploratório a partir da percepção dos treinadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p49

Palavras-chave:

Tênis, Competição infantojuvenil, Esporte.

Resumo


OBJETIVO: Pesquisar como ocorre, na visão dos treinadores, a preparação de crianças e jovens para as competições de tênis, procurando responder às 3 categorias norteadoras idealizadas por Marques (2004), referentes à Teoria das Competições, enquanto um Modelo de Educação de Crianças e Jovens: os modelos das competições para jovens tenistas; o contexto da relação vitórias x derrotas; e a frequência nas competições dos jovens tenistas. MÉTODOS: Participaram do estudo 11 treinadores, de 6 clubes e 3 academias de 4 estados brasileiros. O estudo apresenta uma análise qualitativa, com pesquisa descritiva exploratória, a partir dos dados obtidos das entrevistas, realizadas com questionário semiestruturado. A análise dos dados deu-se a partir das 3 categorias de Marques (2004). RESULTADOS: A análise de conteúdo permite observar que as competições para jovens tenistas estão mais bem estruturadas, principalmente nos estágios iniciais. Com relação ao contexto de vitórias e derrotas, os relatos indicam que as condições atuais não atendem aos fundamentos preconizados por Marques (2004), e ainda há muito o que se evoluir nesse âmbito, principalmente no sentido de desenvolver, com as crianças e jovens, o “saber perder e o saber vencer”. A respeito da frequência maior ou menor das competições, houve um desenvolvimento, mas não suficiente para atender às ideias do autor, pois muitos jovens são vetados de competir por seus treinadores; ou, por outro lado, atletas competem em grande quantidade, mas sem considerar-se o número de derrotas. CONCLUSÃO: De acordo com os treinadores entrevistados, há sinais de evolução de vários aspectos da preparação de jovens tenistas para competições, mas muito do que acontece na prática vai de encontro às propostas teóricas aqui apresentadas, o que indica a necessidade de intervenção para o alinhamento entre as práticas recomendadas pela literatura e as condutas efetivas dos treinadores.ABSTRACT. The preparation of young tennis players for the competition: an exploratory study from the perceptions of coaches.OBJECTIVE: To investigate how, in the coaches’ view, children and young people prepare for tennis competitions, seeking to answer the 3 guiding categories idealized by Marques (2004), referring to the Theory of Competitions, as a Model of Education for Children and Youth: competition models for young tennis players; the context of the win-lose relationship; and attendance at young tennis players’ competitions. METHODS: Eleven coaches participated in the study, from 6 clubs, and 3 gyms from 4 Brazilian states were interviewed. The study presents a qualitative analysis, with descriptive exploratory research, from the data obtained from the interviews, carried out with a semi-structured questionnaire. Data analysis took place from the 3 categories of Marques (2004). RESULTS: Content analysis shows that competitions for young tennis players are better structured, especially in the early stages. With regard to the context of victories and defeats, the reports indicate that the current conditions do not meet the fundamentals advocated by Marques (2004), and there is still a lot to evolve in this area, mainly in the sense of developing, with children and young people, the “knowing how to lose and knowing how to win”. Regarding the higher or lower frequency of competitions, there was a development, but not enough to meet the author’s ideas, as many young people are vetoed from competing for their coaches; or, on the other hand, athletes compete in large quantities, but without considering the number of defeats. CONCLUSION: According to the interviewed coaches, there are signs of the evolution of various aspects of the preparation of young tennis players for competitions, but much of what happens in practice is in opposition to the theoretical proposals presented here, which indicates the need for intervention for alignment. between the practices recommended by the literature and the effective conduct of the coaches.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AIRES, H.; GONÇALVES, G. H. T; KLERING, R. T.; BALBINOTTI, C. A.A. As competições infantojuvenis à luz da pedagogia do esporte. Revista Kinesis, Santa Maria, v. 34, n. esp., p. 122-39, 2016.

BALBINOTTI, C. A. A.; BALBINOTTI, M. A. A.; BARBOSA, M. L. L.; JUCHEM, L. Aspectos motivacionais do tenista: prazer versus competitividade. In: BALBINOTTI, C. O ensino do tênis: novas perspectivas de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2009. p. 99-112.

BAYER, D.; EBERT, M.; LESER, Roland. A comparison of the playing structure in elite kids tennis on two different scaled courts. International Journal of Performance Analysis in Sport, London, v. 17, p. 1-10, 2017.

BALYI, I.; HAMILTON, A. Long-term athlete development: trainability in childhood and adolescence. Olympic Coach, s.l., v. 16, n. 1, p. 4-9, 2004.

BOMPA, T. O. Total training for young champions. Champaing: Human Kinetics, 2000.

BOMPA, T. O. Treinamento total para jovens campeões. In: TANI, G.; BENTO, J. O.; PETERSEN, R. D. S. Pedagogia do desporto. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 251-61.

BOMPA, T. O. Periodization: theory and methodology of training. 5. ed. Champaing: Human Kinetics, 2009.

BRACHT, V. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. 3. ed. Ijuí: Unijuí, 2005.

CBT. Confederação Brasileira de Tênis. Regulamento do circuito nacional tennis kids categorias 8, 9, 10 e 11 Anos. 2020. Disponível em: http://www.cbt-tenis.com.br/arquivos/teniskids/teniskids_5e5fc78d4651f_04-03-2020_12-21-49.pdf. Acessado em: 12 de fevereiro de 2020.

DE ROSE JÚNIOR, D. A criança, o jovem e a competição esportiva: considerações gerais. In: DE ROSE JÚNIOR, D. Esporte e atividade física na adolescência: uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DE ROSE JÚNIOR, D.; KORSAKAS, P. O processo de competição e o ensino do desporto. In: TANI, G.; BENTO, J. O.; PETERSEN, R. D. S. Pedagogia do desporto. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 251-61.

FGT. Federação Gaúcha de Tênis. Regulamento técnico 2020. 2020. Disponível em: https://www.tenisintegrado.com.br/uploads/id4301/anexos/anexo_1578054942.pdf. Acessado em: 26 de fevereiro de 2020.

FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. 5. ed. São Paulo: Scipione, 2012.

FLICK, U. Introdução a pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GONÇALVES, G. H. T. A competição de tênis como modelo de formação e de educação das crianças: o caso da categoria até 10 anos. 2014. 116f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

GONÇALVES, G. H. T.; KLERING, R. T.; AIRES, H.; BALBINOTTI, C. A. A. Contribuições da competição de tênis e formação de crianças. Journal of Physical Education, Maringá, v. 27, n. 1, p. 3-14. 2016.

ITF. International Tennis Federation. Stages of Tennis 10s. Londres: ITF, 2019a. Disponível em: http://www.tennisplayandstay.com/tennis10s/about-tennis10s/stages-of-tennis10s.aspx. Acessado em: 22 de dezembro de 2019.

ITF. International Tennis Federation. Tennis 10s: Manual. Londres: ITF, 2019b. Disponível em: http:// www.tennisplayandstay.com/resources/resources.aspx. Acessado em: 22 de novembro de 2019.

MARQUES, A. T.; OLIVEIRA, J. O treino e a competição dos mais jovens: rendimento versus saúde. In: BARBANTI, V. J.; BENTO, J. O.; MARQUES, A. T.; AMADIO, A. C. (Eds.). Esporte e atividade física: interação entre rendimentos e saúde. São Paulo: Manoel, 2002. p. 51-78.

MARQUES, A. T. Fazer da competição dos mais jovens um modelo de formação e de educação. In: GAYA, A.; MARQUES, A.; TANI, G. Desporto para crianças e jovens: razões e finalidades. Porto Alegre: UFRGS, 2004. p. 75-96.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Conselho Nacional de Saúde, 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/ 2013/res0466_12_12_2012.html. Acessado em: 13 de junho de 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Brasília: Conselho Nacional de Saúde, 2016. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acessado em: 22 de julho de 2020.

NEGRINE, A. Instrumentos de coletas na pesquisa qualitativa. In: MOLINA NETO, V.; TRIVINOS, A. (Orgs.). A pesquisa qualitativa na educação física: alternativas metodológicas. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2010. p. 63-99.

ROETERT, E. P.; WOODS, R. B.; JAYANTHI, N. A. The benefits of multi-sport participation for youth tennis players. ITF Coaching and Sport Science Review, London, n. 75, p. 14-7, 2018.

ROST, K. As competições no desporto juvenil. Treino Desportivo, Lisboa, v. s.i., p. 3-10, 1997.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

Downloads

Publicado

03-11-2020

Como Citar

SILVEIRA, R. B.; BALBINOTTI, C. A. A. A preparação de jovens tenistas para a competição: um estudo exploratório a partir da percepção dos treinadores. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 3, p. 49–55, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p49. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/25377. Acesso em: 29 nov. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)