Estudo sobre Huka-huka: uma luta de matriz indígena brasileira

Autores

  • Francisco Luís Auricélio Valente Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa
  • Jean Carlos de Goveia Centro Universitário Internacional (Uninter), Jaguariaíva https://orcid.org/0000-0002-6739-4839
  • Guilherme Moreira Caetano Pinto Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa
  • Leandro Martinez Vargas Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa https://orcid.org/0000-0001-7324-4450

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2022.28608

Palavras-chave:

Huka - Huka, Cultura indígena, Luta

Resumo


INTRODUÇÃO: O Brasil possui suas artes marciais típicas, tanto de matriz indígena como de matriz africana. A Huka-huka é uma luta predominante indígena e apresenta escassa informação científica e documental disponíveis, que relatem suas características.

OBJETIVO: Identificar os aspectos históricos culturais, sociais, a organização, as regras e as técnicas da luta Huka–huka.

MÉTODOS: Trata-se de uma revisão de literatura e, para tal, as informações foram levantadas em documentos oficiais, bem como em artigos publicados em periódicos indexados nas bases de dados Scopus, Scielo, Science Direct, Google Acadêmico. Foram analisados todos os artigos publicados até o segundo semestre de 2021, em língua portuguesa ou inglesa.

RESULTADOS: [a] O nome Huka-huka faz alusão ao som dos lutadores imitando os esturros da onça; [b] A luta Huka-huka envolve uma cerimônia religiosa, e sua prática envolve preceitos considerados relevantes para a formação pessoal de jovens indígenas do sexo masculino e feminino; [c] A luta se inicia com o lutador anfitrião escolhendo o seu oponente, que fica de pé quando este se aproxima. Os dois começam a girar em círculos se aproximando fazendo o barulho de onça. Vence a luta quem derrubar o oponente de decúbito dorsal ou ventral, ou levantá-lo totalmente do chão, ou um dos guerreiros manifestar desistência, ou quando segura atrás de um ou dos dois joelhos do oponente 3 e 5 segundos, ou  quando dominar as costas do oponente, por cima, fazendo com que este fique com as mãos e os joelhos no chão.

CONCLUSÃO: Os achados no presente estudo indicam que a HH tem alto índice de participação e envolvimento da comunidade indígena, e pode ser compreendida como um espetáculo, contudo, a arte HH precisa de mais reconhecimento pela sociedade educacional e científica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, G. A.; COSTA, A. M. R. F. M. Integração e divulgação de culturas: integração e divulgação de culturas. Connectionline, Várzea Grande, v. 1, n. 8, p. 47-57, 2012. DOI: <10.18312/connectionline.v0i8.97>.

ALMEIDA, S. P.; PROENÇA, C. E. B.; SANO, S. M.; RIBEIRO, J. F. Embrapa. Cerrado: espécies vegetais úteis. 1998. Disponível em: <http://www.floresdocerrado.fot.br/pantanal/f51.htm>. Acessado em: 10 de setembro de 2020.

BOEHL, W. R.; LIMA, L. S.; FONSECA, D. G. (In)Justificativas e (im)possibilidades do professor de educação física em adotar as lutas como unidade temática. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 16, n. 1, p. 69-77. 2018. DOI: <https://doi.org/10.36453/2318-5104.2018.v16.n1.p69>.

BRAGANÇA, J. Revista geografia universal. As lições dos índios do Xingu. Instituto Socioambiental, 1978. Disponível em: <https://acervo.socioambiental.org/index.php/acervo/noticias/licoes-dos-indios-do-xingu>. Acessado em: 22 de setembro de 2020.

BRASIL. Ministério da cidadania. Secretária dos esportes. XII Jogos Mundiais dos Povos Indígenas. 2015. Disponível em: <http://arquivo.esporte.gov.br/index.php/ultimas-noticias/209-ultimas-noticias/53719-perguntas-e-respostas-conheca-os-jogos-mundiais-dos-povos-indigenas#>. Acessado em: 10 de setembro de 2020.

CARVALHO, V. M.; MACIEL, L. C. O quê e o como aprender: as crianças kalapalo e algumas problematizações em torno do conhecimento. Revista de antropologia da UFSCar, São Carlos, v. 11, n. 1, p. 101-22. 2019. DOI: <https://doi.org/10.52426/rau.v11i1.276>.

CASTRO, C. B.; MARTINS, C. S.; FALESI, I. C.; NAZARÉ, R. F. R.; KATO, O. R.; BENCHIMOL, R. L.; MAUES, M. M. Embrapa Amazônia Oriental. A cultura do urucum. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2009. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/428270/a-cultura-do-urucum>. Acessado em: 16 de outubro de 2021.

COSTA, A. R. F. M. Portal Matogrosso, Uluri. 2009. Disponível em: <https://portalmatogrosso.com.br/uluri/>. Acessado em: 23 de junho de 2021.

COSTA, C. Ikindene Hekugu: uma etnografia da luta e dos lutadores no Alto Xingu. 2013. 350f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/233>. Acesso em 20 de Abril de 2022.

FELIPE, D. Luta corporal indígena: possibilidades pedagógicas do Huka-huka nas aulas de Educação Física. 2019. 96f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Regional) – Faculdade Vale do Cricaré, São Mateus, 2019. Disponível em: <https://repositorio.ivc.br/handle/123456789/1030>. Aces-sado em: 20 de Abril de 2022.

FERREIRA, M. das G. R. Embrapa. Buriti. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2005. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/24785/1/folder-buriti.pdf>. Acessado em: 10 de setembro de 2020.

FERREIRA, M. B. R. O processo de mudanças na sociedade e os jogos tradicionais indígenas. In: XI Congresso Ciências do Desporto e Educação Física dos países de língua portuguesa, 2006. São Paulo. Anais... São Paulo: Universidade de São Paulo. Disponível em: <http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/15_Anais_p50.pdf>. Aces-sado em: 17 de setembro de 2020.

FLORES, L. P.; MACIAL, M. R. A.; DE ALMEIDA, CAMPOS, S. Núcleo Regional Amazônia/Cerrado A experiência do Projeto GATI em terras indígenas. Projeto gestão ambiental e territorial indígena, 2016. Disponível em: <https://www.gov.br/funai/pt-br/arquivos/conteudo/cggam/pdf/2017/sistematizacao-nucleo-tematico/nucleo-regional-amazonia-cerrado.pdf>. Acessado em: 27 de junho de 2021.

FRAGA, R.; LIMA, A. P.; PRUDENTE, A. L. C.; MAGNUSSON, W. Guia de cobras da região de Manaus - Amazônia Central. Manaus: Inpa, 2013.

FURTADO, H. L. NAMAN, M. Formação do pesquisador em Educação Física: Análises Epistemológicas. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 3, p. 751-65, 2014. DOI: <https://doi.org/10.5216/rpp.v17i3.26504>.

GALEAZZI, A. M. Revista Geográfica Universal. Huka-huka: A luta pelo prestígio. Fundação Nacional do índio, 1981. Disponível em: <http://biblioteca.funai.gov.br/media/pdf/Folheto28b/FO-CX-28B-1772-1995.PDF>. Acessado em: 20 de abril de 2022.

GRUPPI, J. D. R. Jogos dos Povos Indígenas: trajetória e Interlocuções. 2013. 164f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013. Disponível em: <https://fdocumentos.tips/document/deoclecio-rocco-gruppi-jogos-dos-povos-9-gruppi-deoclecio-rocco-jogos.html>. Acessado em: 17 de outubro de 2021.

ISA. Instituto Socioambiental. Almanaque Socioambiental - Parque Indígena do Xingu: 50 anos. Instituto Socioambiental, 2011. Disponível em: <https://www.socioambiental.org/pt-br/o-isa/publicacoes/almanaque-socioambiental-parque-indigena-do-xingu-50-anos-0>. Acessado em: 18 de setembro de 2020.

JACOBSON, M. L. Acervo Instituto Socioambiental (ISA). Quarup / Na “festa dos mortos”, os pedidos do Xingu / Somos livres e felizes. Instituto Socioambiental, 1985. Disponível em: <https://documentacao.socioambiental.org/noticias/anexo_noticia/17525_20101123_173448.pdf>. Acessado em: 17 de setembro de 2020.

KUNZ, E. Didática da educação física. 6. ed. Unijuí: Ijuí, 2004.

LIMA, M. S. A cultura corporal indígena Kalapalo. 2006. 103f. Iniciação científica (Relatório PIBIC-UFSCar/CNPq) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006. Disponível em: <https://old.cev.org.br/arquivo/biblioteca/4032274.pdf>. Acessado em: 17 de outubro de 2021.

MACEDO, T. I.; COHN-HAFT, M. Aves da região de Manaus. Manaus: Inpa, 2012.

MADEIRA, S. P. Ritual de iniciação no Alto Xingu: a reclusão feminina Kamayurá. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, n. 40, p. 403-21, 2006. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/view/17661>.

MARTELL, W. A. Greco-roman wrestling. Pleasant Hill: Human Kinetics Publishers, 1993.

MONTEIRO, F. Y. S. A Capoeira e o Huka- Huka nas aulas de educação física: diálogos sobre uma escola plural através das lutas de matriz africana e indígena. Revista Conexões de Saberes: Belém, v. 3, n. 1, p. 101-14, 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/conexoesdesaberes/article/view/7892/5798>.

NUNES, H. C. B. Lutas e artes marciais: possibilidades pedagógicas na educação física escolar. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 18, n. 183, 2013. Disponível em: <https://www.efdeportes.com/efd183/lutas-e-artes-marciais-na-educacao-fisica-escolar.htm>. Acessado em: 10 de dezembro de 2021.

JUNQUEIRA, C.; PAGLIARO, H. O saber Kamaiurá sobre a saúde do corpo. Caderno CRH, Salvador, v. 22, n. 57, p. 451-62, 2009. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0103-49792009000300002>.

PAIVA, L.; DE VARGAS, F. M. F.; JUSTAMAND, M.; MOUSSE, C.; PAIVA, L. Luta corporal indígena: contribuições à Base Nacional Comum Curricular (Bncc). Somanlu, Ma-naus, v. 2, n. 2, p. 55-63, 2021. Disponível em: <https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/somanlu/article/view/9359>. Acessado em: 20 de abril de 2022.

PAIXÃO, J. A.; CUSTÓDIO, G. C. C; BARROSO, Y. W. S. Atuação de licenciados em educação física nas academias de ginástica: uma análise a partir dos saberes docentes. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 3, p. 701-717, 2014. DOI: <https://doi.org/10.5216/rpp.v17i3.29598>.

RECHI, E. Aquarismo Paulista. Cachorra Facão (Rhaphiodon vulpinus). Aquarismo Paulista, 2016. Disponível em: <http://www.aquarismopaulista.com/cachorra-rhaphiodon-vulpinus/>. Acessado em: 15 de setembro de 2020.

RIBEIRO, M. I. F. A Terminologia do combate na tradução literária em The Professor in the Cage, de Jonathan Gottschall. 2016. 175f. Dissertação (Mestrado em Tradução e Interpretação Especializadas) - Instituto Politécnico do Porto, Porto, 2016. Disponível em: <https://recipp.ipp.pt/handle/10400.22/9667>. Acessado em: 17 de setembro de 2020.

SAMPAIO, J. A.; ALMEIDA, S. L. M. Calcário e dolomito. In: AUTORES??? Rochas e Minerais Industriais no Brasil: usos e especificações. Rio de Janeiro: Centro de tecnolo-gia mineral – Ministério da Ciência e Tecnologia, 2008. p. 363-87.

SANTOS, M. A. R.; BRANDÃO, P. P. S. Lutas e a formação de professores de educação física: reflexos na atuação profissional de docentes da rede municipal de educação de Belém – PA. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 16, n. 1, p. 79-87. 2018. DOI: <https://doi.org/10.36453/2318-5104.2018.v16.n1.p79>.

DOS SANTOS, Y. L. dos. A festa do Kuarup entre os índios do Alto-Xingu. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 111-6, 1956. DOI: <https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.1956.110338>.

SOUSA, A. J. D. V. As lutas como proposta pedagógica na educação física escolar. 2012. 25f. Monografia (Especialização em Educação Física Escolar) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2012. Disponível em: <https://tede.bc.uepb.edu.br/jspui/bitstream/123456789/938/1/PDF%20-%20Ant%c3%b4nio%20Jos%c3%a9%20Dami%c3%a3o%20Veras%20Sousa.pdf>. Acessado em: 20 de junho de 2021.

TARANTINO, M. Acervo Instituto Socioambiental (ISA). O dia em que elas tomam o poder. Instituto Socioambiental, 2015. Disponível em: <https://acervo.socioambiental.org/acervo/noticias/o-dia-em-que-elas-tomam-o-poder>. Acessado em: 17 de setembro de 2020.

TAUKANE, I. T. C. Na trilha das pekobaym guerreiras kura-bakairi: de mulheres árvores ao associativismo do instituto yukamaniru. 2013. 90f. Dissertação (Mes-trado em Desenvolvimento Sustentável) - Universidade de Brasília, Brasília, 2013. Disponível em: <https://repositorio.unb.br/handle/10482/13394>. Acessado em: 15 de agosto de 2020.

TAVARES, S. C. A reclusão pubertária no Kamayurá de Ipawu: um enfoque biocultural. 1994. 168f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Estadu-al de Campinas, Campinas, 1994. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/79860>. Acessado em: 19 de setembro de 2020.

THOMPSON, G. The throws and take downs of greco roman wrestling. Chichester: Summersdale Publishers, 2001.

VILLAS BÔAS, A. Acervo Instituto Socioambiental (ISA). Xingu. Instituto Socioambiental, 2002. Disponível em <https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Xingu>. Acessado em: 18 de setembro de 2020.

VITTI, V. T. Fecundidade e saúde reprodutiva do povo Kamaiurá. 2015. 217f. Tese (Doutorado em Demografia) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015. Disponível em: <https://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/bitstream/bvs/780/2/382383646.pdf>. Acessado em: 17 de outubro de 2020>.

VITTI, V. T.; JUNQUEIRA, C. O Kwaryp Kamaiurá na aldeia de Ipavu. Estudos Avançados, São Paulo, v. 23, n. 65, p. 133-48. 2009. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10443>.

Downloads

Publicado

06.06.2022

Como Citar

VALENTE, F. L. A. .; GOVEIA, J. C. de .; PINTO, G. M. C. .; VARGAS, L. M. . Estudo sobre Huka-huka: uma luta de matriz indígena brasileira. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 20, p. e–28608, 2022. DOI: 10.36453/cefe.2022.28608. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/28608. Acesso em: 19 ago. 2022.