A teoria do se-movimentar em teses e dissertações no período de 2009 – 2019

Autores

  • Miqueias Pereira dos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista
  • Flávio Alves Oliveira Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Guanambi, Bahia https://orcid.org/0000-0001-6209-1145
  • Fátima Moraes Garcia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2022.28846

Palavras-chave:

Se-Movimentar, Movimento, Educação Física

Resumo


INTRODUÇÃO: Os estudos sobre a teoria do se-movimentar ampliaram-se no Brasil. Este trabalho apresenta um estado do conhecimento realizado por meio de um levantamento de dissertações e teses sobre o que vem sendo relacionado com essa teoria no período de 2009 a 2019.
OBJETIVO: Este estudo apresentou como objetivo apontar as considerações atribuídas ao se-movimentar enquanto conhecimento do movimento humano no contexto da educação física.
MÉTODOS: Foi realizada uma busca na base de dados eletrônica da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD), usando o descritor “se-movimentar”. Com o propósito de fazer um recorte temporal para delimitar o número de estudos que seriam analisados, optou-se por adotar trabalhos defendidos entre janeiro de 2009 e agosto de 2019, momento em que a pesquisa foi realizada.
RESULTADOS: Os resultados evidenciam uma assimetria entre os resumos analisados, uma vez que estes não informam dados relevantes para que o leitor compreenda a relação do trabalho analisado com a teoria do se-movimentar; desse modo, as informações inconstantes não permitem ao leitor entender que o se-movimentar depreende de uma ação originária do próprio indivíduo, com o objetivo de inseri-lo em um movimento autêntico, próprio e intencional que serve como um diálogo na relação entre este e o mundo por meio do movimento.
CONCLUSÃO: A maioria dos resumos dos estudos analisados discutem o se-movimentar como uma possibilidade de superação de paradigmas, que tem determinado a adultificação e mecanização das crianças para sua inserção futura no mundo produtivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERLEZE, D. C. O brincar-e-se-movimentar: a linguagem da criança. 2016. 94f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016. Disponível em: <https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/6739/BERLEZE%2c%20DANIELE%20JACOBI.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 15 de abril de 2019

CARDOSO, C. L. O se-movimentar como fundamento para uma educação física responsável: uma leitura fenomenológico-hermenêutica. 2016. 385f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/168286/340692.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 15 de abril de 2019.

COSTA, A. R. Por mais respeito e reponsabilidade com crianças: possibilidades de se desenvolver e “brincar e se-movimentar” pelo Turnen. 2015. 246f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/169403/339048.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 11 de abril de 2019.

GHIDETTI, F. F. A Teoria do Se-Movimentar Humano (TSMH) em questão: limites e possibilidades para uma teoria da Educação Física. 2012. 168f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012. Disponível em: <http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/7208/1/tese_5390_A%20TEORIA%20DO%20SE-MOVIMENTAR%20HUMANO%20EM%20QUEST%c3%83O%20-%20LIMITES%20E%20POSS.pdf>. Acessado em: 10 de abril de 2019.

HILDEBRANDT-STRAMANN, R. Educação física aberta à experiência: uma concepção didática em discussão. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2009.

KUNZ, E. Práticas didáticas para um conhecimento de si de crianças e jovens na educação física. In: KUNZ, E. (Org). Didática da Educação Física. 2. ed. Ijuí: Unijuí, 2004. p. 15-52.

KUNZ, E. Educação física: ensino & mudanças. 3. ed. Ijuí: Unijuí, 2012.

KUNZ, E. Concepção dialógica do movimento humano: uma teoria do se-movimentar. In: KUNZ, E.; TREBELS, A. (Orgs). Educação física crítico-emancipatória. Ijuí: Unijuí, 2006.

KUNZ, E. Esporte: uma abordagem com a fenomenologia. Movimento, porto Alegre, v. 6, n. 12, p. 1-13, 2000. DOI: <https://doi.org/10.22456/1982-8918.2503>.

MARQUES, D. A. P. O “se-movimentar” na dança: uma abertura para novas significações – diálogos na educação. 2012. 156f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/96373/301741.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 15 de abril de 2019.

MOROSINI, M. C. Estado de conhecimento e questões do campo científico. Revista Educação, Santa Maria, v. 40, n. 1, p. 101-16, 2015. DOI: <https://doi.org/10.5902/1984644415822>.

RAFFAELLI, A. F. Educação física e estética: um olhar sensível para o se-movimentar humano. 2013. 104f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2013. Disponível em: <https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/bitstream/handle/123456789/1827/Alexandra%20Raffaeli%20.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 15 de abril de 2019.

RIGO, L. C. Sentidos e significados para o “se-movimentar” na dança em cadeira de rodas. 2016. 77f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016. Disponível em: <https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/6737/RIGO%2c%20LAIS%20CAVALHEIRO.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 12 de abril de 2019.

SANTIN, S. Educação física: uma abordagem filosófica da corporeidade. Ijuí: Unijuí, 1987.

SILVA, T. M. R. O brincar dançante: a criança e sua inerente necessidade de brincar e se-movimentar pela dança. 2018. 86f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018. Disponível em: <https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/14887/DIS_PPGEF_2018_SILVA_TAISE.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 13 de abril de 2019.

SIMON, H. S. O brincar-e-se-movimentar e a imaginação da criança. 2013. 105f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/106955/318440.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 12 de abril de 2019.

SOUZA, C. A. O brincar e se-movimentar como expressão fundamental para a curiosidade da criança. 2015. 98f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015. Disponível em: <https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/17445/DIS_PPGEF_2015_SOUZA_CICERA.pdf?sequence=1&isAllowed=y#:~:text=O%20Brincar%20e%20Se%E2%80%93%20Movimentar,terreno%20f%C3%A9rtil%20para%20a%20curiosidade>. Acessado em: 15 de abril de 2019.

STAVISKI, G. Em tempo de ser criança: reflexões sobre o tempo no brincar e se- movimentar de crianças. 2012. 147f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/94065/279938.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 16 de abril de 2019.

SURDI, A. A fenomenologia como fundamentação para o movimento humano significativo. 2008. 109f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/91451/247666.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 11 de abril de 2019.

SURDI, A. Educação e sensibilidade: o brincar e “se movimentar” da criança pequena na escola. 2014. 233f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/123389/326752.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 15 de abril de 2019.

TREBELS, A. Plaidoyer para um diálogo entre teorias do movimento humano e teorias do movimento no esporte. Revista Brasileirta de Ciencias do Esporte, Ijuí, v. 13, n. 3, p. 338-44,1992.

TREBELS, A. A concepção dialógica do movimento humano: uma teoria do se-movimentar. In: KUNZ, E.; TREBELS, A. (Orgs.) Educação física crítico-emancipatória. Íjui: Unijuí, 2006. p. 23-48.

Downloads

Publicado

25.04.2022

Como Citar

SANTOS, M. P. dos; OLIVEIRA, F. A.; GARCIA, F. M. . A teoria do se-movimentar em teses e dissertações no período de 2009 – 2019. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 20, p. e–28846, 2022. DOI: 10.36453/cefe.2022.28846. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/28846. Acesso em: 19 ago. 2022.