A influência da prática de ginástica laboral na intenção de prática de exercícios físicos: uma visão de funcionários de uma empresa do Vale dos Sinos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2022.29096

Palavras-chave:

Ginástica laboral, influência da ginástica laboral, prática de exercícios físicos

Resumo


INTRODUÇÃO: A ginástica laboral é a prática de exercícios físicos no horário de trabalho. As aulas costumam ser elaboradas por um professor de educação física com exercícios de compensação aos movimentos repetitivos e posturas inadequadas no trabalho. A ginástica laboral é estruturada e aplicada para prevenir distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho, além de combate ao sedentarismo, aumentando a produtividade no trabalho e instigando a prática de exercícios físicos fora do ambiente de trabalho.
OBJETIVO: O presente estudo tem como objetivo identificar a influência da ginástica laboral na intenção de práticas de exercícios físicos fora da jornada de trabalho em uma empresa do Vale dos Sinos.
MÉTODOS: Foi realizada um ‘survey’ com 207 funcionários de diferentes setores da empresa. A técnica estatística usada foi modelagem de equações estruturais (MEE) por meio da qual foi testado o modelo conceitual.
RESULTADOS: Os resultados indicaram o ajuste adequado do modelo de acordo com a literatura. Os resultados do teste das hipóteses apresentaram que a recreação não apresentou influência na socialização, e as hipóteses sobre o professor e socialização não apresentaram efeitos positivos para a intenção de prática de exercícios físicos.
CONCLUSÃO: Os resultados possibilitam a reflexão sobre o papel do professor na ginástica laboral, além do entendimento sobre as práticas realizadas nas aulas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jackson Borre, Universidade Feevale (FEEVALE), Novo Hamburgo

Professor de Educação Física.

Marcelo Curth, Universidade Feevale (FEEVALE), Novo Hamburgo

Possui doutorado em Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), mestrado em Administração e Negócios pela Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Pós-Graduado em Administração e Marketing pela Universidade Gama Filho, Pós-Graduado em Educação pela Faculdade (SENAC-RS) e pós-graduando em Mentoring Teacher Education (Universidade de Tampere - Finlândia), graduação em Ciências do Desporto pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) e graduando em Administração pela UNISINOS. Coordenador de curso em nível de pós-graduação (Lato Sensu), de projetos de inovação com agências de fomento e gestão de programas e projetos esportivos e de extensão. Os temas de interesse de pesquisa são comportamento do consumidor e marketing de relacionamento. Sócio proprietário da empresa Educare - Educação e Negócios, realizando consultorias em estratégias de marketing em micro e pequenas empresas.

Magale Konrath, Universidade Feevale (FEEVALE), Novo Hamburgo

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Feevale (1997), Especialização em Ciências do Movimento Humano (2002), Mestrado e Doutorado em Ciências Sociais Aplicadas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2006 e 2015) . É docente do curso de Educação Física da Universidade Feevale. Também possui experiência como professora dos cursos de Especialização em "Saúde do Trabalhador" e "Gestão de Recursos Humanos". Atua na área de Educação Física, com ênfase nos seguintes temas: Ginastica Laboral, Saúde e Qualidade de Vida, Cinesiologia, Handebol, Voleibol, Atletismo, Estágio Curricular Supervisionado e Educação Física Escolar.

Referências

ALVES, C. P.; CANTO, J. V.; SANTOS, T. Z. Recreação enquanto atividade meio da ginástica laboral. Lecturas, Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 15, n. 152, 2011. Disponível em: <https://www.efdeportes.com/efd152/recreacao-uma-alternativa-para-as-aulas-de-educacao-fisica.htm>. Acessado em: 20 de janeiro de 2020.

CAMAROTO, M.; KRAESKI, M. H. Recreação: uma alternativa para as aulas de Educação Física. Lecturas, Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, v. 15, n. 152, 2011. Disponível em: <https://www.efdeportes.com/efd152/a-recreacao-enquanto-atividade-meio-da-ginastica-laboral.htm>. Acessado em: 20 de janeiro de 2020.

CANDOTTI, C. T.; SILVA, M. R.; NOLL, M.; LUCCHESE, C. R. Efeito da ginástica laboral sobre a motivação para a prática regular de atividade física. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 35, n. 2, p. 485-97, 2011. Disponível em: <http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2011/v35n2/a2472.pdf>. Acessado em: 10 de abril de 2020.

CARVALHO, A. S.; PASSOS, R. P.; ABDALLA, P. P.; MARTINS, G. C.; OLIVEIRA, J. R. L.; ALMEIDA, K. S.; ... ; VILELA JUNIOR, G. B. Influência da ginástica laboral em aspectos físicos e psíquicos em trabalhadores no Brasil. Revista CPAQV, Campinas, v. 14, n. 2, p. 1-6, 2022. Disponível em: <http://www.cpaqv.org/revista/CPAQV/ojs-2.3.7/index.php?journal=CPAQV&page=article&op=view&path%5B%5D=959&path%5B%5D=690>. Acessado em: 13 de julho de 2022.

DIAS, Â. G.; SILVA, I. A. S.; SILVA, V. F.; BELTRAO, F. B. A contribuição de um programa de ginástica laboral para a aderência ao exercício físico fora da jornada de trabalho. Fitness & Performance Journal, Rio de Janeiro, v. 5, n. 5, p. 325-32, 2006. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2949735>. Acessado em: 05 de setembro de 2019.

GARSON, G. D. Partial least squares: regression and path modeling. Asheboro: Statistical Associates Publishing, 2016.

HAIR JUNIOR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

KAPULKA, D. A.; BRUEL, M. R. Ginástica laboral e a motivação à prática do exercício físico. Lecturas, Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 17, n. 176, 2013. Disponível em: <https://www.efdeportes.com/efd176/ginastica-laboral-e-a-motivacao-do-exercicio-fisico.htm>. Acessado em: 20 de janeiro de 2020.

KONRATH, M. As representações sociais do trabalho entre um grupo de praticantes de ginástica laboral: um estudo de caso do Centro Universitário Feevale. 2006. 131f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais Aplicadas) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2006. Disponível em: <http://www.repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/2122/As%20representacoes%20sociais.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acessado em: 23 de setembro de 2019.

LAUX, R. C.; CORAZZA, S. T.; ANDRADE, A. Programa de atividade física no trabalho: uma proposta de intervenção. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 238-42, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1590/1517-869220182403179971>.

LIMA, C. R. Programas intergeracionais: um estudo sobre as atividades que aproximam as diversas gerações. 2007. 202f. Dissertação (Mestrado Educação Física e Terceira Idade) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

LIMA, V. A. Ginástica laboral: atividade física no ambiente de trabalho. 4. ed. São Paulo: Phorte, 2019.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing, uma orientação aplicada. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2019.

MARCELLINO, N. C. (Org.). Lazer e recreação: repertório por fases da vida. 5. ed. Campinas: Papirus, 2006.

MARTINS, G. C.; BARRETO, S. M. G. Vivências de ginástica laboral e melhoria da qualidade de vida do trabalhador: resultados apresentados por funcionários administrativos do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (Campus São Carlos). Motriz, Rio Claro, v. 13, n. 3, p. 214-24, 2007. Disponível em: <https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/91>. Acessado em: 01 de junho de 2020.

MEDEIROS, A. G. A.; TOMAZ, R. S.; CARVALHO, K. S.; SANTOS, S. R.; ALMEIDA, I. L. Contribuições da ginástica laboral para qualidade de vida dos servidores de uma universidade estadual. Extensio, Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 107-15, 2019. DOI: <https://doi.org/10.5007/1807-0221.2019v16n32p107>.

MELLO, R. G.; BAGNARA, I. C. A importância de atividades físicas recreativas adaptadas para grupos de terceira idade. Lecturas, Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, v. 16, n. 155, 2011. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd155/atividades-fisicas-adaptadas-para-terceira-idade.htm>. Acessado em: 15 de maio de 2020.

MENDES, R. A. Ginástica laboral (GL): implantação e benefícios nas indústrias da Cidade Industrial de Curitiba (CIC). 2000. 179f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia) - Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná, Curitiba, 2000. Disponível em: <http://hani.com.br/img/uploads/artigos/08092011_1057539.pdf>. Acessado em: 30 de agosto de 2019.

MENDES, R. A.; LEITE, N. Ginástica laboral: princípios e aplicações práticas. São Paulo: Manole, 2012.

MILITÃO, A. G. A influência da ginástica laboral para a saúde dos trabalhadores e sua relação com os profissionais que a orientam. 2001. 71f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/81438?show=full>. Acessado em: 29 de outubro de 2019.

NOBREGA, A. C. L.; FREITAS, E. V.; OLIVEIRA, M. A. B.; LEITÃO, M. B.; LAZZOLI, J. K.; NAHAS, R. M.; ... ; ROSE, E. H. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 5, n. 6, p. 207-11, 1999. DOI: <https://doi.org/10.1590/S1517-86921999000600002>.

PEREIRA, C. C. D. A.; LOPEZ, F. R. A.; VILARTA, R. Effects of physical activity programs in the workplace (PAPW) on the perception and intensity of musculoskeletal pain experienced by garment workers. Work, Reading, v. 44, n. 4, p. 415-21, 2013. DOI: <https://doi.org/10.3233/WOR-131517>.

POLETTO, S. S. Avaliação e implantação de programas de ginástica laboral, implicações metodológicas. 2002. 146f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002. Disponível em: <http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/publicacoes/Sandra%20Salete%20Poletto.pdf>. Acessado em: 20 de setembro de 2019.

POLITO, E.; BERGAMASCHI, E. C. Ginástica laboral: teoria e prática. 4. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2010.

ROSSATO, L. C.; DUCA, G. F. D.; FARIAS, S. F.; NAHAS, M. V. Prática da ginástica laboral por trabalhadores das indústrias do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 15-23, 2013. DOI: <https://doi.org/10.1590/S1807-55092013000100003>.

SAMPAIO, A. A.; DE OLIVEIRA, J. R. G. A ginástica laboral na promoção da saúde e melhoria da qualidade de vida no trabalho. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 7, n. 13, p. 71-9, 2009. Disponível em: <https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/1649>. Acesso em: 20 de setembro de 2019.

SANTOS, C. A. N. L.; ISAYAMA, H. F. Professores de recreação e lazer em cursos de Educação Física: um olhar sobre a construção do saber. Lecturas, Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, v. 13, n. 121, 2008. Disponível em: <https://www.efdeportes.com/efd121/recreacao-e-lazer-em-cursos-de-educacao-fisica.htm>. Acessado em: 05 de maio de 2020.

SANTOS, C. M.; ULGUIM, F. O.; POHL, l. H. H.; RECKZIEGEL, M. B. Change in habits of workers participating in a Labor Gymnastics Program. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v. 18, n. 1, p. 66-73, 2020. DOI: <https://doi.org/ 10.5327/Z1679443520200498>.

SEABRA, A. F.; MENDONÇA, D. M.; THOMIS, M. A.; ANJOS, L. A.; MAIA, J. A. Determinantes biológicos e sócio-culturais associados à prática de atividade física de adolescentes. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 4, p. 721-36, 2008. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000400002>.

TELLES, T. C. B.; ARARUNA, L. C.; ALMEIDA, M. S.; MELO, A. K. Adesão e aderência ao exercício: um estudo bibliográfico. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 109, 2016. DOI: <http://dx.doi.org/10.31501/rbpe.v6i1.6725>.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

Downloads

Publicado

28.07.2022

Como Citar

BORRE, J. .; CURTH, M.; KONRATH, M. . A influência da prática de ginástica laboral na intenção de prática de exercícios físicos: uma visão de funcionários de uma empresa do Vale dos Sinos. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 20, p. e–29096, 2022. DOI: 10.36453/cefe.2022.29096. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/29096. Acesso em: 19 ago. 2022.