Quantificação da distância percorrida, velocidade média e máxima em um jogo de rugby em cadeira de rodas: estudo piloto

Autores

  • Rodolfo Argentin Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
  • Luis Felipe Castelli Correia de Campos Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
  • Luiz Gustavo Teixeira Fabricio dos Santos Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
  • Leonardo Trevisan Costa Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
  • José Irineu Gorla Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Palavras-chave:

Tetraplegia, Avaliação, Rugby, Cadeira de rodas.

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar a intensidade de esforço durante uma partida de Rugby em Cadeira de Rodas (RCR) em dois atletas com lesão medular e com classificação funcional (CF) de 1,0 e 2,5 da equipe ADEACAMP\UNICAMP – Campinas/SP. As variáveis para a análise foram à quantificação da distância percorrida, velocidade média e velocidade máxima coletadas em duas partidas de RCR. Os dados foram quantificados através do ciclocomputador modelo Velo8 do fabricante Cateye®. Os valores obtidos entre os atletas com CF-2.5 (A) e 1.0 (B) foram de: 4,8 km/h e de 3,0 km/h para a velocidade média; 8,55 Km/h e 14,95 km/h para a velocidade máxima e 2,98 km e 4,83 km para a distância total percorrida, respectivamente. Dessa forma, observou-se que os resultados apresentaram um amplo volume e intensidade de jogo por parte do atleta A em relação ao atleta B. Como também, apresentou maior regularidade entre os valores analisados nos dois jogos. Esse tipo de análise pode possibilitar aos treinadores valores reais durante o treinamento, buscando uma individualidade de treinos para atletas de diferentes classificações funcionais, fugindo do empirismo tão presente nos treinamentos de diversas equipes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARFIELD, J. P. Exercise intensity during wheelchair rugby training. Journal of Sports Sciences, London, v. 28, n. 4, p. 389-398, 2010.

BORIN, J. P.; PRESTES, J.; MOURA, N. A. Caracterização, controle e avaliação: limitações e possibilidades no âmbito do treinamento desportivo. Treinamento Desportivo, Curitiba, v. 8, n. 1, p. 6-11, 2007.

BORIN, J. P; GOMES, A. C; LEITE, G. S. Preparação desportiva: aspectos do controle da carga de treinamento nos jogos coletivos. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 18, n. 1, p. 97-105, 2008.

COSTA, L. O. P; SAMULSKI, D. M. Overtraining em atletas de alto nível-uma revisão literária. Revista Brasilei¬ra de Ciência e Movimento, Brasília, v. 13, n. 2, p. 123-134, 2005.

DI ALENCAR, T.; A. M.; DE SOUSA, M. K. F.; SIQUEIRA, L. A. R.; SILVA, M. D. M. P. Overtraining/Overuse em ciclistas e seu retorno ao esporte. Revista Movimenta, Goiânia, v. 3, n. 1, 2010.

INTERNATIONAL WHEELCHAIR RUGBY FEDERATION (IWRF). Disponível em: http://iwrf.com/Layper-son%20Guide%20to%20Classification.pdf. Acesso em: 03 abr. de 2012.

LEMAY, V.; ROUTHIER F.; NOREAU L.; PHANG S. H.; GINIS K. A. Relationships between wheelchair skills, wheelchair mobility and level of injury in individuals with spinal cord injury. Spinal Cord, Avenel, v. 50, n.1, p. 37-41, 2012.

MASON, B. S.; VAN DER WOUDE, L. H. V.; GOOSEY-TOLFREY, V. L. The Ergonomics of Wheelchair Confi¬guration for Optimal Performance in the Wheelchair Court Sports. Sports Medicine, v. 43, n. 1, p. 23-38, 2013.

MAYNARD, F. M.; BRACKEN, M. B.; CREASEY, G.; DITUNNO, J. F. J. R.; DONOVAN, W. H.; DUCKER, T. B.; GARBER, S. L.; MARINO, R. J.; STOVER, S. L.; TATOR, C. H. ; WATERS, R. L.; WILBERGER, J. E.; YOUNG, W. International standards for neurological and functional classification of spinal cord injury. Spinal Cord, Avenel, v. 35, p. 266-274,1997.

MULROY, S. J.; FARROKHI S; NEWSAM C.J.; PERRY J . Effects of Spinal Cord Injury Level on the Activity of Shoulder Muscles During Wheelchair Propulsion: An Electromyographic Study. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, v. 85, p. 925-934, 2004.

SARRO, K. J.; SILVATTI, A. P. ; ALIVERTI, A. ; BARROS, R. M. L. . Proposition and evaluation of a novel me¬thod based on videogrammetry to measure 3D ribs motion during breathing. Journal of Applied Biomechanics, v. 25, p. 247-252, 2009.

SARRO, K. J.; SILVATTI, A. P.; ALIVERTI, A.; BARROS, R. M. L. de. Tracking of wheelchair rugby players in the 2008 Demolition Derby final. Journal of Sports Sciences, London, v. 28, n. 2, p. 193-200, 2010.

SZOLLAR, S. M.; MARTIN, E. M. E. Bone mineral density and indexes of bone metabolism in spinal cord injury. American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation, Baltimore, v. 77, p. 28-35,1998.

VAN DER WOUDE, L. H. V.; BAKKER, W. H.; ELKHUIZEN, J. W.; VEEGER, H. E.; GWINN, T. Aerobic work capacity in elite wheelchair athletes: Across-sectional analysis. American Journal of Physical Medicine & Reha¬bilitation, Baltimore, v. 81, 261–271, 2002.

VERKHOSHANSKY, Y. Entrenamiento deportivo. Barcelona: Martinez Roca, 1990.

YILLA, A.; SHERRILL, C. Validating the Beck Battery of Quad Rugby Skills Tests. Adapted Physical Activity Quarterly, Champaign, v.15, n. 2, p.155-167, 2006.

Downloads

Publicado

28-09-2013

Como Citar

ARGENTIN, R.; CAMPOS, L. F. C. C. de; SANTOS, L. G. T. F. dos; COSTA, L. T.; GORLA, J. I. Quantificação da distância percorrida, velocidade média e máxima em um jogo de rugby em cadeira de rodas: estudo piloto. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11, n. 1, p. 57–63, 2013. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/7982. Acesso em: 7 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)