Análise da suficiência da atividade física associado ao índice de desenvolvimento humano municipal nas capitais brasileiras

Autores

  • Dartel Ferrari Lima
  • Olinda do Carmo Luiz

Palavras-chave:

Atividade física, Sedentarismo, Índice, Desenvolvimento Humano Municipal.

Resumo


O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) é proposto para medir o estágio de desenvolvimento de uma população em determinado espaço e tempo. Determinantes de como renda, educação e saúde compõem as facetas utilizadas no cálculo deste índice. O presente artigo preocupa-se em conhecer a correlação entre a prevalência da AF com o respectivo IDHM do domicílio do participante. Os dados correlacionados foram obtidos mediante relatório do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL - 2010) e pelo Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IDHM - 2009). Todas as capitais da Federação apresentaram IDHM de moderado a alto, com maior valor para o município de Curitiba (0,87) e menor valor para o município de Rio Branco (0,69). A maior prevalência de participantes suficientemente ativos (22,4% e 20%) foram encontradas em Brasília e Palmas que ocuparam a 8ª e a 17ª posição no ranking do IDHM, respectivamente. As capitais da Região Norte do país apresentaram menor IDHM e acumularam maior suficiência de AF. Este estudo não encontrou correlação estatisticamente significante entre suficiência da AF e o IDHM nas capitais da Federação (r=0,14).AbstractThe Municipal Human Development Index (MHDI) is proposed to measure the development stage of a population in a certain space and time. Determinants whit income, education and health compose the facets used in the calculation of this index. The practice of physical activity (PA) in everyday life presents itself as an important indicator of health. This article is concerned with knowing the correlation between the prevalence of PA enough with their respective domicile’s MHDI. The correlated data were collected through the report of the Surveillance System of Risk Factors for Chronic Diseases Protection Telephone Survey (VIGITEL/2010) and the Firjan Municipal Development Index (MHDI)/2009. All capitals of the Federation showed a FMDI moderate to high, with a higher value for the city of Curitiba (0.87) and lower for the city of Rio Branco (0.69). The two more prevalence of individuals sufficiently active (22.4% and 20%) were found in Brasilia and Palmas, occupying the 8th and 17th position in the ranking of MHDI, respectively. The capitals of the northern region of the country had lower MHDI and accumulated the highest prevalence of PA enough. This study did not find statistically significant correlation between individuals considered sufficiently active and MHDI in the capitals of the Federation (r = 0.14).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARETTA, E.; BARETTA, M.; PERES, K. G. Nível de atividade física e fatores associados em adultos no Município de Joaçaba, Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 7, p. 1595-1602, 2007.

BÉLANGER, M.; TOWNSEND, N.; FOSTER, C. Age-related differences in physical activity profiles of English adults. Prev. Med., New York, v. 52, n. 3-4, p. 247-249, 2011.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico 2010. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BULL, F. C.; ARMSTRONG, T. P.; DIXON, T.; HAM, S.; NEIMAN, A.; PRATT, M. Physical inactivity. In: EZZATI, M.; LOPEZ, A. D.; RODGERS, A.; MURRAY, C. J. L. Comparative quantification of health risks: global and regional burden of disease attributable to selected major risk factors. Genebra: World Health Organization, 2004.

BURTON, N. W.; TURRELL, G. Occupation, Hours Worked, and Leisure-Time Physical Activity. Preventive Medicine, New York, v. 31, n. 6, p. 673-81, 2000.

DANCEY, C, REIDY, J. Estatística em Matemática para Psicologia: usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DUGAS, L. R.; HARDERS, R.; MERRILL, S.; EBERSOLE, K.; SHOHAM, D. A.; RUSH, C. E.; ASSAH, F. K.; FORRESTER, T.; DURAZO-ARVIZU, R. A. Energy expenditure in adults living in developing compared with industrialized countries: a meta-analysis of double labeled water studies. The American Journal of Clinical Nutrition, Bethesda, v. 93, n. 2, p. 427-41, 2011.

DUMITH, S. C.; HALLAL, P. C.; REIS, R. S.; KOHL, H. W. Worldwide prevalence of physical inactivity and its association with human development index in 76 countries. Preventive Medicine, New York, v. 53, n. 1-2, p. 24-28, 2011.

GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P.; BARBOSA, D. S.; OLIVEIRA, J. A. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. Rev Bras Med Esporte, São Paulo, v. 7, n. 6, p. 187-199, 2001.

HALLAL, P. C. VICTORA, C. G.; AZEVEDO, M. R.; WELLS, J. C. Adolescent Physical Activity and health: a systematic review. J. Sports Med, Auckland, v. 36, n. 12, p. 1019-1030, 2006.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD. Índice de Desenvolvimento Humano dos Municípios Brasileiros – IDH. 2011 Disponível em: http://www.fjp.gov.br/publicacoes/indicededesenvolvimentohumanodosmunicipiosbrasileirosidh(fjp/ipea/pnud).html. Acessado em: 12 de julho de 2011.

IRDES. Institut de Recherche et Documentation em Économie de la Santé. Enquete sur la sante et la protection sociale (esps). 2010. Disponível em: http://www.irdes.fr/. Acessado em: 11 de setembro de 2010.

LEE, I.M.; SHIROMA, E.; LOBELO F.; PUSKA, P.; BLAIR, S.N.; KATZMARZYK, P.T. Effect of physical inactivityon major non-communicable diseases wordwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet, London, v. 380, n. 9838, p. 258-71. 2012.

LINDSTROM, M.; HANSON, B. S.; OSTERGREN P. Socioeconomic differences in leisure-time physical activity: the role of social participation and social capital in shaping health related behavior. Soc Sci Med, Oxford, v. 52, n. 3, p. 441-51, 2001.

MOURA EC. Vigilância de Fatores de Risco para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal (2006). Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 20-37, 2008.

NELSON, M. C.; GORDON-LARSEN, P,. SONG, Y.; POPKIN, B. M. Built and social environment associations with adolelescent overwight and activity. Am J P Med, Amsterdam, v. 31, n. 2, p. 109-117, 2006.

SISTEMA FIRJAN. Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IDHM). Edição 2010 – ano base 2007. Rio de Janeiro: FIRJAN; 2010. Disponível em: <http://www.firjan.org.br/IDHM/>. Acessado em 15 de junho de 2011.

SRISKANDARAJAH, D. Development, Inequality and Ethnic Accommodation: Clues from Malaysia, Mauritius and Trinidad and Tobago. Oxford Development Studies, Oxford, v. 33, n. 1, p. 63-79, 2005.

TABARES, J. F. O esporte e a recreação como dispositivos para a atenção da população em situação de vulnerabilidade social. In: MELLO, V. de A.; TAVARES, C. O exercício reflexivo do movimento: educação física, lazer, e inclusão social. Rio de Janeiro: Shape, 2006.

ZAMAI, C. A. Impacto das atividades físicas nos indicadores de saúde de sujeitos adultos: Programa Mexa-se 2005-2008. 2009. Tese (doutorado em Educação Física) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

Downloads

Publicado

09-02-2014

Como Citar

LIMA, D. F.; LUIZ, O. do C. Análise da suficiência da atividade física associado ao índice de desenvolvimento humano municipal nas capitais brasileiras. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11, n. 2, p. 19–26, 2014. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/8658. Acesso em: 1 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)