As representações da relação exercício físico e saúde de servidores públicos

Autores

  • Jerusa Mônica de Abreu Souza
  • Rafael da Silva Mattos
  • José Silvio de Oliveira Barbosa
  • Maria Lúcia Cavalieri
  • Renata Costa de Oliveira
  • Madel Therezinha Luz

Palavras-chave:

representações sociais, exercício físico, saúde.

Resumo


O propósito deste estudo foi identificar, a partir do referencial teórico-metodológico das representações sociais, percepções e modos de expressão da relação “exercício físico e saúde”, tendo por base de estudo 11 alunos participantes do Projeto Exercício Físico e Promoção da Saúde para Servidores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Procuramos relacionar tais percepções, representações e modos de expressão com as dimensões do conceito de saúde. Com opção metodológica qualitativa, a coleta dos dados foi realizada através de entrevista semiestruturada e através de desenhos. Os dados foram agrupados em unidades temáticas (dimensões do conceito de saúde). Concluímos que a totalidade dos entrevistados percebe a relação exercício físico e saúde de forma positiva, destacando-se a melhora da resistência física traduzida por melhor desempenho de suas atividades diárias. Além disso, outras dimensões dessa relação também foram percebidas na fala dos sujeitos deste estudo, tais como as dimensões social, emocional, profissional e intelectual.

Abstract

The purpose of this study was to identify, from the theoretical and methodological principles of the social representations, perceptions of the relationship between physical exercise and health of 11 users of Physical Exercise and Health Promotion Program to Servants from Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). It intended to relate these perceptions with dimensions of the health’s concept. Data were acquired using semi-structured interview and users also made pictures about this question. Data were classified in topics (dimensions oh the health’s concept). We concluded that all subjects realize how positive physical exercise-health relationship is, emphasizing a better physical endurance, showed by a better performance on their daily activities. Furthermore, other dimensions of this relationship were also noticed in their speeches during the interviews, such as social, emotional, professional and intellectual dimensions.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRANTES, A.M.; MCLAUGHLIN, N.; GREENBERG, B.D.; STRONG, D.R.; RIEBE, D. MANCEBO, M.; RASMUSSEN, S.; DESALNIERS, J.; BROWN, R.A. Design and Rationale for a Randomized Controlled Trial Testing the Efficacy of Aerobic Exercise for Patients with Obsessive-Compulsive Disorder. Mental Health and Physical Activity, Philadelphia, v. 5, n. 2, p. 155-165, 2012.

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (ACSM). Position Stand on The Recommended Quantity and

Quality of Exercise for Developing and Maintaining Cardiorespiratory and Muscular Fitness, and Flexibility in Healthy Adults. Medicine & Science in Sports & Exercise, Indianapolis, v. 30, n. 6, p. 975-991, 1998.

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (ACSM). Position Stand on Progression Models in Resistance Training for Healthy Adults. Medicine & Science in Sports & Exercise, Indianapolis, v. 34, n. 2, p. 364-380, 2002.

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (ACSM). Proper and Improper Weight Loss Programs. Medicine & Science in Sports & Exercise, Indianapolis, v. 15, n. 1, p. 9-13, 1983.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 4. ed.

Arlington: American Psychiatric Association, 1994.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

APPAY, B.; THÉBAUD-MONY, A. (dir). Précarisation sociale, travail et santé. Paris: Iresco-CNRS, 1997.

ARBORIO, A-H.; FOURNIER, P. L’ Enquête et ses Méthodes: L’Observation Directe. Paris: Nathan Université, 1999.

ASTRAND, P. -O.; RODAHL, K.; DAHL, H. A; STRØMME, S. B. Textbook of work physiology: Physiological

basis of exercise. 4. ed. Champaign: Human Kinetics, 2003.

BARBOSA, M. S. A.; SANTOS, R. M.; TREZZA, M. C. S. F. A vida do trabalhador antes e após a Lesão por

Esforço Repetitivo (LER) e Doença Osteomuscular Relacionada ao Trabalho (DORT). Revista Brasileira de

Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 5, p. 491-496, 2007.

BATTISTI, H. H.; GUIMARÃES, A. C. A.; SIMAS, J. P. N. Atividade física e Qualidade de Vida de Operadores de Caixa de Supermercado, Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Taguatinga, v. 13, n. 1, p. 71-78, 2005.

BEAUD, S.; CARTIER, M. De la précarisation de l’emploi à la précarisation du travail: la nouvelle condition

salariale. In: BEAUD, S.; CONFVREUX, J.; LINDGAARD, J. (Org.). La France invisible. Paris: La Découverte, 2006. p. 561-573.

BELL, J. A.; BURNETT, A. Exercise for the primary, secondary and tertiary prevention of low back pain in the workplace: a systematic review. Journal of Occupational Rehabilitation, Dordrecht, v. 19, n. 1, p. 8-24, 2009.

BRANDÃO, A. G.; HORTA, B. L.; TOMASI, E. Sintomas de distúrbios osteomusculares em bancários de Pelotas e região: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 8, n. 3, p. 295-305, 2005.

BUFFART, L. M.; UFFELEN, J. G.; RIPHAGEN, I.; BRUG, J.; VAN MECHELEN, W.; BROWN, W. J.; CHINAPAW, M. J. Physical and psychosocial benefits of yoga in cancer patients and survivors, a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. BMC Cancer, London, v. 12, n. 1, p. 559, 2012.

CASTEL, R. Les métamorphoses de la question sociale: une chronique du salariat. Paris: Fayard, 1995.

CASTEL, R. Rencontre avec Robert Castel: Quelle insécurité sociale? Politique Autrement, Paris, n. 37, oct. 2005.

DEJOURS, C. Travail, usure mentale: essai de psychopathologie du travail. Paris: Bayard Jeunesse, 2008.

DEJOURS, C. Plaisir et souffrance dans le travail. Paris: Edition de l’AOCIP, 1988.

DERRIENNIC, F.; VEZINA, M. Organisation du travail et santé mentale : approches épidémiologiques, Travailler, Paris, v. 1, n. 1 p. 7-22, 2001.

DESRIAUX, F. Troubles musculo-esquelettiques: à quand une prévention durable? Santé & Travail, Paris, n. 62, April 2008.

DURAND, C. Le Travail Enchaîne: organization du travail et domination sociale. Paris: Seuil, 1978.

DURKHEIM, E. Les Règles de la méthode sociologique. Paris: Flammarion, 2009.

DURKHEIM, E. Le suicide: Etude de sociologie. Paris: PUF, 2007.

DURKHEIM, E. Les formes élementaires de la vie religieuse. 6. ed. Paris: PUF, 2008.

EDENFIELD, T. M.; SAEED, S. A. An update on mindfulness meditation as a self-help treatment for anxiety and depression. Psychology Research and Behavior Management, Auckland, v. 5, p. 131-141, 2012.

FALK, R. Predatory Globalization: a critique. Cambridge: Polity Press, 1999.

GLUCKMAN, Max. Rituals of rebellion in South-East Africa. Manchester: Manchester University Press, 1954.

GOMES, R.; MENDONÇA, E. D.; PONTES, M. L. Social representations and the experience of illness. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 5, p. 1207-1214, set./out.2002.

GONCALVES, J. R. S. ; CONTINS, M. Entre o Divino e os homens: a arte nas festas do Divino Espírito Santo. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 14, n. 29, p. 67-94, 2008.

GREEN, L. W.; KREUTER, M. W. Health promotion planning, an educational and environmental approach. 2. ed. Mountain View: Mayfield Publishing Company, 1991.

HARVEY, D. The Condition of Postmodernity: An Enquiry into the Origins of Cultural Change. Oxford:

Wiley-Blackwell, 1991.

HOCHSCHILD, A. Travail émotionnel, règles de sentiments et structure sociale, Travailler, Paris, n. 9, p. 19-49, 2003.

LIVRAMENTO, G.; FRANCO, T.; LIVRAMENTO, A. A ginástica terapêutica e preventiva chinesa Lian Gong/

Qi Gong como um dos instrumentos na prevenção e reabilitação da LER/DORT. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 35, n. 121, p. 74-86, 2010.

LUZ, M. Novos Saberes e Práticas em Saúde Coletiva: Estudo sobre racionalidades médicas e atividades corporais. São Paulo: Hucitec, 2005.

LUZ, M. O Vazio nas Relações Sociais na Cultura Atual. In: DA POIAN, C. (Org.) Formas do Vazio: Desafios ao Sujeito Contemporâneo. São Paulo: Via Lettera, 2001.

LUZ, M. Notas sobre a política de produtividade em pesquisa no Brasil: conseqüências para a vida acadêmica, a ética no trabalho e a saúde dos trabalhadores. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 7, p. 205-228, 2008.

LUZ, M. Prometeu Acorrentado: Análise Sociológica da Categoria Produtividade e as Condições Atuais da Vida Acadêmica. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 39-57, 2005.

LUZ, M. T.; SABINO, C.; MATTOS, R. S. A Ciência como Cultura do Mundo Contemporâneo: a utopia dos saberes das (bio) ciências e a construção midiática do imaginário social. Sociologias, Porto Alegre, v. 1, p. 236-254, 2013.

LUZ, M. T.; MATTOS, R. S. Dimensões Qualitativas na produção científica, tecnológica e na inovação em Saúde Coletiva. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, p. 1945-1953, 2010.

MAFFESOLI, M. Société ou Communauté: tribalisme et sentiment d’appartenance. Corps & Culture, Cidade, n. 3 (Sport et lien social), 1998.

MARTINS, C. O.; JESUS, J. F.. Estresse, Exercício Físico, Ergonomia e Computador. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Curitiba, v. 21, n. 1, p. 807-813, 1999.

MATTOS, R. S.; LUZ, M. T. Quando a perda de sentidos no mundo do trabalho implica dor e sofrimento: um estudo de caso sobre fibromialgia. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, p. 1459-1484, 2012.

MESSING, K.; RANDOIN, M.; TISSOT, F.; RAIL, G.; FORTIN, S. La souffrance inutile: la posture debout statique dans les emplois de servisse. La Découverte: Travail, genre et sociétés, Paris, n. 12, p. 77-104, 2004.

MONTEIRO, H.L.; GONÇALVES, A.; PADOVANI, C.R.; FERMINO NETO, J.L. Fatores sócio-econômicos e

ocupacionais e a prática de atividade física regular: estudo a partir de policiais militares em Bauru, São Paulo. Motriz, Rio Claro, v. 4, n. 2, p. 91- 97, 1998.

MOREIRA, A. K. F.; SANTOS, Z. M. S. A.; CAETANO, J. Aplicação do modelo de crenças em saúde na adesão do trabalhador hipertenso ao tratamento. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, p. 989-1006, 2009.

MOSCOVICI, S. Social Representations: Studies in Social Psychology. Cambridge: Polity Press, 2000.

MOSCOVICI, S. Raisons et cultures. Paris: EHESS, 2012.

MOSCOVICI, S. Psychologie sociale. Paris: PUF, 2011.

NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Hidrograf, 2001.

NATANSON, Jacques. L’imaginaire dans la aculture occidentale. Imaginaire & Inconsciente, n. 1, p. 25-33, 2001.

NIEMAN, D. C. Exercício e saúde: teste e prescrição de exercício. São Paulo: Manole, 2011.

O’DONNELL, M.P. Definition of health promotion 2.0: embracing passion, enhancing motivation, recognizing dynamic balance, and creating opportunities. American Journal of Health Promotion, Troy, v. 24, n.1, p. 4, 2009.

PINTO JUNIOR, A. G.; BRAGA, A. M. C. B.; ROSELLI-CRUZ, A. Evolução da saúde do trabalhador na perícia médica previdenciária no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 10, p. 2841-2849, out. 2012.

POCHMANN, M. . O trabalho na crise econômica no Brasil: primeiros sinais. Estudos Avançados, São Paulo, v. 23, p. 41-52, 2009.

POLLOCK, M. L.; WILMORE, J. H. Exercícios na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. Rio de Janeiro: Medsi, 1993.

POWER, M. Qualidade de vida: visão geral do Projeto WHOQOL. In: FLECK, M.P.A. et al. A avaliação de qualidade de vida: guia para o profissional de saúde. Porto Alegre: Artmed, 2008.

POWER, M.J.; DALGLEISH, T. Cognition and emotion: from order to disorder. Hove: Psychology Press, 1997.

RESENDE, M.C.F.; TEDESCHI, C.M.; BETHÔNICO, F.P.; MARTINS, T.T.M. Efeitos da ginástica laboral em

funcionários de teleatendimento. Acta Fisiatrica, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 25-31, 2007.

ROSSO, S.D. Mais trabalho! a intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

SALMAN, S. Fortune d’une catégorie : la souffrance au travail chez les médecins du travail. Sociologie du Travail, Paris, v. 50, n. 1, p. 31-47, 2008.

SALVE, M.G.C.; THEODORO, P.F.R. Saúde do Trabalhador: a relação entre ergonomia, atividade física e qualidade de vida. Salusvita, Bauru, v. 23, n. 1, p. 137-146, 2004.

SAMPAIO, R.F.; NAVARRO, A.; MARTÍN, M. Incapacidades laborales: problemas en la reinserción al trabajo. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 15, n. 4, p. 809-815, 1999.

SANTOS, A. P. L.; LACAZ, F. A. C. Apoio matricial em saúde do trabalhador: tecendo redes na atenção básica do SUS, o caso de Amparo/SP. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 5, p. 1143-1145, maio 2012.

SEVCENKO, N. A corrida para o século XXI: no loop da montanha russa. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SHARKEY, B. J. Condicionamento Físico e Saúde. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SHEPARD, R. J. Exercise and relaxation in health promotion. Sports Medicine, Thousand Oaks, v. 23, n. 4, p. 211-217, 1997.

SILVA, M. A. D. Exercício e Qualidade de Vida. In: GHORAYEB, N.; BARROS, T. Exercício: preparação fisiológica, avaliação médica, aspectos especiais e preventivos. São Paulo: Atheneu, 1999.

SILVA, M. A. D.; DE MARCHI. Saúde e qualidade de vida no trabalho. São Paulo: Best Seller, 1997.

SOUZA, E. F. A. A. S.; LUZ, M. T. Bases socioculturais das práticas terapêuticas alternativas. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 393-405, abr./jun., 2009.

SPINK, M. J. O conhecimento no cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1995.

SWIFT, D.L.; LAVIE, C.J.; JOHANNSEN, N.M.; ARENA, R. EARNEST, C.P.; O’KEEFE, J.H.; MILANI, R.V.;

BLAIR, S.N.; CHURCH, T.S. Physical activity, cardiorespiratory fitness, and exercise training in primary and secondary coronary prevention. Circulation Journal, Dallas, v. 77, n. 1, p. 281-292, 2013.

THE WHOQOL GROUP. The World Health Organization Quality of Life assessment (WHOQOL): position

paper from the world health organization. Social Science and Medicine, Philadelphia, v. 41, p. 1403-1409, 1995.

THE WHOQOL GROUP. The World Health Organization Quality of Life assessment (WHOQOL): development and general psychometric properties. Social Science and Medicine, Philadelphia, v. 46, p. 1569-1585, 1998a.

THE WHOQOL GROUP. Development of The World Health Organization WHOQOL-BREF Quality of Life

Assessment. Psychological Medicine, Cambridge, v. 28, p. 551-558, 1998b.

VAN GENNEP, A. The rites of passage. London: Routledge & Keagan Paul, 1960.

VINDT, G. Le capitalisme: une histoire géopolitique et sociale. Alternatives Economiques, Paris, n. 65, april 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Phsical Activity. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/pa/en/index.html. Acesso em: 15 de janeiro de 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). The first ten years of the World Health Organization. Geneva:

WHO, 1958.

ZIMMERMANN, B.. Les groupements d’employeurs: la sécurité dans la flexibilité? Sociologie du Travail, Paris, n. 48, p. 1-16, 2006.

Downloads

Publicado

01-06-2014

Como Citar

SOUZA, J. M. de A.; MATTOS, R. da S.; BARBOSA, J. S. de O.; CAVALIERI, M. L.; OLIVEIRA, R. C. de; LUZ, M. T. As representações da relação exercício físico e saúde de servidores públicos. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11, n. 2, p. 35–48, 2014. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/8805. Acesso em: 9 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)