Atividades de aventura: prática para um tempo livre para o consumo ou para um tempo livre mais humano?

Autores

  • Verónica Gabriela Silva Piovani

Palavras-chave:

Atividades de aventura, tempo livre, lazer.

Resumo


O presente trabalho pretende analisar as possibilidades que as atividades de aventura oferecem para formar o ser humano para além do uso do tempo liberado pela sociedade. Neste sentido, se entende que o risco presente nas atividades de aventura, se apresenta como elemento educador do ser humano e o contato com a natureza possibilita a formação de indivíduos mais autônomos. Atrelada a estas idéias se propõe uma concepção de tempo livre e recreação, que defende algo a mais que o simples consumo e entretenimento. Entende-se que o tempo livre ao qual o ser humano deve aceder é aquele no qual seja, cada vez mais, sujeito de seu próprio condicionamento e não do que a sociedade lhe permite ou não permite fazer. Deste modo, conclui-se que as atividades de aventura oferecem o espaço propicio para gerar intervenções para um tempo livre mais humano na área do lazer.AbstractThis study aims to analyze the possibilities that adventure activities offer to form the human being above the use of time released by society. In this sense, the risk present in adventure activities appears as an educational element of individual and the contact with nature as a possibility for educating more autonomous individuals. Linked to these ideas, it is proposed a conception of spare time and recreation, which advocates something more than consumption and entertainment. It is understood that human being must access to a spare time where is increasingly subject to its own conditioning and not what society allows or does not allow it to do. Thus, it is concluded that adventure activities would provide the appropriate space to generate interventions for a more human spare time in the leisure area.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBANTI, V. O que é esporte? Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 54-58, 2006.

DIAS, C. A.; ALVES JUNIOR, E. Entre o mar e a montanha: esporte, aventura e natureza no Rio de Janeiro. Niterói: EDUFF, 2007.

DUMAZEDIER, J. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva; SESC, 1979.

FREIRE, P. El grito manso. 2. ed. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2009.

GAARDER, J. O mundo de Sofia: romance da história da filosofia. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GÓMEZ ENCINAS, V. Juegos y actividades de reto y aventura en el contexto escolar. Revista Wanceulen E.F. Digital, n. 4, p.1-12, Mayo 2008.

KONDER, L. O Futuro da Filosofia da Práxis: o pensamento de Marx no século XXI. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

LE BRETON, D. Condutas de risco: dos jogos de morte ao jogo de viver. Campinas: Autores Associados, 2009.

LE BRETON, D. Conferência de abertura. Dos jogos de morte ao jogo de viver na montanha: sobre o alpinismo solitário. In: PEREIRA, D. W. et al. In.: V Congresso Brasileiro de Atividades de Aventura. Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo, São Paulo: Lexia, 2011.

LOUGHLIN, A. J. Recreodinámica del adolescente: motivación y tiempo libre. Buenos Aires: Librería del Colegio, 1971.

MARINHO, A. Lazer, Aventura e Risco: reflexões sobre atividades realizadas na natureza. Movimento, v. 14, n. 2, p. 181-206, 2008.

MUNNÉ, F. Psicosociología del tiempo libre: un enfoque crítico. México: Trillas, 1980.

PEREIRA, D. W.; ARMBRUST, I. Pedagogia da Aventura. Os esportes radicais, de aventura e de ação na escola. Jundiaí: Fontoura, 2010.

WAICHMAN, P. Tiempo libre, libertad y educación. Conexões, v. 2, n. 1, p. 77-87, 2004a.

WAICHMAN, P. A respeito dos enfoques em recreação. Revista da Educação Física, v. 15, n. 2, p. 22-31, 2004b.

Downloads

Publicado

25-06-2014

Como Citar

SILVA PIOVANI, V. G. Atividades de aventura: prática para um tempo livre para o consumo ou para um tempo livre mais humano?. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11, n. 2, p. 61–67, 2014. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/9379. Acesso em: 1 dez. 2021.