Dossiê: Experiências e desafios do Pibid e do Programa de Residência Pedagógica na formação de professores.

28-10-2020
Dossiê: Experiências e desafios do Pibid e do Programa de Residência Pedagógica na formação de professores. A formação de professores, inicial e continuada, é de fundamental importância para a valorização da carreira docente e a qualidade da educação básica. Nos últimos dez anos, foram implementados no Brasil vários programas de formação de professores. Destacamos, neste dossiê, dois deles.O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), instituído por meio da Portaria Normativa nº38, de 12 de dezembro de 2007, constitui-se em uma das ações da Política Nacional de Formação de Professores do Ministério da Educação (MEC) operacionalizado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e tem como principais objetivos fomentar a iniciação à docência de estudantes ingressantes nos cursos de Licenciatura e oportunizar na primeira metade da licenciatura, uma aproximação prática dos licenciandos no cotidiano de escolas públicas de educação básica. Sua história tem sido exemplo do engajamento das instituições de ensino superior e da educação básica, dos docentes e dos acadêmicos na luta por mais qualidade na formação inicial e continuada em todo o país.O Programa de Residência Pedagógica, instituído pela Portaria nº 38, de 28 de fevereiro de 2018, publicada pela CAPES, o qual também integra as ações da Política Nacional de Formação de Professores do MEC, objetiva proporcionar aos alunos de licenciatura, que já cumpriram a primeira metade do curso, uma imersão planejada e sistemática no ambiente escolar. Oportuniza-se, dessa forma, em parceira com os professores da Educação Básica, a vivência de casos concretos do cotidiano escolar e da sala de aula, que também serão objeto de reflexão, a partir da articulação entre a teoria e a prática.Com base na história do Pibid e nas recentes experiências do Programa de Residência Pedagógica, propomos um espaço na Revista Temas e Matizes, do Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino – NUFOPE, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, para que acadêmicos das licenciaturas, juntamente com seus professores supervisores e orientadores, divulguem seus trabalhos desenvolvidos no âmbito desses programas. Docentes e acadêmicos poderão submeter texto em forma de artigo, relato de experiência, entrevista ou ensaio fotográfico. Os artigos devem ter entre 12 e 20 páginas. Os relatos de experiência e entrevistas, entre 06 e 20 páginas. Os ensaios fotográficos devem apresentar um texto introdutório com até cinco mil palavras e entre 08 e 12 fotos acompanhadas de título e legenda. Organizadores:Tânia Maria Rechia Schroeder - Universidade Estadual do Oeste do ParanáValdecir Soligo – Universidade Estadual do Oeste do ParanáEdna Martins – Universidade Federal de São PauloEnio de Lorena Stanzani – Universidade Tecnológica Federal do Paraná As submissões devem ser feitas até 31 de novembro pelo sistema da Revista.