A LUTA DO MOVIMENTO SURDO PELO DIREITO À LÍNGUA

Autores

  • Tamara Cardoso ANDRÉ Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus Foz do Iguaçu https://orcid.org/0000-0002-0700-1896
  • Andréa Carolina Bernal MAZACOTTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus Foz do Iguaçu

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i32.18585

Palavras-chave:

Língua Brasileira de Sinais, Movimentos Surdos, Políticas Linguísticas

Resumo


Escrito em coautoria entre uma professora surda e uma professora ouvinte, tem o objetivo de relatar as conquistas do Movimento Surdo em Foz do Iguaçu. Discute leis federais e documentos oficiais do Ministério da Educação (MEC) e da Secretaria do Estado da Educação do Paraná sobre direito à educação e à Língua Brasileira de Sinais. Conclui que o Movimento Surdo não apenas precisou lutar para aprovar leis que afirmassem o direito ao uso da língua de sinais, como também lutar para a efetivação destas leis. Por isso, a luta do Movimento Surdo é permanente e precisa estar viva em cada município e em cada instituição, tendo em vista a importância que tem a Língua de Sinais para o desenvolvimento global da pessoa surda.

 


Biografia do Autor

Tamara Cardoso ANDRÉ, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus Foz do Iguaçu

Pedagoga, Doutora em Educação. Professora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus Foz do Iguaçu

Andréa Carolina Bernal MAZACOTTE, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus Foz do Iguaçu

Mestrando no Programa de Pós-graduação stricto sensu em Ensino (PPGEn), Universidade Oeste do Paraná (UNIOESTE) - Campus Foz do Iguaçu.

Downloads

Publicado

29-06-2018

Como Citar

ANDRÉ, T. C.; BERNAL MAZACOTTE, A. C. A LUTA DO MOVIMENTO SURDO PELO DIREITO À LÍNGUA. Trama, [S. l.], v. 14, n. 32, p. 15–26, 2018. DOI: 10.48075/rt.v14i32.18585. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/18585. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Língua Brasileira de Sinais: descrição linguística, formação profissional e educação bilíngue