OFICIALIZAÇÃO DA LIBRAS: MOVIMENTO SURDO E POLÍTICA LINGUÍSTICA DE RESISTÊNCIA

Autores

  • Denielli KENDRICK
  • Gilmar de Carvalho CRUZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i32.18656

Palavras-chave:

Libras, Movimento Surdo, Luta

Resumo


Objetiva-se com este estudo compreender o caminho percorrido pelas comunidades surdas brasileiras até a oficialização da Libras em 2002, pela Lei 10.436 e sua regulamentação pelo Decreto 5.626 de 2005. Utilizou-se de revisão de literatura como metodologia investigativa. O referencial teórico baseia-se em conceitos bourdieusianos e nos Estudos Culturais. Verificou-se que, para a efetivação legal, o Movimento Surdo foi e é fundamental para as conquistas alcançadas. No entanto, a luta do Movimento continua para que políticas linguísticas sejam concretizadas a partir das leis.


Biografia do Autor

Denielli KENDRICK

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Professora Tradutora Intérprete de Libras/Português na Secretaria de Educação do Paraná - SEED.

Gilmar de Carvalho CRUZ, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO

Professor Doutor do Departamento de Educação Física da Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO-  Irati/ PR.

Downloads

Publicado

29-06-2018

Como Citar

KENDRICK, D.; CRUZ, G. de C. OFICIALIZAÇÃO DA LIBRAS: MOVIMENTO SURDO E POLÍTICA LINGUÍSTICA DE RESISTÊNCIA. Trama, [S. l.], v. 14, n. 32, p. 4–14, 2018. DOI: 10.48075/rt.v14i32.18656. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/18656. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Língua Brasileira de Sinais: descrição linguística, formação profissional e educação bilíngue