CONTRIBUIÇÃO DA CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA E DAS CORRESPONDÊNCIAS GRAFOFÔNICAS NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA

Autores

  • Jussara Maria Morais FEITOZA Universidade Federal do Ceará
  • Ronaldo Mangueira LIMA Jr Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i34.20882

Palavras-chave:

Leitura. Método fônico. Consciência Fonológica.

Resumo


Esta pesquisa buscou avaliar, em alunos do 3º e 4º ano do Ensino Fundamental I, os efeitos do uso de técnicas do método fônico para estímulo da consciência fonológica e da consciência das correspondências grafofônicas no desenvolvimento de habilidades da leitura, em especial, a descodificação de palavras, etapa mais basal da compreensão leitora. Participantes de três grupos, dois experimentais e um controle, fizeram um teste de leitura e um teste de consciência fonológica. Os participantes dos grupos experimentais receberam instrução extraclasse com técnicas do método fônico, e todos os grupos foram testados novamente após o período das intervenções a fim de avaliar o efeito da intervenção. Os dados revelaram uma redução significativa de erros de leitura, no tempo gasto para a leitura e, potencialmente, na compreensão da leitura.

 

REFERÊNCIAS

ADAMS, Marilyn. Jaeger et al. Relatório final do grupo de trabalho alfabetização infantil: os novos caminhos. Câmara dos Deputados Comissão de Educação e Cultura. Brasília: 2003. 163 p. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br>. Acesso em: 25 out. 2017.

AVILA, Clara Brandão de; SALLES, Jerusa Fumagalli de e MALUF, Maria Regina. Alfabetização infantil, fluência de leitura e competências linguísticas. Documento temático 4. CpE. [S.l.: s.n.] 2016. Disponível em: http://cienciaparaeducacao.org/wp-content/uploads/2016/12/Conte%C3%BAdo-Livreto-4.compressed.pdf. Acesso em: 31. out. 2017.   

BARBOSA, Déborah Márcia de Sá Barbosa. O ensino da leitura: ampliando a habilidade leitora dos alunos. In ALMEIDA, Nukácia; ZAVAM, Aurea (Org.). A língua na sala de aula: questões práticas para um ensino produtivo. Fortaleza: Perfil Cidadão, 2004.

BRASIL. Resumo técnico: resultados do índice de desenvolvimento da educação básica 2005-2015. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), 2015.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. 10. ed. São Paulo: Scipione, 2007.

CAPOVILLA. F. C. et al. Alfabetização fônica computadorizada [CD-Rom]. São Paulo: Memnon, 2005.COLOGNESE, Estela Maris Giordani, org. A construção da linguagem escrita. Cascavel: Gráfica Universitária, 1996.  v. 1, 92 p. Coleção Cadernos de Apoio ao Alfabetizador.

DEHAENE, Stanislas. Os neurônios da leitura: como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Porto Alegre: Penso, 2012.

ESTAGNADO, Brasil fica entre os piores do mundo em avaliação de educação. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 dezembro 2016. Disponível em: <http:// www1.folha.uol.com.br /educacao/2016/12/1838761-estagnado-brasil-fica-entre-os-piores-do-mundo-em-avaliacao-de-educacao.shtml >. Acesso em: 26 out. 2017.

FAYOL, Michel. Aquisição da escrita. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

FEITOZA, Jussara Maria Morais. Contribuição do Método Fônico e da Consciência Fonológica na Aquisição da Leitura. Fortaleza: UFC/ PPGL/ Profletras, 2017.

FERREIRA, Rui. Avaliação da fluência na leitura em crianças com e sem necessidades educativas especiais: validação de uma prova de fluência na leitura para o 2º ano do 1º C.E.B. 2009. 261 f. Dissertação (Mestrado em educação especial) – Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2009.

GALVÃO, Andréa; LEAL, Telma. Há um lugar para métodos de alfabetização? Conversa com professores(as). In: MORAIS, Artur; ALBUQUERQUE, Eliana; LEAL, Telma (Org.).

Alfabetização: apropriação do sistema de escrita alfabética. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. 

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. IDEB: resultados e metas. Brasília: Inep, 2016. Disponível em: <Fonte: http://ideb.inep.gov.br/resultado/> Acesso em 30 out. 2017.

JOLIBERT, Josette. Caminhos para aprender a ler e escrever.  São Paulo: Contexto, 2008.

KATO, Mary A; MOREIRA, Nadja Ribeiro e TARALLO, Fernando. Estudos em alfabetização: retrospectivas nas áreas da psico e da sociolinguística. Juiz de Fora, 1997.

LAMPRECHT, Regina.  et.al. Consciência dos sons da língua: subsídios teóricos e práticos para alfabetizadores, fonoaudiólogos e professores de língua inglesa. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012.

MOOJEN, Sônia et al., CONFIAS – Consciência Fonológica: Instrumento de Avaliação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

SALDANHA, Paulo; CANCIAN, Natalia. Estagnado, Brasil fica entre os piores do mundo em avaliação de educação. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 dez 2016. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2016/12/1838761-estagnado-brasil-fica-entre-os-piores-do-mundo-em-avaliacao-de-educacao.shtml>. Acesso em: 15 out 2018.

SILVA, Ana Cristina Conceição da. Até a descoberta do princípio alfabético. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação para a Ciência e a Tecnologia; Gráfica de Coimbra, Ltda, 2003.

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2017.

VIEIRA, Lúta Lerche. Escrita, para que te quero? Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2005.

 

Recebido em 24-10-2018.

Aceito em 21-02-2019.

Biografia do Autor

Jussara Maria Morais FEITOZA, Universidade Federal do Ceará

Mestre em Letras pelo Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) da Universidade Federal do Ceará.

Ronaldo Mangueira LIMA Jr, Universidade Federal do Ceará

Professor do Departamento de Estudos da Língua Inglesa, suas Literaturas e Tradução; do Programa de Pós-Graduação em Linguísitica; e do Mestrado Profissional em Letras da Universidade Federal do Ceará.

Downloads

Publicado

27-02-2019

Como Citar

FEITOZA, J. M. M.; LIMA JR, R. M. CONTRIBUIÇÃO DA CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA E DAS CORRESPONDÊNCIAS GRAFOFÔNICAS NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA. Trama, [S. l.], v. 15, n. 34, p. 29–40, 2019. DOI: 10.48075/rt.v15i34.20882. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/20882. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Contribuições dos estudos de fonética e fonologia para o ensino