VOZES DAS MULHERES INDÍGENAS EM ELIANE POTIGUARA E EM GRAÇA GRAÚNA

Autores

  • Lunara Abadia Gonçalves CALIXTO Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i36.22354

Palavras-chave:

Letras, Estudos Literários, Literatura de autoria indígena.

Resumo


Escritores indígenas brasileiros têm atuado com maior intensidade a partir do final do século XX, como uma forma de resistência e de autoafirmação perante a sociedade a qual causou mais de 500 anos de supressão e de apagamento de suas culturas e etnias. Diante dessa proposta, escritoras como Eliane Potiguara e Graça Graúna têm trazido à tona a voz da mulher indígena, a principal atingida pelo processo de espoliação indígena, por meio de textos poéticos que abrangem tanto a luta política por direitos como também uma expressividade lírica. A questão das vozes femininas na poesia dessas duas autoras é de suma importância porque envolve a exaltação de situações que têm sido duplamente apagadas dos processos de representatividade: o gênero feminino e a cultura indígena.

REFERÊNCIAS:

ALENCAR, José de. Iracema. 24a ed. São Paulo: Ática, 1991.

ARAÚJO, Ana Claudia. Mulheres retomam papéis protagonistas na cultura indígena. Catarinas, 2016. Disponível em: <http://catarinas.info/mulheres-retomam-papeis-protagonistas-na-cultura-indigena/#>. Acesso em: 14 jul. 2018.

BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

MUNDURUKU, Daniel. Daniel Munduruku. Disponível em: <http://danielmunduruku.blogspot.com/p/daniel-munduruku.html>. Acesso em. 10 ago. 2019.

DANNER, Leno Francisco; DORRICO, Julie; DANNER, Fernando. A voz-práxis das minorias entre literatura e política: algumas notas desde a recente produção da literatura indígena brasileira. ANTARES. Caxias do Sul, v. 10, n. 19, p. 45-69, jan/abr 2018. Disponível em: < http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/antares/article/view/5968/3332>. Acesso em: 28 maio 2018.

ESTÉS, Clarissa Pinkola. Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Tradução de Waldéa Barcellos. 12a ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

FIGUEIREDO, Eurídice. Políticas e poéticas da memória: gênero e etnicidade. In: ______. Mulheres ao espelho: autobiografia, ficção, autoficção. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013. p. 149-167.

GRAUNA, Graça. Canto Mestizo. Rio de Janeiro: Ed. Blocos, 1999.

______. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

______. Entrevista com Graça Graúna, escritora indígena e professora da Universidade de Pernambuco: por Tarsila de Andrade Ribeiro Lima. Palimpsesto, Rio de Janeiro, n. 20, jan.-jun. 2015, p. 136-149. Disponível em: <http://www.pgletras.uerj.br/palimpsesto/num20/entrevista/palimpsesto20entrevista01.pdf>. Acesso em: 18 set. 2018. ISSN: 1809-3507.

______. Tear da palavra. Belo Horizonte: S.n., 2007.

POTIGUARA, Eliane. A cura da terra. São Paulo: Editora do Brasil, 2015.

______.  Histórico. Disponível em:< http://www.elianepotiguara.org.br/>. Acesso em 18 set. 2018.

______. Metade cara, metade máscara. 2a ed. Lorena: DM Projetos Especiais, 2018.

______. O pássaro encantado. São Paulo: Jujuba Editora, 2014.

OLIVIERI-GODET, Rita. Graça graúna: A poesia como estratégia de sobrevivência. Interfaces Brasil/Canadá. Florianópolis/Pelotas/São Paulo, v. 17, n. 3, 2017, p. 101-117.

SANTIAGO, Silviano. O entre-lugar do discurso latino americano. In: ______. Uma literatura nos trópicos. 2a ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p. 9-26.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

ENVIADO EM 10-05-19 ! ACEITO EM 20-08-19

Biografia do Autor

Lunara Abadia Gonçalves CALIXTO, Universidade Federal de Uberlândia

Mestra em Estudos Literários pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Literários da Universidade Federal de Uberlândia. Atualmente, doutoranda em Estudos Literários pela mesma universidade.

Downloads

Publicado

11-10-2019

Como Citar

CALIXTO, L. A. G. VOZES DAS MULHERES INDÍGENAS EM ELIANE POTIGUARA E EM GRAÇA GRAÚNA. Trama, [S. l.], v. 15, n. 36, p. 50 59, 2019. DOI: 10.48075/rt.v15i36.22354. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/22354. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Vozes femininas na contemporaneidade