TECENDO VIDAS LINHAGEM FAMILIAR E CORPOS FEMININOS APROXIMAÇÕES ENTRE DESESTERRO, DE S. SMANIOTO, E COM ARMAS SONOLENTAS, DE C. SAAVEDRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v16i38.24173

Palavras-chave:

Sheyla Smanioto, Carola Saavedra, Narrativa de filiação, Linhagem familiar, Violência de gênero

Resumo


Este artigo propõe-se a uma leitura comparativa dos romances Desesterro (2015) de Sheyla Smanioto e Com armas sonolentas (2018) de Carola Saavedra. A partir da matéria comum aos dois livros, a saber, a representação de uma linhagem familiar composta exclusivamente por mulheres, analisaremos a presença da violência, física e simbólica, na construção das narrativas e seus efeitos no processo de compleição das personagens. Como instrumentos teóricos teremos como ponto de partida o conceito de locus fraturado proposto por Lugones (2014), a categoria de personagem disruptiva caracterizada pela noção de trânsfuga, trabalhada por Bourdieu (1970) e Jaquet (2014) e, por fim, a proposta de Young (2003) de entender as especificidades da dinâmica entre gênero e violência a partir da noção de serialidade.

Referências

ADORNO, T. W. O que significa elaborar o passado. Trad. Wolfgang Leo Maar. Disponível em : <bit.ly/2JL1z46>. Acessado em: 10 outubro 2019.

ARIES, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BERND, Z. e SOARES, T. Modos de transmissão intergeracional em romances da literatura brasileira atual. Alea: Estudos Neolatinos. Rio de Janeiro: UFRJ, 2016.

BORGES, M. E. e OLIVEIRA, J. R. de. Retratos memoriais: nascimento/morte da linhagem familiar burguesa. Fênix Revista de História e Estudos Culturais. Maio/jun/jul/ago, vol. 9, ano IX, n.º 2, 2012.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

DA MATA, A. L. N. Como vai a família? As reconfigurações da instituição familiar no imaginário do romance brasileiro contemporâneo. Revue d’études ibériques et ibéro-américaines, vol. 2, 2012.

DALCASTAGNÈ, R. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n.º 26, p. 13-71, 2005.

ERIBON, D. La société comme verdict classes, identités, trajectoires. Paris: Flammarion, 2014.

GIRARD, R. Le bouc émissaire. Paris: Grasset, 1982.

JAQUET, C. Les Transclasses ou la non-reproduction. Paris: PUF, 2014.

LUGONES, M. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas. Florianópolis, dez. 2014.

SAAVEDRA, C. Com armas sonolentas. São Paulo: Cia das Letras, 2018.

SMANIOTO, S. Desesterro. Rio de Janeiro: Record, 2015.

VAINFAS, R. Trópico dos pecados. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.

YOUNG, I. M. O género como serialidade. Pensar as mulheres como um colectivo social. Revista Ex Aequo Associação Portuguesa de Estudos sobre Mulheres. Lisboa, n.º 8. p. 113-139, 2003.

Recebido em 03-03-2020 | Aceito em 24-05-2020

Biografia do Autor

Carlos Eduardo BIONE, Universidade de Brasília (UnB)

Carlos Eduardo Bione, brasilianista egresso da Universidade Estatal de Moscou (2013-2017), da Universidade Sorbonne Nouvelle (2012-2013), da Universidade de La Rochelle (2011-2012), da Universidade Paris Nord Sorbonne Cité (2009-2011) e da Universidade de Hanói. Atualmente é doutorando ligado ao Programa de Pós-Graduação em Literatura - PósLit, sob orientação do Prof. Dr. Anderson Nunes da Mata, na Universidade de Brasília - UnB.

cadubione@gmail.com

Downloads

Publicado

08-06-2020

Como Citar

BIONE, C. E. TECENDO VIDAS LINHAGEM FAMILIAR E CORPOS FEMININOS APROXIMAÇÕES ENTRE DESESTERRO, DE S. SMANIOTO, E COM ARMAS SONOLENTAS, DE C. SAAVEDRA. Trama, [S. l.], v. 16, n. 38, p. 36 50, 2020. DOI: 10.48075/rt.v16i38.24173. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/24173. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Literatura Brasileira Contemporânea: desafios e perspectivas