AFROEMPREENDEDORISMO FEMININO: OS SENTIDOS DA EXPRESSÃO “MULHER NEGRA” NUMA REVISTA FEMININA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i40.26180

Palavras-chave:

Mulher negra, Semântica do Acontecimento, negócios

Resumo


Pretende-se neste trabalho, analisar os sentidos de mulher negra presentes na discussão sobre o tema afroempreendedorismo feminino promovido pela revista Cláudia. Para esta análise utilizamos o aporte teórico da Semântica do Acontecimento, partindo da premissa de que os sentidos são constituídos na enunciação, no acontecimento do dizer.Com isso, os recortes escolhidos para análise, retirados da matéria “Sob Nova Direção”, edição de Novembro/2019, expõe depoimentos de mulheres negras que alcançaram reconhecimento como empreendedoras e nos mostram a constituição de memoráveis que apontam para questões de raça e classe. Além desse funcionamento, temos ainda um conflito com sentidos relacionados a aspectos financeiros, o qual sobrepõe esses sentidos sobre os demais observados nessa materialidade. Com isso, chegamos ao DSD que aponta a mulher negra sendo determinada pelo afroempreendedorismo que, por sua vez, é determinado pelo poder financeiro. 

Recebido em 29-10-2020
Revisões requeridas em 09-01-2021
Aceito em 15-01-2021

Referências:

CRENSHAW, Kimberlé. (2004). A interseccionalidade na discriminação de raça e gênero. In: VV.AA. Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem.
CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v.10, nº 1, 2002, p.171-189.
GUIMARÃES, Eduardo. A Enumeração: funcionamento enunciativo e sentido. Cadernos de estudos linguísticos, Campinas, 51 (1): 49-68, Jan./Jun. 2009.
GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, SP: Pontes, 2002.
GUIMARÃES, Eduardo. Semântica: enunciação e sentido. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018.
GUIMARÃES, Eduardo. Os limites do sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. Campinas, Pontes, 1995.
HOOKS, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Tradução Bhuvi Libânio. - 6 ed. - Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos. 2019.
KILOMBA, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: Unrast Verlag, 2012 apud RIBEIRO, 2019.
Poder Afro: Revista Cláudia. São Paulo, SP: Grupo Abril, 2019-Mensal.
RIBEIRO, Djamila. Lugar de Fala. Coleção Feminismos Plurais. São Paulo: Pólen, 2019.

 

Biografia do Autor

Júlia Bomfim COSTA, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Linguística (PPGlin), membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Semântica (Gepes).

Adilson Ventura da SILVA, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professor, Doutor em Linguística, na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB/DELL/PPGLin/Profletras/Gepes).

Downloads

Publicado

04-02-2021

Como Citar

COSTA, J. B.; SILVA, A. V. da. AFROEMPREENDEDORISMO FEMININO: OS SENTIDOS DA EXPRESSÃO “MULHER NEGRA” NUMA REVISTA FEMININA. Trama, [S. l.], v. 17, n. 40, p. 45–55, 2021. DOI: 10.48075/rt.v17i40.26180. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/26180. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Estudos Semânticos