Esportes radicais no meio ambiente urbano no município de São Paulo

Dimitri Wuo Pereria, Renan Oliveira De Paula, André Batista da Silva, Camila Bianca Galindo, Vinicius Sampaio Feitoza dos Santos

Resumo

A observação de pessoas procurando praças, ruas, paredes de escalada, bancos, muros e rampas pela cidade, para se divertir e se exercitar representa um novo contexto de prática esportiva que esta pesquisa busca revelar. O objetivo deste estudo foi reconhecer os locais e atores das práticas de skate, escalada e slakline e suas motivações para a busca destas modalidades. Utilizou-se uma pesquisa descritiva exploratória com 46 sujeitos, sendo 16 escaladores, 20 skatistas e 10 slakliners, da cidade de São Paulo, que responderam um questionário desenvolvido especificamente para essas atividades. Os resultados apontaram que: Há predominância do sexo masculino entre os participantes, revelando um preconceito que ainda perdura na prática esportiva. Os escaladores têm média de idade maior do que os demais, talvez devido à necessidade de equipamentos mais caros, dos maiores riscos da prática e da necessidade de cursos para aprendizagem. Os skatistas em média praticam há mais tempo, provavelmente porque a cultura do skate é mais antiga e consolidada em São Paulo. Observa-se que no slakline todos praticam a menos de três anos mostrando que é uma modalidade ainda recente no cenário nacional. Os participantes da pesquisa afirmam ter aprendido sozinhos, ou com amigos e familiares, evidenciando-se nesse aspecto que a Educação Física não é considerada como iniciação. Os sujeitos apontam o ganho de benefícios físicos, mentais e sociais nas suas vidas e sua intenção de continuar a prática pela qualidade de vida, diversão, evolução física e psicológica. Apenas 10,8% afirmam competir, o que mostra que os esportes radicais são considerados na perspectiva da participação voluntária. Conclui-se que os esportes radicais estão sendo incorporados à rotina das pessoas, acrescentando novo contorno à cultura corporal, numa busca de superação, de enfrentamento de desafios, do controle do risco, do prazer, e da qualidade de vida. Fica evidente que há uma distância entre a formação dos profissionais de Educação Física e estas novas práticas.

ABSTRACT.  Extreme sports through urban environment in the São Paulo City.  The observation of people looking for squares, streets, climbing walls, benches, walls and ramps around the city to have fun and exercise represents a new context of sports practice that this research seeks to reveal. The objective of this study was to recognize the places and actors of skateboarding, climbing and slakline practices and their motivations for the search of these sports. Exploratory descriptive research was used with 46 subjects, 16 climbers, 20 skaters and 10 slakliners, from the city of São Paulo, who answered a questionnaire developed specifically for these activities. The results showed that: There is predominance of males among the participants, showing a prejudice that still persists in sports practice. Climbers have a higher average age than others, perhaps due to the need for more expensive equipment, greater risks of practice and the need for courses to learn. Skaters on average have been practicing for more time, probably because the skate culture is older and consolidated in São Paulo. It is observed that in slakline all practice less than three years showing that it is a modality still recent in the national scenario. The participants of the research affirm to have learned alone, or with friends and family, evidencing in this aspect that the Physical Education is not considered like initiation. The subjects point out the gain of physical, mental and social benefits in their lives and their intention to continue the practice by quality of life, fun, physical and psychological evolution. Only 10.8% claim to compete, which shows that Extreme Sports are considered from the perspective of voluntary participation. It is concluded that Extreme Sports are being incorporated into the routine of the people, adding a new contour to the body culture, in a search for overcoming, facing challenges, control of risk, pleasure, and quality of life. There is evidence that there is a gap between the graduation in Physical Education professionals and these new practices.

Palavras-chave

cultura, lazer, esporte; culture, leisure, sport

Texto completo:

PDF

Referências

ARMBRUST, I.; LAURO, F. A. A. O skate e suas possibilidades educacionais. Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 3, p. 799 -807, 2010.

BANDEIRA, M. M. Políticas públicas para o lazer de aventura: entre esporte e turismo, fomento e controle de risco. 2016. 240f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, Campinas, 2016.

BERTUZZI, R.; LIMA-SILVA, A. E. Principais características dos estilos de escalada em rocha e indoor. Acta Brasileira do Movimento Humano, Ji-Paraná, v. 3, n. 3, p. 31-46, 2013.

BRASIL. MINISTÉRIO DO ESPORTE. Diesporte. Diagnóstico Nacional do Esporte. Caderno 1. Brasília, 2015. Disponível em: . Acessado em: 22 de junho de 2016.

CORRÊA, E. A. Formação do profissional de educação física no contexto das atividades físicas de aventura na natureza. 2008. 129f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2008.

COSTA, V. L. M.; TUBINO, M. J. G. A Aventura e o risco na prática de esportes vinculados à natureza. MotusCorporis, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 96-112, 1999.

COUTO, F. A. O equilíbrio dinâmico em praticantes adultos de slackline. In: PEREIRA, D. W. Novas experiências na aventura. São Paulo: Lexia, 2015.

FIGUEIRA, M. L. M.; GOELLNER, S. V. Skate e mulheres no Brasil: fragmentos de um esporte em construção. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 30, n. 3, p. 95-110, 2009.

GALATTI, L. R. Esporte e clube sócio-esportivo: percurso, contextos e perspectivas a partir de estudo de caso em clube esportivo espanhol. 2010. 305f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

GOELLNER, S. V. Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática, Goiânia, v. 8, n. 1, p. 85-100, 2005.

GONZALEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson, 2005.

LAURO, F. A. A. Skate de vilão à mocinho. In: V CONGRESSO BRASILEIRO DE ATIVIDADES DE AVENTURA (CBAA). Anais... Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo. São Paulo: Lexia, 2010.

MACHADO, G. M. C. As mulheres e o “carrinho”: gênero e corporalidade entre as skatistas. Anais... Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 – Desafios atuais dos feminismos. Florianópolis, 2013. Disponível em: . Acessado em: 22 de junho de 2016.

MARINHO, A. Da aceleração ao pânico de não fazer nada. In: MARINHO, A.; BRUHNS, H. T. (Org.) Turismo, lazer e natureza. Barueri: Manole, 2003.

MARINHO, A. Da busca pela natureza aos ambientes artificiais: reflexões sobre a escalada esportiva. 2001. 138f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

MARTINS, B. G.; ALVES, V. S.; GOUVEIA, M. M.; BESSA, A. H. S.; NOGUEIRA, W. S. Etnografia de rua: espaço urbano e sociabilidade na prática do skate. Praxia, Quirinópolis, v. 1, n. 4, p. 62-65, 2013.

NUNES JÚNIOR, P. C.; GALATTI, L. Esporte contemporâneo: o espaço urbano como perspectiva de análise. Lecturas, Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 19, n. 199, 2014. Disponível em: . Acessado em: 09 de dezembro de 2014.

PAES, R. R. A pedagogia do esporte e os jogos coletivos. In: De ROSE JÚNIOR, D. Esporte e atividade física na infância e adolescência. São Paulo: Artmed, 2002. p. 89-98.

PEREIRA, C. G. Skate: tutorial pedagógico de skate para profissionais de educação física. In: PEREIRA, D. W. (Org.). Novas experiências na aventura. São Paulo: Lexia, 2015.

PEREIRA, D. W. Slackline: vivências acadêmicas na Educação Física. Motrivivência, Florianóplois, v. 25, n. 41, p. 223-33, 2013.

PEREIRA, D. W.; ARMBRUST, I. Pedagogia da Aventura. Os esportes radicais, de aventura e ação na escola. Jundiaí: Fontoura, 2010.

PEREIRA, D. W.; MENEZES, E. O skate em São Bernardo do Campo. In: 3º CONGRESSO BRASILEIRO DE ATIVIDADES DE

AVENTURA. Anais... Universidade São Francisco de Assis, Santa Teresa, 2008.

PIOVANI, V. G. S. Atividades de aventura: prática para um tempo livre para o consumo ou para um tempo livre mais humano? Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11, n. 2, p. 61- 67, 2013.

SALLES-COSTA, R.; HEILBORN, M. L.; WERNECK, G. L.; FAERSTEIN, E.; LOPES, C. S. Gênero e prática de atividade física de lazer. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, Sup. 2, p. S325-S333, 2003.

SÃO PAULO. Prefeitura Municipal. Centro de Esportes Radicais recebe “street park”. Secretaria Especial de Comunicação, 11/12/2016. Disponível em: . Acessado em: 20 de maio de 2017.

SPINK, M. J. P. Trópicos do discurso sobre risco: risco-aventura como metáfora na modernidade tardia. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17 n. 6, p. 1277-311, 2001.

STIGGER, M. P. Esporte, lazer e estilos de vida: um estudo etnográfico. Campinas: Autores Associados, 2002.

UVINHA, R. R. Juventude, lazer e esportes radicais. São Paulo: Manole, 2001.

VIEIRA, L. F.; BALBIM, G. M.; PIMENTEL, G. G. A.; HASSUMI, M. Y. S. S.; GARCIA, W. F. Estado de fluxo em praticantes de escalada e skate downhill. Motriz, Rio Claro, v. 17 n. 4, p. 591-9, 2011.

WERLE, V. Reflexões sobre a participação nas políticas públicas de esporte e lazer. Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 1, p. 135-42, 2010.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário
';