Análise da motivação acadêmica de universitários de educação física

Isabella Caroline Belem, Silvia Regina Nishiyama Sucupira Sarto, Marlis Eduarda Mendes Fernandes, Jorge Both

Resumo

Objetivo: identificar o nível de motivação dos acadêmicos do curso de Educação Física Bacharelado. Métodos: Esta pesquisa tem caráter transversal e descritivo. Fizeram parte deste estudo 146 universitários do curso de Educação Física Bacharelado de uma universidade do norte-central do Paraná, Brasil. Como instrumentos foram utilizados um inquérito para caracterização sociodemográfica dos participantes e a Escala de Motivação Acadêmica (EMA). Para a análise dos dados, foram utilizados o teste Prova U de Mann-Whitney e o teste Kruskal-Wallis, adotando o nível de significância de 95% (p<0,05). Resultados: Observou-se que os acadêmicos do sexo masculino apresentaram maior motivação extrínseca por Regulação identificada (p=0,012). Constatou-se que os acadêmicos que trabalham mais de 20 horas por semana são motivados por regulação identificada (p=0,011), enquanto os acadêmicos que não trabalham foram mais motivados extrinsecamente por regulação integrada (p=0,020). Conclusão: Conclui-se que os universitários das séries iniciais, do sexo masculino, que trabalham e estudam, e praticaram esportes durante a infância e/ou adolescência são motivados e se dedicam a graduação, sendo mais motivados no domínio de motivação extrínseca por regulação identificada na qual, o comportamento é motivado pela apreciação dos resultados.

Palavras-chave

Motivação. Ensino Superior. Estudantes de Educação Física.

Texto completo:

PDF

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da Educação Superior – CES. Brasília, 2014. Disponível em: .

CARDOSO, L. R.; BZUNECK, J. A. Motivação no ensino superior: metas de realização e estratégias de aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, v. 8, n. 2, p. 145-155, 2004.

COSTA, L. C. A et al.. Estilo motivacional e comportamento assertivo de professores de Educação Física ao longo da carreira. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 30, p. 457-465, 2016.

DAVOGLIO, T. R.; SANTOS, B. S.; LETTNIN, C. C. Validação da Escala de Motivação Acadêmica em universitários brasileiros. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., Rio de Janeiro , v. 24, n. 92, p. 522-545, 2016.

DECI, E. L.; RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. Nova York: Plenum; 1985.

DECI, E. L.; RYAN, R. M. The “what” and “why” of goal pursuits: Human needs and the self-determination of behavior. Psychological Inquiry, v.11, p.227-68, 2000.

DECI, E.L.; RYAN, R.M. (2012). Motivation, personality, and development within embedded social contexts: An overview of self-determination theory. In: RYAN, R. M. (Org.). The Oxford Handbook of Human Motivation. 2012. p. 85-107.

GUIMARÃES, S. E. R.; BZUNECK, J. A. Propriedades psicométricas de um instrumento para avaliação da motivação de universitários. Ciências & Cognição, v.13, n.1, p.101-113, 2008.

GUIMARÃES, S. E. R.; BORUCHOVITCH, E. O Estilo Motivacional do Professor e a Motivação Intrínseca dos estudantes: Uma Perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Psicologia: Reflexão e Crítica, v.17, n.2, p.143-150, 2004.

JOLY, M. C. R. A., PRATES, E. A. R. Avaliação da Escala de Motivação Acadêmica em estudantes paulistas: propriedades psicométricas. Psico-USF, v. 16, n. 2, p. 175-184, mai./ago. 2011.

LEAL, E. A.; MIRANDA, G. J.; CARMO, C. R. S. Teoria da Autodeterminação: uma Análise da Motivação dos Estudantes do Curso de Ciências Contábeis. R. Cont. Fin. USP, São Paulo, v. 24, n. 62, p. 162-173, maio/jun./jul./ago. 2013

LENS, W.; MATOS, L.; VANSTEENKISTE, M. Professores como fonte de motivação dos alunos: O quê e o porquê da aprendizagem do aluno. Educação, v. 31, n.1, 17-20, 2008.

ROSECLER, A.; GUIMARÃES, S. É. R. Orientações motivacionais de alunos do curso de biblioteconomia. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP. V. 14, n. 2, Jul/Dez, p.211-220, 2010.

SANTOS, A. A. A. et al. Relação entre vida acadêmica e a motivação para aprender em universitários. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP. v. 15, n. 2, Jul/Dez, p. 283-290, 2011.

SOARES, A. B. et. al. O impacto das expectativas na adaptação acadêmica dos estudantes no Ensino Superior. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 19, n. 1, p. 49-60, jan./abr, 2014.

SOBRAL, D. T. Motivação do Aprendiz de Medicina: Uso da Escala de Motivação Acadêmica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Jan/Abr 2003, v. 19 n. 1, p. 025-031.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 3ª ed. Artmed, 2002.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário
';