Orientação motivacional de atletas usuários de cadeira de rodas

Fábia Freire Silva, Jéssica Almeida da Silva, Guilherme Augusto de Souza Duim, José Roberto Andrade do Nascimento Junior, Paulo Ferreira de Araújo

Resumo

Objetivo: Identificar, comparar e correlacionar a orientação motivacional de atletas de Basquetebol em Cadeiras de Rodas (BCR), Rugby em Cadeiras de Rodas (RBC) e Handebol em Cadeira de Rodas (HCR) em situação de competição. Métodos: A amostra foi constituída por 36 atletas com deficiência física com idade entre 22 e 45 anos, do sexo masculino. O estudo foi realizado durante o Campeonato Brasileiro das equipes no ano de 2017, na cidade de Toledo (PR), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP), respectivamente. O instrumento utilizado para a coleta dos dados foi o Questionário de Esporte de Orientação para Tarefa e Ego (TEOSQb). Os dados foram analisados por meio da estatística descritiva e inferencial, adotando-se como significância p<0,05. Resultados: Os resultados obtidos apresentaram orientação motivacional para tarefa (HCR=3,76; BCR=3,94; RCR=4,01) nas três modalidades estudadas, em relação a orientação motivacional para o ego (HCR=2,09; BCR=2,42; RCR=1,83). Conclusão: Conclui-se que os atletas de HCR, RCR, BCR possuem uma tendência a motivação orientada para a tarefa. Isto é, acreditam mais em seus esforços e são persistentes durante a aprendizagem e o aperfeiçoamento, ou seja, preocupam-se em executar o mais corretamente possível uma dada tarefa.

 

ABSTRACT. Motivational orientation among wheelchair users athletes. Objective: To identify, compare and correlate the motivational orientation of athletes of Basketball in Wheelchair (BW), Rugby in Wheelchair (RW) and Handball in Wheelchair (HW) in competition situation. Methods: The sample consisted of 36 male physically disabled athletes aged between 22 and 45 years old. The study was carried out during the Brazilian Championship of the sports in 2017, in the city of Toledo (PR), Rio de Janeiro (RJ) and Sao Paulo (SP), respectively. The instrument used was the Task and Ego Orientation in Sports Questionnaire (TEOSQb). Data analysis was conducted through descriptive and inferential statistics, being adopted as significance p<0.05. Results: The results showed higher task orientation (BW=3.76; RW=3.94; HW=4.01) in the three modalities, in comparison to the motivational orientation for the ego (BW=2.09; RW=2.42; HW=1.83). It was concluded that BW, RW and HW athletes have a tendency toward task-oriented motivation. Conclusion: Thus, they believe more in their efforts and are more persistent during learning and specialization, that is, they are concerned to execute as accurately as possible a task

Palavras-chave

Motivação; Atletas; Pessoas com deficiência

Texto completo:

PDF

Referências

ABRC. Associação Brasileira de Rugby em Cadeira de Rodas. Modalidade. 2017. Disponível em: . Acessado em: 20 de setembro de 2017.

ALBUQUERQUE, I.; DINIZ, D. V.; DE FRANÇA, E.; PAIANO, R.; HIROTA, V. B. Reliability of TEOSQ in brazilian jiu-jitsu and muay-thai fighters: a pilot study. International Journal of Physical Education, Sports and Health, Nova Délhi, v. 1, n. 6, p. 12-15, 2015.

ANJOS, R. M. M.; FERREIRA, E. N. G.; SILVA, D. D.; PAULO, L. F. L.; HIROTA, V. B. Goals orientation and pre competitive stress of brazilians track and field athletes. International Journal of Physical Education, Fitness and Sports, Tamil Nadu, v. 4, n. 2, p. 1-9, 2015.

ARAÚJO, P. F. Desporto Adaptado no Brasil. São Paulo: Phorte, v.1, 2011.

BERLEZE, A.; VIEIRA, L. F.; KREBS, R. J. Motivos que levam crianças à prática de atividades motoras na escola. Revista da Educação Física, Maringá, v. 13, n. 1, p. 99-107, 2002.

CALEGARI, D. R.; GORLA, J. I.; ARAÚJO, P. F. Handebol em cadeira de rodas: regras e treinamento. São Paulo: Phorte, 2010.

CAMPBELL, E.; JONES, G. Psychological well-being in wheelchair sport participants and nonparticipants. Adepted Physical Activity Quarterly, Champaign, v. 11, n. 4, p. 404-15, 1994.

CBBC. Confederação Brasileira de Basquetebol em Cadeira de Rodas. O esporte. 2017. Disponível em: . Acessado em: 16 de outubro de 2017.

CPI. Comitê Paralímpico Internacional. Summer paralympic games overview. 2017. Disponível em: . Acessado em: 02 de junho de 2017.

DOROGI, L.; SZABO, A.; BOGNÁR, J. Goal orientation and perceived motivational climate in hungarian athletes with physical and visual disabilities and in able-bodied athletes. Kinesiology, Horvaćanski zavoj, v. 2, n. 40, p. 162-9, 2008.

FERNANDES, H. M.; VASCONCELOS-RAPOSO, J. J. B. Análise Factorial Confirmatória do TEOSQp. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 1, n. 23, p. 92-101, 2010.

FLIESS-DOUER, O.; HUTZLER, Y.; VANLANDEWIJCK, Y. C. Relation of functional physical impairment and goal perspectives of wheelchair basketball players. Perceptual and Motor Skills, Missoula, v. 96, n. 3, p. 755-8, 2003.

GORGATTI, M. G.; GORGATTI, T. O esporte para pessoas com deficiência. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2.ed. São Paulo: Manole, 2008.

HARTER, S. Effectance motivation reconsidered: toward a developmental model. Human Development, Basel, v. 21, n. 1, p. 24-64, 1978.

HIROTA, V. B.; DINIZ, D. V.; ARROXELLAS, R. D.; DE MARCO, A.; VERARDI, C. E. L.; SEABRA, A. G.; PAULA, C. S. Aplicação de instrumento de motivação em para-atletas da bocha adaptada: um estudo piloto. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 8-15, 2016.

LIMA, R. M. C.; RIBEIRO, P. R. Q.; TONELLO, M. G. M. Percepção da qualidade de vida por pessoas com deficiências físicas praticantes e não praticantes de atividades de lazer. Licere, Belo Horizonte, v. 15, n. 4, 2012.

MARTINELLI, S. C.; SISTO, F. F. Motivação de estudantes: um estudo com crianças do ensino fundamental. Avaliação Psicológica, v. 9, n. 3, p. 413-420, 2010.

MATTOS, M. P.; JÚNIOR, A. J. R.; RABINOVICH, S. B. Metodologia da pesquisa em educação física: construindo sua monografia, artigos e projetos. 4.ed. São Paulo: Phorte, 2017.

PAGANI, L. G. Análise motivacional de atletas do paradesporto de nível nacional. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 6, n. 34, p.330-5, 2012.

PAIVA, M. L. M. F.; BORUCHOVITCH, E. Orientações motivacionais, crenças educacionais e desempenho escolar de estudantes do ensino fundamental. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 15, n. 2, p. 381-9, 2008.

RODRIGUES, A.; LÁZARO, J.; FERNANDES, H.; VASCONCELOS-RAPOSO, J. Caracterização dos níveis de negativismo, activação, autoconfiança e orientações motivacionais de alpinistas. Motricidade, Ribeira de Pena, v. 5, n. 2, p. 63-86, 2009.

SAGE, G. Introduction to motor behavior: a neuropsychologicat approach. Reading: Addison-Wesley, 1977.

SAMULSKI, D. M. Psicologia do esporte: teoria e aplicação prática. Barueri: Manole, 2002.

SARRAZIN, P. G.; BOICHÉ, J. C. S.; PELLETIER, L. G. A self-determination approach to sport dropout. In: HAGGER, M.; CHATZISATANTIS, N. (Eds.). Intrinsic motivation and self-determination in exercise and sport. Champaign: Human Kinetics, 2007.

STREINER, D. L. Being inconsistent about consistency: when coefficient alpha does and doesn´t matter. Journal of Personality Assessment, Philadelphia, v. 80, n. 3, p. 217-22, 2003.

TORRALBA, M. A.; BRAZ, M.; E RUBIO, M. J. La motivación en el deporte adaptado. Psychology, Society, & Education, Almería, v. 6, n. 1, p. 27-40, 2014.

TORRALBA, M. A.; VIEIRA, M. B.; E RUBIO, M. J. Motivos de la práctica deportiva de atletas paralímpicos españoles. Revista de Psicología Del Deporte, Cerdanyola del Vallès, v. 26, n. 1, p. 49-60, 2017.

VASCONCELOS-RAPOSO, J.; MAHL, A. Orientação cognitiva de atletas profissionais de Futebol do Brasil. Motricidade, Ribeira de Pena, v. 1, n. 4, p. 253-265, 2005.

VASCONCELOS-RAPOSO, J.; MOREIRA, J. M.; TEIXEIRA, C. M. Clima motivacional em jogadores de uma equipa de handebol. Motricidade, Ribeira de Pena, v. 9, n. 3, p. 117 -126, 2013.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da Psicologia do esporte e do exercício. 6.ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

WINTERSTEIN, P. J. A Motivação para a atividade física e para o esporte. In: DE ROSE JR., D. Esporte e atividade física na infância e na adolescência: uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed, 2002.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário
';