Atividade física no lazer, capacidade aeróbia percebida e bem-estar subjetivo de acadêmicos de educação física em diferentes fases do curso

Carlos Eduardo Vieira Meira, Rubian Diego Andrade

Resumo

Objetivo: Identificar como se comportam as variáveis, atividade física no lazer, capacidade aeróbia percebida e o bem-estar subjetivo de acadêmicos ao longo do curso de Educação Física. Método: Para esse estudo foram utilizados três instrumentos, sendo estes a Escala de Bem-estar Pessoal (PWI), Escala de Práticas no Lazer e a Escala de Capacidade Aeróbia Percebida. Resultados: Foram avaliados 115 acadêmicos (79 mulheres e 36 homens), com média de idade de 25,01 (6,2) anos. Identificou-se que 87,5% dos acadêmicos foram considerados ativos fisicamente no início do curso, 95,5% no meio e 91,3% no final. Já para elevada capacidade aeróbia percebida, os resultados foram de 41,7% no início, 40,9% no meio, e 30,4% no final. Quanto ao bem-estar subjetivo, 25% no início, 22,7%, no meio e 34,8% no final do curso foram classificados com alta satisfação com a vida. Conclusão: Os acadêmicos mantem-se fisicamente ativos durante todo o curso. No entanto, esses resultados não corroboraram com a variável capacidade aeróbia percebida que apresentou tendência a diminuir na comparação entre as fases. Quanto à variável de bem-estar subjetivo, permaneceu baixa ao longo do curso, com tendência de aumento no final da graduação.

ABSTRACT. Physical activity in leisure, aerobic capacity perceived and subjective wellness of physical education academics throughout the course. Objective: To identify how the variables: physical activity in leisure, aerobic perceived capacity and the subjective well-being of academics during the course of Physical Education. Method: For this study, three instruments were used: the Personal Welfare Scale (PWI), Leisure Practice Scale and the Aerobic Perceived Capacity Scale. We evaluated 115 academics (79 women and 36 men), with a mean age of 25.01 (6.2) years. Results: We evaluated 115 academics (79 women and 36 men), with a mean age of 25.01 (6.2) years. It was identified that 87.5% of the students were considered physically active at the beginning of the course, 95.5% in the middle and 91.3% at the end. Already for high aerobic capacity perceived, the results were 41.7% at the beginning, 40.9% in the middle, and 30.4% at the end. Concerning subjective well-being, 25.0% at the beginning, 22.7% at the middle and 34.8% at the end of the course were classified with high satisfaction with life. Conclusions: Due to these results, it is suggested that, during graduation, with the achievement of knowledge about Physical Education, the academics improved their subjective perception about physical capacity and improved well-being.

Palavras-chave

Vida Acadêmica, Atividade Física de Lazer, Bem-estar Subjetivo, Capacidade Aeróbia Percebida

Texto completo:

PDF

Referências

ANDRADE, R. D.; BARBOSA, D. G.; FÉLDEN, E. P. G. Capacidade preditiva do domínio físico-esportivo da escala de práticas no lazer (EPL) para discriminação de níveis suficientes e insuficientes de atividade física. XI Congresso Brasileiro de Atividade Física e Saúde. Anais... Florianópolis, v. 22, p. 510-639, 2017.

ANDRADE, R. D.; BARBOSA, D. G.; FÉLDEN, E. P. G. Validade de construto e consistência interna da escala de práticas no lazer para adultos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. v. 23, n. 2, p. 519- 28, 2018.

BANDURA, A. A evolução da teoria social cognitiva. In: BANDURA, A.; AZZI, R. G.; POLYDORO, S. (Org.). Teoria social cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed, p. 15-41, 2008.

BAUMANN, M.; IONESCU, I.; CHAU, N. Psychological quality of life and its association with academic employability skills among newly-registered students from three european faculties. BMC psychiatry, Londres, v. 11, n. 1, p. 63-73, 2011.

BENAVENTE, S. B. T.; ALS, C. Respostas fisiológicas e emocionais ao estresse em estudantes de enfermagem: revisão integrativa da literatura científica. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 571-6, 2011.

CARVALHO, A. M. Nível de atividade física, capacidade cardiorrespiratória e estilo de vida em estudantes universitários. 2016. 28f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Educação Física) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

CASPERSEN, C. J.; POWELL, K. E.; CHRISTENSON, G. M. Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health-related research. Public Health Reports, Rockville, v. 100, n. 2, p. 126, 1985.

CUMMINS, R. A.; ECKERSLEY, R.; PALLANT, J.; VUGT, J. V.; MISAJON, R. Developing a national index of subjective wellbeing: The Australian Unity Wellbeing Index. Social Indicators Research, Boston, v. 64, n. 2, p. 159-90, 2003.

DAVIM, R. M. B.; TORRES, G. V.; DANTAS, S. M. M.; LIMA, V. M. Estudo com idosos de instituições asilares no município de Natal/RN: características socioeconômicas e de saúde. Revista Latino- Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 518-24, 2004.

DIENER, E.; SCOLLON, C. N.; LUCAS, R. E. The evolving concept of subjective well-being: The multifaceted nature of happiness. In: DIENER, E. Assessing well-being. Springer: Dordrecht, 2009.

FERRARI, E. Pesquisa Descritiva. In: SANTOS, S. G. Métodos de Pesquisa Quantitativa Aplicadas à Educação Física. Florianópolis: Tribo da Ilha. 2011. p. 81-91.

IPAQ. INTERNATIONAL PHYSICAL ACTIVITY QUESTIONNAIRE. RESEARCH COMMITTEE. Guidelines for data processing and analysis of the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ)- short and long forms, 2005. Disponível em: Acessado em: 22 de outubro de 2018.

JANSSEN, I.; LEBLANC, A. G. Systematic review of the health benefits of physical activity and fitness in school-aged children and youth. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, Londres, v. 7, n. 1, p. 40, 2010.

KRUG, H. N.; CONCEIÇÃO, V. J. S.; KRUG, R. R.; TELLES, C.; FLORES, P. Expectativas de atuação profissional de acadêmicos ingressantes e concluintes no curso de licenciatura em educação física. Biomotriz, Cruz Alta, v. 11, n. 2, p. 84-108, 2017.

LIMA, D. F.; LIMA L. A.; MAZZARDO, O. J.; ANGUERA. M. G.; PIOVANI, V. G. S.; SILVA JUNIOR, A. P.; SILVA, M. P.; SAMPAIO, A. A. O padrão da atividade física no lazer de brasileiros idosos. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 16, n. 2, p. 39-49, 2018.

MARANHÃO NETO, G. A.; LEON, A. C. M. P.; FARINATTI, P. T. V. Equivalência transcultural de três escalas utilizadas para estimar a aptidão cardiorrespiratória: estudo em idosos. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 11, p. 2499-510, 2008.

MARTINS, P. D. Promoção da saúde e bem-estar subjetivo no futebol de formação: regulação emocional e rendimento de atletas acolhidos na Casa do Dragão. 2015. Dissertação (Mestrado em de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Portucalense, Porto, 2015.

MENDES NETTO, R. S.; SILVA, C. S.; COSTA, D.; RAPOSO, O. F. F. Nível de atividade física e qualidade de vida de estudantes universitários da área de saúde. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, São Paulo, v. 10, n. 34, p. 47-55, 2013.

MOREIRA, D. P.; FUREGATO, A. R. F. Stress and depression among students of the last semester in two nursing courses. Revista Latino-Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 21, n. Esp., p. 155-62, 2013.

NORI, R.; GIUSBERT, F. Predicting cognitive styles from spatial abilities. American Journal of Psychology, Austin, v. 119, n. 119, p. 67-86, 2006.

PALMA A. Atividade física, processo saúde-doença e condições sócio-econômicas: uma revisão da literatura. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 97-106. 2017.

PEKMEZOVIC, T.; POPOVIC, A.; TEPAVCEVIC, D. K.; GAZIBARA, T.; PAUNIC, M. Factors associated with health-related quality of life among Belgrade university students. Quality of Life Research, Oxford, v. 20, n. 3, p. 391-397, 2011.

REIS, M. C.; ELZO JÚNIOR, E. P. P.; MELO, N. S. A.; RAPOSO, M. T.; MUNARO, H. L. R. Condições de saúde e fatores associados a satisfação com vida em acadêmicos de fisioterapia. Saúde.com, Jequié, v. 12, n. 3, p. 636-45, 2016.

RIGO, M. L. N. R.; TEIXEIRA, D. C. Efeitos da atividade física na percepção de bem-estar de idosas que residem sozinhas e acompanhadas. Journal of Health Sciences, Sarajevo, v. 7, n. 1, p. 13-20, 2015.

SILVA, S. G. Caracterização da pesquisa. In: SANTOS, S. G. Métodos de pesquisa quantitativa aplicadas á educação física. Florianópolis: Tribo da Ilha, 2011. p. 67-73.

SILVA, T. R.; SAENGER, G.; PEREIRA, E. F. Fatores associados à imagem corporal em estudantes de educação física. Motriz, Rio Claro, v. 17, n. 4, p. 630-39, 2017.

SOTERO, R. C.; CUNHA, N. C.; MADRID, B.; SALES, M. M.; MOREIRA, S. R.; SIMÕES, H. G. Identificação do lactato mínimo de corredores adolescentes em teste de pista de três estágios incrementais. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 119-22, 2011.

SOUSA, T. F.; SANTOS, S. F. S.; PIE, A. C. S.; ROSSATO, L. C. Associação entre indicadores de prática de atividade física na adolescência com o nível atual de prática de atividade física no lazer em acadêmicos de um curso de educação física no nordeste do Brasil. Pensar a Prática, Goiás, v. 12, n. 3, p. 1-17, 2009.

SPOHR, C.; FORTES, M.; ROMBALDI, A.; HALLAL, P.; AZEVEDO, M. Atividade física e saúde na Educação Física escolar: efetividade de um ano do projeto “Educação Física+”. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Pelotas, v. 19, n. 3, p. 300-13, 2014.

WHO. World Health Organization Physical. The use and interpretation of anthropometry. Geneva CH. WHO Technical Report 854, 1995. Disponivel em: . Acessado em: 15 de novembro de 2018.

WISÉN, A. G.; FARAZDAGHI, R. G.; WOHLFART, B. A. Novel rating scale to predict maximal exercise capacity. European Journal of Applied Physiology, Berlim, v. 87, n. 4-5, p. 350-57, 2002.

ZAGATTO, A. M.; PAPOTI, M.; GOBATTO, C. A. Validity of critical frequency test for measuring table tennis aerobic endurance through specific protocol. Journal of Sports Science & Medicine, Bursa, v. 7, n. 4, p. 461, 2008.

';