Ansiedade pré-competitiva em atletas das categorias de base: relato de experiência em campeonato brasileiro de judô

Jaqueline Puquevis de Souza, Cristina Costa Lobo, Carlos Leonardo dos Anjos, Luiz Felipe Mikulis Passareli

Resumo

Introdução: A ansiedade pré-competitiva constitui-se um dos temas mais estudados dentre os fatores psicológicos, para o desempenho em competições de alto rendimento. Quando se trata de categorias de base esta pressão pode ser maior, considerando a estrutura psíquica e a idade destes pequenos atletas. Objetivo: O objetivo deste relato é discutir teoricamente sobre os conceitos de estresse e ansiedade pré-competitiva, descrevendo uma experiência de aquisição de técnicas e comportamentos dos participantes por meio de um treinamento de habilidades mentais no dia da competição. Métodos: Este estudo foi realizado a partir das observações de quatro atletas entre 11 e 13 anos no Campeonato Brasileiro de Judô em 2018, após um período de sete meses de treinamentos de habilidades mentais, realizadas em um projeto de intervenção em Psicologia do Esporte. Resultados: Por meio de relatos e observações forma observados o uso de estratégias e técnicas para redução de ansiedade, utilizadas pelos quatro atletas participantes do projeto. Conclusão: Os resultados demonstraram que os fatores situacionais como sensações corporais somáticas e pensamentos disfuncionais, denotaram os principais modos como à ansiedade foi vivenciada por estas crianças. As técnicas aprendidas no treinamento mental vivenciado pelos atletas, foram aplicadas na competição e tiveram impacto positivo no controle das ansiedades cognitiva e somática.

Palavras-chave

ansiedade; judô; treinamento mental

Referências

BARLOW, DAVID H & DURAND, V. MARK. Psicopatologia: Uma abordagem integrada. Tradução: Galman, Roberto. São Paulo: CENAGE Learning, 2008.

BECKER JUNIOR, B. Manual de Psicologia do Esporte e Exercício. Novo Hamburgo, Feevale, 1999.

CORNELIAN, B.R. MOREIRA, J. OLIVEIRA, L.P.O. RAFAEL, M.C. Acupressão aplicada nas aulas de educação física do ensino fundamental II : estudo sobre os níveis de atenção em escolares. VIII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar. Maringá, 2013

CHENG,W.K.; HARDY, L., & MARKLAND, D. Toward a three-dimensional conceptualization of performance anxiety: Rationale and initial measure- ment development. Psychologyof Sport and Exercise, v. 10, p. 271–272, 2009. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/222945521_Toward_a_three-dimensional_conceptualization_of_performance_anxiety_Rationale_and_initial_measurement_development . Acessado em 01 de março de 2019.

DE ROSE JR., D. História e evolução da psicologia do esporte. Revista Paulista de Educação Física. São Paulo, 6(2): 73-78, jul/dez 1992.

DUARTE, V.M.N. Técnica de observação. Monografias Brasil escola. Disponível em . Acesso em: 23, set. 2018

FABIANI, M.T. Psicologia do esporte: A ansiedade e o estresse pré-competitivo. PUCPR. Disponível em: http://www.pucpr.edu.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/182_454.pdf .Acesso em: 17, abr. 2018.

GARCIA, E. Pesquisa bibliográfica versus revisão bibliográfica –uma discussão necessária. UNIOSTE. Cascavel, 2015.

GONÇALVES, E.P. Iniciação à pesquisa científica. Campinas, SP: Editora Alínea, 2001.

MCGRATH M, KAWACHI I, ASCHERIO A, COLDITZ GA, HUNTER DJ, DE VIVO I. Association between catechol-O-methyltransferase and phobic anxiety. Am J Psychiatry n.161, p.1703– 1705, 2004.

MARGIS, R. et al . Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul, PortoAlegre, v.25, n.1, p.65-74, abr.2003. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81082003000400008&lng=en&nrm=iso . Acesso em 02 de janeiro de 2019.

RESOLUÇÃO CFP Nº 02/01, 2001. Disponível em Acesso em: 17 abr. 2018.

RUBIO, K. Da psicologia do esporte que temos à psicologia do esporte que queremos. Rev. bras. psicol. esporte, São Paulo , v. 1, n. 1, p. 01-13, dez. 2007 . Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-91452007000100007&lng=pt&nrm=iso . Acessos em 19 de maio de 2019.

RUBIO, K. Uma psicologia do esporte: histórico e áreas de atuação e pesquisa. Psicol cienc. prof. Brasília, v. 19, n. 3, p. 60-69, 1999. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931999000300007&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 27 de abril de 2018.

SAMULSKI, D. Psicologia do esporte. Barueri,SP: Manole, 2002.

SCALA, C.T; KERBAUY, R.R. Autofala e esporte: estímulo discriminativo do ambiente natural na melhora de rendimento. Rev. bras. ter. comport. cogn., São Paulo,v.7, n.2, p.145-158,dez.2005. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452005000200002&lng=pt&nrm=iso . Acesso em: 23 de abril de 2019.

SCALA,C.T. Proposta de intervenção em psicologia do esporte. Rev.bras.ter.comport. cogn., São Paulo, v.2,n.1,p.53-59,jun.2000. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452000000100005&lng=pt&nrm=iso . Acesso em: 10 de fevereiro de 2019.

VIEIRA, L.F. Psicologia do esporte: uma área emergente da psicologia. Psicologia em Estudo, Maringá. 2010. v. 15, n. 2, p. 391-399, abr./jun. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v15n2/a18v15n2 . Acesso em: 17 de abril de 2019.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

WILLHELM, A.R. ; ANDRETTA, I.; UNGARETTI, M.S. Importância das técnicas de relaxamento na terapia cognitiva para ansiedade. Contextos Clínic, São Leopoldo , v. 8, n. 1, p. 79-86, jun.2015.Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-4822015000100009&lng=pt&nrm=iso . Acesso em: 13 maio de 2019.

http://orcid.org/0000-0002-7429-2881

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário
';