As mortes violentas e as políticas de controle na Tríplice Fronteira

Sandra Cristiana Kleinschmitt

Resumo

 O presente artigo tem por objetivo discutir a variação das taxas de mortes violentas e as políticas de controle na Tríplice Fronteira. O estudo traça um comparativo entre os três lados fronteiriços. No lado brasileiro foram implementadas três políticas de controle com perfis distintos, a partir da década de 1990: duas são políticas de urbanização e uma de operações policiais. A primeira política foi o projeto “Beira-Rio”, que promoveu a remoção das favelas que estavam nas barrancas do rio Paraná. Uma das consequências dessa política foi o aumento das taxas de letalidades em Foz do Iguaçu, especificamente entre os anos 1998 e 2006. A segunda política adotada no lado brasileiro foi a intensificação das forças de segurança para coibir o “circuito sacoleiro”. O resultado imediato dessa política foi o desencadeamento de uma série de mudanças nas práticas ilícitas, que se difundiram para toda a região. Como consequência, as taxas de letalidades de Foz do Iguaçu caíram a partir do ano de 2006, mas aumentaram nos municípios vizinhos. A terceira política de controle está em desenvolvimento e diz respeito ao projeto “Beira Foz”, que ganhou apoio da Itaipu Binacional e dos governos estadual e federal. No lado argentino e no lado paraguaio, as políticas de urbanização não influenciaram no comportamento das letalidades em seus respectivos lados.

Palavras-chave

Mortes violentas; políticas de controle; Tríplice Fronteira; Estudo comparativo.

Texto completo:

PDF