POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE E CAMPANHAS DE PREVENÇÃO À AIDS: RESGATANDO ALGUMAS CONTROVÉRSIAS ENFRENTADAS NAS DÉCADAS DE 1980 E 1990.

Preciliana Barreto de Morais, Rosendo Freitas de Amorim

Resumo

O presente estudo aborda como durante a década de 1980 e 1990 os incômodose controvérsias gerados na constatação da AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida)como doença e os conflitos entre os grupos profissionais responsáveis – médicos epublicitários - pela produção de saber, tratamento e divulgação da patologia, resultam emcampanhas que apresentam como marca enunciativa central elementos discursivos,simultâneos, de reconhecimento e interdição das práticas sexuais. Diante de tal dinâmica, ascampanhas de combate a AIDS assumem um caráter predominantemente informativo sobreo uso da camisinha. A idéia de prevenção é atenuada pela polissemia de mensagens eimagens e por uma apresentação padronizada do preservativo. Tal proposta resulta natransmissão de anúncios ambíguos, contraditórios e reducionistas, direcionados,prioritariamente, para o público heterossexual masculino, consolidando e questionando, aomesmo tempo, os comportamentos tradicionais de gênero e quase não se pronunciandosobre o público homossexual e bissexual. Esse direcionamento condiz com a lógica doimaginário social tradicional e compromete a própria divisão clássica, e ainda contemporânea,da Medicina sobre as orientações sexuais – hétero, homo e bissexual, reafirmando, claramente,antigos preconceitos. Diante deste quadro, as campanhas da AIDS transmitem uma informaçãoque exime o receptor, tanto de pensar a AIDS como uma doença epidêmica e grave, como dese prevenir contra ela.

Palavras-chave

Políticas Públicas; AIDS; Saúde; Campanhas de Prevenção.

Texto completo:

PDF