O SILÊNCIO COMO MANIFESTO DE EXPRESSÃO NA LITERATURA PARAGUAIA DE RENÉE FERRER

Ana Maria Klock

Resumo

Este trabalho se debruça, à luz dos estudos pós-coloniais e da crítica feminista, sobre as personagens silenciadas do romance híbrido de história e ficção, Vagos Sin Tierra (2007), da escritora paraguaia Renée Ferrer, sob o intuito de abordar um aspecto na obra em questão: a dupla violência sofrida pela mulher gerada tanto pelo patriarcalismo, enquanto sistema sociopolítico, quanto pelos efeitos da colonização. Com pano de fundo no contexto dos conflitos campesinos no Paraguai do século XIX, a narrativa estabelece um diálogo tanto com o passado quanto com o presente ao tratar de dois temas pertinentes ao universo latino-americano, um relacionado ao conflito da terra e outro à condição da mulher inserida nesse universo, problemáticas que ainda são evocadas no presente pela força da sua representação. Desse modo, objetiva-se analisar a obra da escritora tendo em conta o passado colonial do Paraguai e o espaço ocupado pela mulher neste contexto, resgatada no tempo presente pela literatura que indaga e ressignifica a sua condição e o seu papel na história.

Palavras-chave

LITERATURA PARAGUAIA, AUTORIA FEMININA, RESISTÊNCIA.

Texto completo:

PDF