A leitura no ambiente prisional

Maria de Lourdes Custódio de Faria, Valdeci Batista de Melo Oliveira

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar o Projeto Remição Da Pena Por Estudo Através Da Leitura desenvolvido nas penitenciárias do Estado do Paraná. Para este artigo fez-se um recorte do projeto na penitenciária específica onde à pesquisadora leciona. Esse projeto de incentivo à leitura iniciou-se em 2012, permanecendo até os dias atuais. Propõe-se uma reflexão quanto à necessidade da educação dentro do ambiente prisional, ressaltando-a como um direito pleno do ser humano, especialmente os privados de liberdade. Esse projeto tem relevante importância para os detentos, pois muito além da remição da pena, ele estimula a criação do hábito da leitura dentro das unidades penais de todo o estado do paraná, com vistas à reconstrução da identidade pessoal do preso, capaz de ajudá-lo no resgate da sua autoestima. Com a leitura, o preso dá sentido aos seus momentos ociosos, desenvolve sua capacidade leitora, aprimora sua escrita, amplia seu universo linguístico, imagético e vocabular, ou seja, descobre e atua na produção de condições de possibilidades de ver e pensar sua própria identidade, construindo novos conceitos, adquirindo outros perceptos pelo viés da literatura, cujo caráter emancipador é apresentado e discutido por diversos teóricos. Para sustentar os argumentos postos, recorremos a autores como: Paulo Freire (1983), Afrânio Coutinho (1978), Antonio Candido (1972, 1995), Cristina Costa (1997), Magda Soares (1989), entre outros. Nesse artigo apresentamos quem são os sujeitos privados de liberdade, seu nível de escolarização e apontamos algumas questões encontradas no desenvolvimento do projeto.


Palavras-chave


Literatura; leitura; ambiente prisional.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Justiça. DEPEN. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. CNJ divulga dados sobre nova população carcerária brasileira, de 05/06/2014. Disponível em: . Acesso em: 26 de julho de 2015.

BRASIL. Lei 17.329/2012, de 08 de outubro de 2012. Publicado no Diário Oficial nº. 8814 de 8 de outubro de 2012. Disponível em: http://www.legislacao.pr.gov.br/legislacao/pesquisarAto.do?action=exibir&codAto=77830. Acesso em: 06 maio 2015.

BRASIL. Lei de execução Penal nº 7.210 de julho de 1984. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2016.

BRASIL. Lei de Execução Penal. Portaria 276/12. Ministério da Justiça. Lei Federal nº 12.433, de 29 de junho de 2011. Disponível em: . Acesso em 06 maio 2015.

CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. Ciência e Cultura: São Paulo, 1972.

CANDIDO, Antonio. O direito a literatura. In: Vários Escritos. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2012.

COSTA, Cristina. Sociologia: introdução à ciência das sociedades. São Paulo: Moderna, 1997.

COUTINHO, Afrânio. Notas de teoria literária. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

LLEDÓ, Emilio. La voz de la lectura. Cuadernos de Literatura infantil y juvenil, v. 63, p. 7-16, 1994.

LLOSA. Mario Vargas. Em defesa do romance. Revista Piauí, Rio de Janeiro, ano 4, n. 37, p. 64-69, out. 2009.

MIRABETE, Júlio Fabrini. Execução penal: comentários à Lei nº 7.210, de 11.07.1984. 9. ed. atual. São Paulo: Atlas. 2000.

PARANÁ. Plano Estadual de Educação no Sistema Prisional do Paraná. Projeto de Lei nº 365/12. Assembleia Legislativa do Estado do Paraná. Poder Legislativo. 2012.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania. Conselho Penitenciário do Estado do Paraná. Conselheiro do Conselho Penitenciário do Estado Henrique Camargo Cardoso. Curitiba, 17 de julho de 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2015.

PEREIRA, Ana Dilma de Almeida. XXI Jornada de Estudos Linguísticos, 2006.

RESENDE, Vania Maria. Literatura Infanto-Juvenil. Vivências de leitura e expressão criadora. Rio de Janeiro: Saraiva, 1993.

SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 7. ed. São Paulo: Ática, 1989.




Direitos autorais 2016 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.