A LEITURA NO AMBIENTE PRISIONAL

Maria de Lourdes Custódio de Faria, Valdeci Batista de Melo Oliveira

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar o Projeto Remição Da Pena Por Estudo Através Da Leitura desenvolvido nas penitenciárias do Estado do Paraná. Para este artigo fez-se um recorte do projeto na penitenciária específica onde à pesquisadora leciona. Esse projeto de incentivo à leitura iniciou-se em 2012, permanecendo até os dias atuais. Propõe-se uma reflexão quanto à necessidade da educação dentro do ambiente prisional, ressaltando-a como um direito pleno do ser humano, especialmente os privados de liberdade. Esse projeto tem relevante importância para os detentos, pois muito além da remição da pena, ele estimula a criação do hábito da leitura dentro das unidades penais de todo o estado do paraná, com vistas à reconstrução da identidade pessoal do preso, capaz de ajudá-lo no resgate da sua autoestima. Com a leitura, o preso dá sentido aos seus momentos ociosos, desenvolve sua capacidade leitora, aprimora sua escrita, amplia seu universo linguístico, imagético e vocabular, ou seja, descobre e atua na produção de condições de possibilidades de ver e pensar sua própria identidade, construindo novos conceitos, adquirindo outros perceptos pelo viés da literatura, cujo caráter emancipador é apresentado e discutido por diversos teóricos. Para sustentar os argumentos postos, recorremos a autores como: Paulo Freire (1983), Afrânio Coutinho (1978), Antonio Candido (1972, 1995), Cristina Costa (1997), Magda Soares (1989), entre outros. Nesse artigo apresentamos quem são os sujeitos privados de liberdade, seu nível de escolarização e apontamos algumas questões encontradas no desenvolvimento do projeto.

Palavras-chave

literatura; leitura; ambiente prisional.

Texto completo:

PDF