Da estrada ao mergulho: o sertão contemporâneo de Viajo porque preciso, volto porque te amo.

Márcia Vanessa Malcher dos Santos

Resumo


Este trabalho propõe uma análise do filme Viajo porque preciso, volto porque te amo (Karim Aïnouz; Marcelo Gomes, 2010), que se passa no sertão, tema historicamente herdado da literatura e que se tornou também central para o cinema nacional. O objetivo é mapear como as formas de tempo e espaço estão assimiladas no longa. Para isso, baseia-se no conceito de cronotopo, cunhado por Mikhail Bakhtin. A análise propõe que o filme de Marcelo Gomes e Karim Ainouz atualiza o tema ‘sertão’ e demonstra aspectos relevantes da visão de homem na contemporaneidade. 

Palavras-chave


Literatura; cinema; Arte e Comunicação

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Formas de tempo e de Cronotopo no Romance (Ensaios de poética histórica). In:____. Questões de Literatura e de Estética: a Teoria do Romance. 5 ed. São Paulo: Editora Hucitec Annablume, 2002, p. 211-362.

BERNARDET, Jean-Claude. Blog do Jean-Claude. UOL, 10 de maio de 2010. Disponível em: < http://jcbernardet.blog.uol.com.br/>. Acesso em: 14 de maio. 2017.

BRANDÃO, Alessandra. Viagens, passagens, errâncias: notas sobre certo cinema latino-americano na virada do século XXI. Revista Brasileira de estudos de cinema e audiovisual (Rebeca), ano 1, número 1, 2012, p. 72- 98, jan./jun. 2012. Disponível em: . Acessado em: 14 de maio. 2017.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

GALVÃO, Maria Rita; BERNARDET, Jean-Claude. O nacional e o popular na cultura brasileira - Cinema: repercussões em caixa de eco ideológica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

GAUDREAULT, André; JOST, François. A narrativa cinematográfica. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: Uma Pesquisa sobre as origens da Mudança Cultural. 20 ed. Edições Loyola, 2010.

JAMESON, Frederic. A lógica cultural do capitalismo tardio. In:____. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2 ed. São Paulo: Editora Ática, 1997.

MÜLLER, Adalberto. Cinema (de) novo, estrada, sertão: notas para (se) pensar Cinema, aspirinas e urubus. Revista LOGOS 24: cinema, imagens e imaginário. Ano 13, p. 1-7, 1º semestre 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 de maio. 2017.

NAGIB, Lucia. A utopia no cinema brasileiro. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

PELLEGRINI, Tânia. Narrativa verbal e narrativa visual: possíveis aproximações. In: AGUIAR, Flávio. et al. Literatura, cinema e televisão. São Paulo: Ed. SENAC: Instituto Itaú Cultural, 2003.

RIDENTI, Marcelo. Intelectuais e romantismo revolucionário. São Paulo em Perspectiva, vol.15, n.2, 2001, p. 13-19, abr. 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392001000200003>. Acessado em: 14 de jun. 2017.

TELES, Gilberto Mendonça. O Lu(g)ar dos sertões. In: Fernandes, Rinaldo de (org). O Clarim e a oração: cem anos de Os Sertões. São Paulo: Geração editorial, 2002.

VIANA, Irma. A escrita da nação no grande sertão de Guimarães Rosa. Baleia na Rede – Revista online do Grupo Pesquisa em Cinema e Literatura da Unesp. São Paulo, vol.1, n.6, p.236-259, dez. 2009.




Direitos autorais 2017 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.