Mulheres anarquivadas: testemunho, violência e condição feminina em Nossa senhora do nilo, de Scholastique Mukasonga

Pilar Lago e Lousa

Resumo


O liceu Nossa Senhora do Nilo prepara a elite feminina do Ruanda para assumir seu papel na sociedade. As disputas discursivas, ideológicas e culturais revelam relações de poder opressivas, em que a minoria cotista tutsi é constantemente humilhada por suas colegas Hutus. Em um país marcado pela violência e pelas diferenças étnico-raciais, Scholastique Mukasonga procura dar voz à memória até então obliterada pela prática genocidária. Ao desvelar o dia a dia das alunas, a autora constrói uma narrativa que tensiona o ambiente privado como reflexo de uma sociedade excludente. O teor testemunhal da obra anarquiva esses corpos femininos a fim de revelar uma experiência outra não contemplada pelos processos de reelaboração da memória oficial. Um mosaico de vozes, polifônico e plural, problematiza temáticas como virgindade, feminilidade, violência, estupro, abuso sexual e relações de poder, que também são pautadas por questões de raça e classe. O objetivo deste estudo é fazer uma análise crítica do livro Nossa Senhora do Nilo (2017), de Scholastique Mukasonga, a fim de evidenciar a condição feminina na obra. O processo investigativo se dará sob a perspectiva dos estudos de gênero e os estudos da memória. Para tal, serão utilizados os arcabouços teóricos de Bernard Bruneteau (2006), Catherine Coquio (2004), Geoffrey Hartman (2000), Hélène Piralian (2000), Mahmood Mamdani (2001), Michelle Perrot (2003; 2017), Rebecca Solnit (2017).


Palavras-chave


Estudos de gênero; Memória; Literatura de língua francesa

Texto completo:

PDF

Referências


BRUNETEAU, Bernard. El etnicismo genocida posterior a la guerra fría y el nacimiento de una jurisdicción interacional permanente. In: BRUNETEAU, Bernard. El siglo de los genocídios. Tradução de Florencia P. Tubert e Hugo G. Fernández. Madri: Alianza Editorial, 2006. p. 227-240

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In.: Ashoka Empreendimentos Sociais; Takano Cidadania (Orgs.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, 2003, p. 49-58.

CHRÉTIEN, Jean-Pierre. Un <> au Rwanda? Image ou logique d’un génocide. Vingtiène siècle. Revue d’histoire, nº 48, out. 1995, p. 131-142.

COQUIO, Catherine. Le réel et les récits. Paris: Belin, 2004.

GROSZ, Elizabeth. Corpos Reconfigurados. Trad. Cecilia Holtermann. Cadernos Pagu, Campinas, n. 14, p. 45-86, jan-jun 2000. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635340 Acesso em: 31 ago. 2017.

HARTMAN, Geoffrey H. Holocausto, testemunho, arte e trauma. Tradução de Cláudia Valladão Mattos. In: NESTROVISK, Arthur; SELIGMANN-SILVIA, Márcio. Catástrofe e Representação. São Paulo: Escuta, 2000. p. 207-235.

HATZFELD, Jean. Uma temporada de facões. Tradução de Rosa Freire d`Aguiar. São Paulo: Companhia das letras, 2005.

JÉRONIMO. Miguel Bandeira. Revisitando os lutos inacabados do império. In: RIBEIRO, António Sousa; RIBEIRO, Margarida Calafate. Geometrias da memória: configurações pós-coloniais. Porto: Edições Afrontamento, 2016. p. 61-94

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da Sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010, p. 7-34.

MAMDANI. Mahmood. When victmis become killers: Colonialismo, Nativism and Genocide in Rwanda. New Jersey: Princeton University Press, 2001.

MUKASONGA, Scholastique. Baratas. Tradução de Elisa Nazarian. São Paulo: Nós, 2018.

MUKASONGA, Scholastique. Nossa senhora do Nilo. Tradução de Marília Garcia. São Paulo: Nós, 2017.

NICHANIAN, Marc. The historiografic perversion. Tradução de Gil Anidjar. New York: Columbia University Press, 2009.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Tradução de Ângela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2017.

PERROT, Michelle. Os silêncios do corpo da mulher. Tradução de Luiz Antônio Oliveira de Araújo. In: MATOS, Maria Izilda Santos de; SOIHET, Rachel (orgs). O corpo feminino em debate. São Paulo: Editora da Unesp, 2003. pp. 13-28.

PIRALIAN, Hélène. Genocidio y transmisión. Tradução de Horacio Pons. Buenos Aires: Fundo de Cultura Económica de Argentina, 2000.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: A questão dos testemunhos de Catástrofes históricas”. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n.1, 2008, p. 65-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pc/v20n1/05 . Acesso em 02 abr. 2018.

SOLNIT, Rebecca. A mãe de todas as perguntas: reflexões sobre os novos feminismos. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das letras, 2017.




Direitos autorais 2018 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.