Educação audiovisual da sexualidade: uma proposta metodológica para análise e estudo de imagens e sons

Ricardo Desidério da Silva

Resumo


Considerando que as imagens educam e estão imersas em nosso cotidiano, elas nos possibilitam uma variedade de significados. Significados estes que nos submetem a uma reflexão de qual seria sua relação com a educação. Todo vídeo é educativo? Como podemos ir além de um olhar simplista daquilo que as imagens e sons representam? Como (re)significar os seus sentidos? Essas e tantas outras possíveis questões nos levam a pensar sobre sua utilização no ambiente escolar, uma vez que a mesma poderá trazer contribuições muito relevantes para o processo de ensino e aprendizado do aluno, principalmente quando atrelado à temática da sexualidade. Neste sentido, o texto tem como objetivo apresentar uma proposta de análise para os trabalhos que serão desenvolvidos em projetos de Educação Sexual na escola a partir do estudo de imagens e sons. Trata-se de uma alternativa metodológica que não se limita em seu uso, podendo ser adequada a quaisquer outros métodos específicos que se pretenda utilizar em seu trabalho e/ou sua pesquisa. Espera-se ainda, que esta proposta possibilite novas abordagens com o propósito de analisar imagens e sons. 


Palavras-chave


Audiovisual; análise; imagens; sexualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Milton José. Imagens e sons: a nova cultura oral. 3 ed., São Paulo: Cortez, 2004.

ALMEIDA, Milton José. Cinema: arte da memória. Campinas, SP: Autores Associados, 1999a.

ALMEIDA, Milton José. Educação Visual da Memória: Imagens Agentes do Cinema e da Televisão. Pró-Posições, v. 10, n. 2, 29. ed., jul. 1999b.

BAHIANA, Ana Maria. Como ver um filme. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Trad. Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro Lisboa. Lisboa: Edições 70, 2007.

BORGES, Matheus Zaffani; DESIDÉRIO, Ricardo. Gênero, sexualidade e (des)educação na série “(Des)encantato”, de Matt Groening. In: DESIDÉRIO, Ricardo (org). Sexualidade em cena: discursos midiáticos e suas múltiplas leituras. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019. p. 147-168.

BRUZZO, Cristina. O cinema na escola: o professor, um espectador. Tese de doutorado. Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

BRUZZO, Cristina. O documentário na sala de aula. Revista Ciência & Ensino, v. 4, 1998.

CARRINO, Adalto Luiz; DESIDÉRIO, Ricardo; GIROTO, Claudia Regina Mosca. Adolescência, mídia e sexualidade: o discurso do episódio “bye” na série “13 reasons why”. In: DESIDÉRIO, Ricardo (org). Sexualidade em cena: discursos midiáticos e suas múltiplas leituras. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019. p. 41-62.

COUTINHO, Laura Maria. O estúdio de televisão e a educação da memória. Brasília: Plano Editora, 2003.

COUTINHO, Laura Maria. Audiovisuais: arte, técnica e linguagem – 60h. Brasília: Universidade de Brasília, 2006.

DE CARLI, Ana Mery Sehbe. O corpo no cinema: variações do feminino. Caxias do Sul, RS: Educs, 2009.

DESIDÉRIO, Ricardo (org). Sexualidade em cena: discursos midiáticos e suas múltiplas leituras. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

DESIDÉRIO, Ricardo (org). Reflexões sobre a sexualidade nos espaços midiáticos. Londrina: Syntagma Editores, 2018.

FERRARI, Anderson. “Politicamente silenciosa”: cinema e a formação ética-estética dos sujeitos. In: FERRARI, Anderson; CASTRO, Roney Polato de (Orgs.). Política e poética das imagens como processos educativos. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2012.

FIORINI, Jessica Sampaio; RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal; DESIDÉRIO, Ricardo. Gênero, sexualidade e mídia: contribuições para educação sexual na infância. In: DESIDÉRIO, Ricardo (org). Reflexões sobre a sexualidade nos espaços midiáticos. Londrina: Syntagma Editores, 2018. p. 16-39.

MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque; COPPOLA, Gabriela Domingues; RIGOTTI, Gabriela Fiorin. A educação pelo cinema. Rev. Educação e Cinema, Unicamp: SP, p. 02, 2005.

MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque. Reflexões de um Tempo e Diligências para Metodologias de Estudo de Imagens em Educação. Revista Educação & Realidade, v. 33, nº1, pp. 99-115, jun/jun, 2008.

MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque. A fisiognomonia de Charles Le Brun – a educação da face e a educação do olhar. Pro-posições. Campinhas, vol. 16, n. 2 (47), p. 15-35, maio/ago. 2005.

MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque. Uma educação do olho: as imagens na sociedade urbana, industrial e de mercado. Caderno Cedes, Campinas, n. 54, p. 28-40, ago. 2001.

MORENO, Montserrat. Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. Trad. Ana Venite Fuzatto. São Paulo: Moderna; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1999.

OLIVEIRA JR., Wencesláo Machado. Chuva de cinema: natureza e cultura urbanas. Tese de doutorado em Educação. Campinas, SP: Unicamp, 1999.

OLIVEIRA JR., Wencesláo Machado. Poder e ternura: a educação dos sentidos nas sexualidades do filme Amarelo Manga. In: DESIDÉRIO, Ricardo; CAMARGO, Hertz Wendel de (Orgs.). Mídia, Educação e Sexualidade. Londrina, PR: Syntagma Editores, 2011.

PASOLINI, Píer Paolo. Empirismo herege. Lisboa: Assírio e Alvim, 1982.

PASOLINI, Píer Paolo. Gennariello: a linguagem pedagógica das coisas. In: LAHUD, Michel (Org.) Os jovens infelizes: Antologia de ensaios Corsários. São Paulo: Brasiliense, 1990.

SILVA, Ricardo Desidério. Educação Audiovisual da Sexualidade: olhares a partir do Kit Anti-Homofobia. 2015, 144 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara-SP, 2015.

SANTOS, Guilherme Gomes dos; DESIDÉRIO, Ricardo. Badoo: uma análise dos perfis pessoais em uma rede de relacionamentos. In: DESIDÉRIO, Ricardo (org). Sexualidade em cena: discursos midiáticos e suas múltiplas leituras. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019. p. 63-78.

TEIXEIRA, Inês Assunção de Castro; LOPES, José de Sousa Miguel (Orgs). A escola vai ao cinema. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.




Direitos autorais 2020 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.