Concepções de discurso na Análise do Discurso Ecossistêmica

Eliane Marquez da Fonseca Fernandes

Resumo


Este artigo discute como se dá a concepção de discurso na disciplina Análise do Discurso Ecológica. O objetivo principal é cotejar os pressupostos da teoria sociológica do Círculo de Bakhtin (Bakhtin, Medvedev e Volochínov) em suas noções de interação, dialogismo, ideologia do cotidiano e discurso. Esses conceitos na perspectiva sociológica consideram os enunciados das comunicações humana como marcados pelos valores axiológicos do contexto sócio-histórico. No discurso, estudado pela Análise do Discurso Ecossistêmica, a interação promove conexão entre os meios ambientes Natural, Social e Mental em consonância entre si para gerar sentidos. O paralelo permite observar como a perspectiva ecológica também vibra dinamicamente, promovendo conexões de sentidos. As bases teóricas são as teorias sociológicas dos pensadores russos do Círculo de Bakhtin em comparação com os pressupostos da Linguística Ecossistêmica, usando artigos de Couto & Couto (2015). A pesquisa é qualitativa e traz uma discussão teórica de viés bibliográfico. Consideramos que as duas teorias estão marcadas por um dinamismo constante e que a perspectiva ecológica já existia em tamanho menor na teoria sociológica. 


Palavras-chave


Discurso; teoria sociológica; ecolinguística; dinamismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad: P. Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

COUTO, Hildo Honório do. Linguística Ecossistêmica. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem, v. 01, n. 01, p. 47-81, 2015. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/9978/8810: Acesso em: 2 mar. 2020.

COUTO, Hildo Honório do; COUTO, Elza Kioko N. do . Por uma Análise do Discurso Ecológica. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem, v. 01, n. 01, p. 82-104, 2015. Disponível em < https://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/9978/8810> acesso em 2 de março de 2020.

FILL, Alwin F. Ecolinguística: a história de uma ideia verde para o estudo da linguagem. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem, v. 01, n. 01, p. 07-21, 2015. Disponível em < https://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/9978/8810> acesso em 2 de março de 2020.

GONSALES, Fernando. Niquel náusea. 2011. Disponível em https://www.google.com/search?q=gonsales+sereia&client=firefox-b-d&sxsrf=ALeKk02bxzznCAmn-JtrcfZcX32IHuM62w:1583079232602&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=2ahUKEwig173a1fnnAhU7H7kGHYAjBmMQ_AUoAXoECAsQAw&biw=1354&bih=626#imgrc=K4T4. Acesso em 28 de fevereiro de 2020.

VIGOTSKI, Lev. S. A Formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VOLOCHÍNOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad: S. Grillo e E. Américo. São Paulo: Editora 34, 2017).




Direitos autorais 2020 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.