ABRIR PROMETEU (OU ANOTAÇÕES DA SOMBRA À LUZ)

Artur de Vargas Giorgi

Resumo


As imagens de Prometeu – figura mitológica que conduziu a luz dos deuses aos homens, e que por isso foi severamente punida por Zeus, tendo o seu fígado incessantemente devorado por um abutre – devem ser lidas exatamente desta maneira: enquanto imagens. O que implica pensar os eventos em que Prometeu aparece a partir da abertura que caracteriza as imagens em geral, mas incisivamente a do próprio Prometeu: por meio não apenas da aparência, do que se doa, brilhante, em promessa, mas igualmente por meio da aparição dos vestígios que operam como sintomas do desfazimento do corpo da imagem – por meio do que rasga a imagem na carne e a expõe. Nesse sentido, poemas de León Felipe, de Castro Alves e de Murilo Mendes, trabalhando a imagem de Prometeu, se abrem para a leitura.

Palavras-chave


Prometeu; Imagem; Abertura; Corpo; Carne.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2010 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.