TRATAMENTO DE EFLUENTES DE HOSPITAL VETERINÁRIO POR MEIO DO USO DE BIODISCOS

Autores

  • Anna Carolina Maldaner Angnes
  • Daniel Schwantes
  • Giovani Bordiguini Bordin
  • Jéssica Cristina Poppi

DOI:

https://doi.org/10.48075/actaiguaz.v5i5.15987

Resumo


O Hospital Veterinário da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, campus Toledo, apresenta um sistema de esgoto contendo fossas sépticas para os efluentes oriundos de banheiros, cozinha, lavagem de salas, centro cirúrgico, lavagem do piso onde ficam alguns animais e onde acontecem aulas práticas. Todas as substancias químicas são descartadas em recipientes específicos para cada tipo. Com tudo, o objetivo do estudo é avaliar o desempenho de um protótipo de biodiscos aplicado no tratamento dos efluentes. Diante disso o trabalho foi realizado no laboratório de Análises Ambientais da Pontifícia Universidade Católica do Paraná Campus Toledo-PR onde foi desenvolvido um sistema de tratamento de efluente com reator de biodiscos, em escala laboratorial. A unidade piloto consiste em um recipiente contendo um conjunto de discos de policloreto de vinila (PVC), dispostas em paralelo, formando um cilindro, que, suportadas por um eixo central, são ligadas a um motor de 12 W que promove a rotação do conjunto. O mesmo ficou em operação constante durante 8 dias, e não apresentou falhas construtivas. Os materiais escolhidos para os discos foram manta abrasiva e PVC, os quais se mostraram eficientes, entretanto a manta abrasiva destacou-se na avaliação da maioria dos parâmetros como N, P e DQO. No tratamento com PVC, apresentou boa remoção em alguns parâmetros, apesar de não visualizar presença de microrganismos e bactérias (biofilme) aderidas no mesmo.

 

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

MALDANER ANGNES, A. C.; SCHWANTES, D.; BORDIGUINI BORDIN, G.; POPPI, J. C. TRATAMENTO DE EFLUENTES DE HOSPITAL VETERINÁRIO POR MEIO DO USO DE BIODISCOS. Acta Iguazu, [S. l.], v. 5, n. 5, p. 218–234, 2000. DOI: 10.48075/actaiguaz.v5i5.15987. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/15987. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS CIENTÍFICOS