ENSAIO COMPARATIVO ENTRE DOIS CULTIVARES DE MILHO SUBMETIDOS A DIFERENTES ARRANJOS DE PLANTAS

Autores

  • Toshik Iarley da Silva
  • Antônia Gorete da Silva Galdino
  • Laudeline Dantas Santana
  • Felipe Thomaz da Câmara
  • Antônio Carlos Leite Alves
  • Johny de Souza Silva

DOI:

https://doi.org/10.48075/actaiguaz.v6i1.16550

Resumo


Dentre os cereais cultivados no Brasil, o milho é o mais expressivo, sendo utilizado para a alimentação humana e animal. O presente trabalho objetivou avaliar duas cultivares de milho submetidas a diferentes arranjos espaciais para produção de silagem. O experimento foi realizado no Centro de Ciências Agrárias e da Biodiversidade da Universidade Federal do Cariri no período de setembro a dezembro de 2015. Foi utilizado o delineamento em blocos casualizados em esquema fatorial 2 x 3 com quatro repetições, totalizando 24 observações. O primeiro fator foram duas cultivares (AG 1051 e Crioula) e o segundo foi o arranjo de plantas (A1, A2 e A3). O arranjo A1 foi realizado deixando-se uma planta a cada a cada 20 cm. O arranjo A2 foi realizado com duas plantas a cada 40 cm. E o arranjo A3 com três plantas a cada 60 cm. As variáveis analisadas foram: altura de planta, número de espigas por planta, massa seca por espiga, número de espigas por planta, massa seca dos colmos, das folhas, das espigas e total, porcentagem de colmos, folhas e espigas na massa seca. Nas condições avaliadas, a cultivar crioula e o arranjo A1 com uma planta a cada 20 cm apresentaram valores superiores para a produção de silagem na região do Cariri cearense.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

IARLEY DA SILVA, T.; GORETE DA SILVA GALDINO, A.; DANTAS SANTANA, L.; DA CÂMARA, F. T.; LEITE ALVES, A. C.; DE SOUZA SILVA, J. ENSAIO COMPARATIVO ENTRE DOIS CULTIVARES DE MILHO SUBMETIDOS A DIFERENTES ARRANJOS DE PLANTAS. Acta Iguazu, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 14–22, 2000. DOI: 10.48075/actaiguaz.v6i1.16550. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/16550. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS CIENTÍFICOS