Crescimento e etiologia do agente causal da antracnose em morangueiro

Autores

  • Lana Paola da Silva Chidichima Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Marcia de Holanda Nozaki Professora do curso de Agronomia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, campus Toledo.
  • Camila Hendges Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste, campus Marechal Candido Rondon
  • Wanderley Lulu Gaias Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Campus Toledo

DOI:

https://doi.org/10.48075/actaiguaz.v7i4.17459

Resumo


Resumo: O objetivo do presente trabalho foi estudar a etiologia do fungo Colletotrichum acutatum, caracterizando isolados quanto ao seu desenvolvimento em diferentes condições. Foram realizados quatro ensaios com delineamento experimental inteiramente casualizado, desenvolvidos no laboratório de Fitopatologia da PUCPR, campus Toledo. O primeiro, de diferentes meios de cultura composto pelos tratamentos: BDA, ágar + água, ágar nutriente, ágar + folhas, ágar + polpa e ágar + aveia, com quatro repetições cada. Após o período luminoso, com os tratamentos: contínua à luz, exposição alternada e escuro contínuo, com nove repetições. Em seguida, o ensaio de pH, constituído por: 4,0; 5,0; 6,0; 7,0 e 8,0 com cinco repetições. E, o ensaio de temperatura, com os tratamentos 20 °C, 25 °C e 30°C, com dez repetições. Após a solidificação do meio de cultura em cada ensaio, foram transferidos discos miceliais para a placa de Petri, mantidas em condições especificas de cada ensaio proposto e avaliados crescimento micelial e número de esporos. Isolados de Colletotrichum acutatum apresentaram desenvolvimento superior em meio ágar + aveia, luminosidade alternada e 25°C. O pH do meio não influenciou no crescimento. Desta forma, conhecendo os aspectos etiológicos do fungo é possível determinar o método de controle para a doença.

 

Biografia do Autor

Lana Paola da Silva Chidichima, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Graduanda do décimo período, noturno, do curso de Agronomia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR, com previsão de conclusão em 2017. Estagiária pela Fundação Universitária de Toledo no Aquário Municipal de Toledo no período de 02/01/2014 à 30/04/2014. Programa PIBIC- ICV com o projeto intitulado “ Interferência das épocas de semeadura do Crambe sobre o índice de área foliar e acúmulo de massa de matéria seca”, (08 /2014 a 07/ 2015). Programa PIBIC – Bolsa Fundação Araucária, com o projeto intitulado “ Efeitos antibacteriano dos extratos hidroalcoolicos de tiririca sobre Xanthomonas oxonopodis pv. Phaseoli”, (08/2015 a 07/2016). Programa PIBIC – Bolsa PUCPR, com o projeto intitulado “Crescimento e etiologia de colletotrichum acutatum, agente causal da antracnose do morangueiro”, (08/2016 a 07/2017).

Camila Hendges, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste, campus Marechal Candido Rondon

Mestranda em Produção Vegetal - Unioeste

Wanderley Lulu Gaias, Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Campus Toledo

Graduando do décimo período do curso de Agronomia da PUCPR - Campus Toledo

Downloads

Publicado

25-01-2019

Como Citar

DA SILVA CHIDICHIMA, L. P.; DE HOLANDA NOZAKI, M.; HENDGES, C.; LULU GAIAS, W. Crescimento e etiologia do agente causal da antracnose em morangueiro. Acta Iguazu, [S. l.], v. 7, n. 4, p. 24–34, 2019. DOI: 10.48075/actaiguaz.v7i4.17459. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/17459. Acesso em: 29 jun. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS CIENTÍFICOS