Períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do crambe cultivado em Rio Verde, GO

Autores

  • Renan Jesus de Sousa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde
  • Leandro Spíndola Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde
  • Deborah Amorim Martins Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde
  • Gustavo Dorneles de Sousa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde
  • Adriano Jakelaitis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde

DOI:

https://doi.org/10.48075/actaiguaz.v7i3.17629

Palavras-chave:

Matocompetição, Crambe abyssinica, planta oleaginosa.

Resumo


Objetivou-se neste trabalho identificar os períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do crambe (Crambe abyssinica Hochst) cultivado em Rio Verde, GO. Dois ensaios foram conduzidos simultaneamente sendo que no primeiro a cultura permaneceu livre da competição com plantas daninhas desde a emergência até os 0; 7; 14; 21; 28; 35; 42; 49 e 89 dias. No segundo a cultura permaneceu em competição com a comunidade infestante pelos mesmos períodos citados no primeiro ensaio. O delineamento utilizado foi de blocos ao acaso, com quatro repetições. A espécie daninha Alternanthera tenella foi a de maior importância devido as altas frequencias, densidades e dominância relativas. A massa de mil grãos de crambe não foi afetada pela interferência da comunidade infestante. O rendimento de grãos do crambe foi afetado pela convivência com as plantas daninhas. O período anterior à interferência (PAI) foi desde a emergência até 37 dias após a emergência e o período total de prevenção à interferência (PTPI) foi da emergência até 60 DAE. O período crítico de prevenção da interferência situou-se entre os 37 e 60 DAE. Neste período até 60 DAE a convivência das plantas daninhas com o crambe ocasionou diminuição no rendimento da cultura por competição pelos recursos do meio.

Biografia do Autor

Adriano Jakelaitis, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde

Possui graduação em Agronomia (1997), Mestrado (2001) e Doutorado (2004) em Fitotecnia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). É docente e pesquisador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano (IF Goiano) Campus de Rio Verde na área de Fitotecnia. Atua em linhas de pesquisa referentes à ciência das plantas daninhas, sistemas integrados de cultivo (plantio direto e integração agricultura pecuária) e técnicas culturais aplicadas em culturas alimentícias e agroenergéticas.

Downloads

Publicado

18-10-2018

Como Citar

SOUSA, R. J. de; PEREIRA, L. S.; MARTINS, D. A.; SOUSA, G. D. de; JAKELAITIS, A. Períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do crambe cultivado em Rio Verde, GO. Acta Iguazu, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 37–49, 2018. DOI: 10.48075/actaiguaz.v7i3.17629. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/17629. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS CIENTÍFICOS