Desenvolvimento inicial de feijão caupi inoculado com rizóbio em Latossolo de Cerrado

Autores

  • Salomão Lima Guimarães
  • Edna Maria Bonfim-Silva
  • Analy Castilho Polizel de Souza
  • Anny keli Aparecida Alves Cândido
  • William Pietro de Souza

DOI:

https://doi.org/10.48075/actaiguaz.v8i3.19571

Palavras-chave:

Vigna unguiculata, Simbiose, Inoculante.

Resumo


O feijão caupi é uma planta rústica, adaptada às diversas condições edafoclimáticas, sendo capaz de se associar com rizóbios nativos para obter parte do nitrogênio que necessita para completar o seu ciclo produtivo. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da inoculação de estirpes de rizóbio sobre o desenvolvimento inicial de plantas de feijão caupi, cultivado em Latossolo de Cerrado. Foi conduzido um experimento de vasos com solo, sob condições casa de vegetação e em delineamento inteiramente casualizado. O experimento constou de 16 tratamentos (12 estirpes de rizóbio, duas doses de nitrogênio (25 e 50 mg N dm-3), e uma testemunha absoluta), uma cultivar de feijão caupi e quatro repetições, totalizado 60 unidades experimentais. Foram analisadas as variáveis altura das plantas, número de nódulos, massa seca dos nódulos, massa seca da parte aérea e de raízes, índice de clorofila Falker e a eficiência relativa das estirpes. Os resultados obtidos demonstraram que as plantas de feijão caupi apresentaram respostas positivas à inoculação, refletindo em aumentos na massa seca, número de nódulos, na concentração de clorofila e com uma eficiência relativa das estirpes em relação aos tratamentos adubados com nitrogênio mineral acima de 90%. As estirpes de rizóbio, nas condições experimentais testadas, foram capazes de suprir a demanda de nitrogênio requerido pelas plantas de feijão caupi.

Downloads

Publicado

28-09-2019

Como Citar

GUIMARÃES, S. L.; BONFIM-SILVA, E. M.; DE SOUZA, A. C. P.; CÂNDIDO, A. keli A. A.; DE SOUZA, W. P. Desenvolvimento inicial de feijão caupi inoculado com rizóbio em Latossolo de Cerrado. Acta Iguazu, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 30–41, 2019. DOI: 10.48075/actaiguaz.v8i3.19571. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/19571. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS CIENTÍFICOS