Injustiça ambiental-hídrica em Brumadinho, Minas Gerais: Conflito ambiental em torno das operações industriais da Coca-Cola FEMSA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/amb.v3i1.27025

Palavras-chave:

Injustiça ambiental-hídrica, Brumadinho, Território

Resumo


A disponibilidade de água é aspecto basilar para a constituição de um determinado território. Verificamos em nossa pesquisa que a produção do rural idílico na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), mais especificamente em Brumadinho (MG), encontra-se fortemente associada à farta disponibilidade de água pura que jorra da Serra da Moeda. Contudo, desde o ano de 2015, a população que reside ao sul desse município vive sob um conflito ambiental em decorrência da instalação e operação da fábrica de refrige­rantes Coca-Cola FEMSA, situada no distrito industrial de Itabirito (MG), que tem sido acusada de interferir drasticamente na dinâmica das águas subterrâneas que fluem através dos interstícios rochosos da Serra da Moeda. Neste trabalho, procura-se discutir como o conflito ambiental vem se configurando ao eviden­ciar as estratégias empresariais para garantir a continuidade de suas operações e as resistências impostas pelos atingidos. A partir de trabalhos de campo, acompanhados por entrevistas abertas e semiestrutura­das, identificação e análise dos documentos relacionados ao processo de licenciamento da referida em­presa e daqueles apensados ao Inquérito Civil instaurado pelo Ministério Público do Estado de Minas Ge­rais, com vistas a investigar o referido conflito, foi possível compreender como essa empresa transnacio­nal age para se apropriar privadamente da água. E assim – mercantilizando-a – interfere profundamente na produção daquele território.

Biografia do Autor

Felipe Pimentel Palha, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena

Sou Graduado (Licenciatura e Bacharelado), Mestre e Doutor em Geografia. Atualmente sou Professor Efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena onde tenho realizado pesquisas no campo da Ecologia Política, mais detidamente sobre Conflitos Ambientais e Gestão do Risco Social e Ambiental.

Referências

ACSELRAD, Henri; BEZERRA, Gustavo das Neves. Desregulação, deslocalização e conflito ambiental: considerações sobre o controle das demandas sociais. In.: BERNO DE ALMEIDA, Alfredo Wagner et al. (org.). Capitalismo globalizado e recursos territoriais: fronteiras da acumulação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2010. p. 179-209.

ACSELRAD, Henri; Wagner de Almeida, Alfredo; BERMANN, Celio; BRANDÃO, Carlos Antônio; CARNEIRO, Eder; LEROY, Jean Pierre; LISBOA, Marijane, MEIRELLES, Jeovah, MELLO, Cecilia; MILANEZ, Bruno; NOVOA, Luiz Fernando; O’DWYER, Eliane Cantarino, RIGOTTO, Raquel; SANT’ANNA JÚNIOR, Horácio Antunes; VAINER, Carlos; ZHOURI, Andrea. Desigualdade ambiental e acumulação por espoliação: o que está em jogo na questão ambiental? E-cadernos CES [Online], nº 17, Universidade Coimbra, pp. 164-183, 2012.

ANGEL AMBIENTAL. Modelo numérico hidrogeológico da região do Distrito Industrial de Itabirito/MG. Itabirito, 2015.

BRANDT MEIO AMBIENTE LTDA. Relatório de Controle Ambiental: Coca-Cola FEMSA, fábrica de bebidas, Itabirito-MG. 2011.

COELHO, Tádzio Peters. Mineração e dependência no quadrilátero ferrífero. Intratextos, Número Especial 03, pp. 128-146, 2012.

FIGUEIREDO, Elisabete Maria Melo. Entre o abandono e o idílio – representações sociais dos territórios rurais em Portugal. Cultivar: cadernos de análise e prospetiva, nº 11, pp. 39-48, 2018.

FIGUEIREDO, Elisabete Maria Melo. Imagine there's no rural: the transformation of rural spaces into places of nature conservation in Portugal. European Urban and Regional Studies, v. 15, nº 2, pp. 159-171, 2008.

GUDYNAS, Eduardo. Extractivismo en America del Sur: conceptos y sus efectos derrame. In: ZHOURI, Andréa.; BOLADOS, Paola.; CASTRO, Edna. (orgs.). Mineração na América do Sul: neoextrativismo e lutas territoriais. São Paulo: Annablume, 2016. p. 23-43.

IPT – INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. Avaliação de estudos hidrogeológicos realizados em área localizada no Sinclinal Moeda em Itabirito, MG. São Paulo, 2017.

LASCHEFSKI, Klemens Augustinus. A sustentabilidade geográfica de condomínios na Zona Metropolitana de Belo Horizonte. In: COSTA, Heloisa Soares de Moura. (org.) A expansão metropolitana em Belo Horizonte: dinâmica e especificidades no eixo sul. Belo Horizonte, Editora Com Arte, 2006. p. 313-338.

LASCHEFSKI, Klemens Augustinus. Governança, neodesenvolvimentismo e autoritarismo difuso. In: ZHOURI, Andréa; VALENCIO, Norma (org.). Formas de matar, de morrer e de resistir: limites da resolução negociada de conflitos ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. p. 176-203.

LASCHEFSKI, Klemens Augustinus. Segregação espacial e desigualdade social – fatores determinantes da insustentabilidade do ambiente urbano. In.: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade - ANPPAS, 2008, Brasília. Anais [...]. Brasília, 2008, n. p.

LASCHEFSKI, Klemens; ZHOURI, Andréa. Indigenous peoples, traditional communities and the environment: the “territorial question” under the new developmentalist agenda in Brazil. In: PUZONE, Vladimir; MIGUEL, Luis F. (orgs.). The Brazilian Left in the 21st Century: Conflict and Conciliation in Peripheral Capitalism. London: MacMillan, 2019, p. 110-138.

LEFEBVRE, Henri. Espaço e política. Tradução: Margarida Maria de Andrade e Sérgio Manuel Merêncio Martins. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Superintendência Regional de Regularização Ambiental Central Metropolitana. Parecer único n° 0131/2008, de 05 de agosto de 2008. Parecer único que subsidia o julgamento do pedido de Licença Prévia realizado pela Prefeitura Municipal de Itabirito para a instalação de seu Distrito Industrial. Belo Horizonte, 2008.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Superintendência Regional de Regularização Ambiental Central Metropolitana. Parecer único n° 482/2011, de 21 de outubro de 2011. Parecer único que subsidia o julgamento do pedido de Licença Prévia realizado pela SPAL Indústria Brasileira de Bebidas S.A. – Coca-Cola FEMSA. Belo Horizonte, 2011.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Superintendência Regional de Regularização Ambiental Central Metropolitana. Parecer único n°03/2012. Parecer único que subsidia o julgamento do pedido de Licença de Instalação pela SPAL Indústria Brasileira de Bebidas S.A. – Coca-Cola FEMSA. Belo Horizonte, 2012.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Superintendência Regional de Regularização Ambiental Central Metropolitana. Parecer único n° 338/2013. Parecer único que subsidia o julgamento do pedido de Licença de Operação do Distrito Industrial de Itabirito, empreendimento sob responsabilidade da Prefeitura Municipal de Itabirito. Belo Horizonte, 2013.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Superintendência Regional de Regularização Ambiental Central Metropolitana. Parecer único n°32/2015. Parecer único que subsidia o julgamento do pedido de Licença de Operação – LO para a atividade de fabricação de refrigerantes requerida pelo empreendimento SPAL Indústria Brasileira de Bebidas S.A. – Coca-Cola FEMSA. Belo Horizonte, 2015.

MINISTÉRIO PÚBLICO DE MINAS GERAIS (MPMG). MPMG assina Termo de Compromisso com a Coca-Cola. 19 de outubro de 2015. Disponível em: <https://www.mpmg.mp.br/comunicacao/noticias/mpmg-assina-termo-de-compromisso-com-a-Coca-Cola.htm#.XBkxUlxKiyI>. Acesso em 18/12/2018.

ONG ABRACE A SERRA DA MOEDA. Análise crítica do estudo hidrogeológico Serra da Moeda – fase II. Relatório da Water Services para a Coca-Cola. Brumadinho, 2018.

ONG ABRACE A SERRA DA MOEDA. Análise crítica do relatório da Schlumberger para a Coca-Cola. Belo Horizonte, 2017.

PALHA, Felipe Pimentel. Campo e rural idílicos como falácia: minério-dependência, incompletude urbana e injustiça ambiental-hídrica em Brumadinho (MG). Tese (Doutorado em Geografia) Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Água Não se Nega a Ninguém - a necessidade de ouvir outras vozes. In: Hector Alimonda; Clélia Parreira. (org.). Políticas Públicas Ambientais Latino-Americanas. Brasília: FLACSO, 2005, p. 115-144.

SANTOS, Ana Flávia Moreira; FERREIRA, Luciana da Silva Sales; PENNA, Vinícius Villela. Impactos supostos, violências reais: a construção da legalidade na implantação do projeto Minas-Rio. In.: ZHOURI, Andréa. (org.) Mineração, violências e resistências: um campo aberto à produção de conhecimento no Brasil. 1ed. Marabá: Editorial iGuana; ABA, 2018. p.176-220

SCHLUMBERGER WATER SERVICES. Estudo hidrogeológico Coca-Cola FEMSA unidade Itabirito. Relatório Preliminar. Rio de Janeiro, 2017.

TAKAHASHI, Paula. Água e terreno definiram localização de nova fábrica da Coca-Cola. Jornal Estado de Minas, Belo Horizonte, 01 jul. 2011. Disponível em: <https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2011/07/01/internas_economia,237203/agua-e-terreno-definiram-localizacao-de-nova-fabrica-da-Coca-Cola.shtml>. Acesso em 21/12/2018.

WATER SERVICES BRASIL. Estudo Hidrogeológico Serra da Moeda. Relatório técnico – fase 2. Belo Horizonte, 2018.

ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI, Klemens; PEREIRA, Doralice Barros. (orgs.) A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Downloads

Publicado

29-06-2021

Como Citar

PALHA, F. P. Injustiça ambiental-hídrica em Brumadinho, Minas Gerais: Conflito ambiental em torno das operações industriais da Coca-Cola FEMSA. AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 224, 2021. DOI: 10.48075/amb.v3i1.27025. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/ambientes/article/view/27025. Acesso em: 9 dez. 2021.