Luta marajoara e memória: práticas "esquecidas" na educação física escolar em Soure-Marajó

Autores

  • Carlos Afonso Ferreira dos Santos Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Rogério Gonçalves de Freitas Universidade Federal do Pará (UFPA)

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2018.v16.n1.p57

Palavras-chave:

Luta marajoara, Memória, Educação Física

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir memória e esquecimento sobre o trato com o conhecimento da luta marajoara no contexto das aulas de Educação Física no município de Soure-Marajó. Realizou-se pesquisa de campo com nove professores atuantes em escolas desse município. Utilizou-se questionário semiestruturado para entrevistas com professores da disciplina Educação Física e fez-se análise de conteúdo como método para analisar dados obtidos. Os resultados revelaram que a maioria dos docentes não trata o conhecimento da luta marajoara em suas aulas. Todavia, a constatação não seguiu a linha de culpabilização didática dos professores, mas colocou acento em ordem maior como questões relativas à memória social, ao esquecimento histórico e à alienação do trabalho. Conclui-se a importância de resgatar culturalmente a luta Marajoara como conhecimento local e global para florescer seu valor heurístico no trato pedagógico nas aulas de Educação Física.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Afonso Ferreira dos Santos, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Graduando do 7º semestre do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Pará – UFPA. Membro do Grupo de Pesquisa em Práticas Pedagógicas para o Ensino na Educação Básica – GPRAPE/EAUFPA.

Rogério Gonçalves de Freitas, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutor em sociologia pela Università degli Studi di Napoli Federico II- Itália (2015). Mestre em sociologia pela Universidade Federal do Pará (2010) e especialista em docência do Ensino Superior pela mesma instituição (2008). 

Referências

ACCURSO, A. S. Capoeira: um instrumento de educação popular. Porto Alegre: Edição Independente, 1995.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. 229 p.

BETTI, I. C. R. Esporte na escola: mas é só isso, professor? Motriz, v. 1, n. 1, p. 25-31, jun. 1999.

BRAGADA, J. Galhofa: luta tradicional de Portugal. Amadora: Editora Leya Portugal (edição digital), 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2016.

CAMPOS, H. Capoeira na escola. Salvador: Presscolor, 1990.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE WRESTLING. Estilos olímpicos. Disponível em: <http://cbw.org.br/modalidades/estilos-olimpicos/>. Acesso em: 28 maio 2018.

CRUZ, M. E. M. Marajó: essa imensidão de ilha. São Paulo: M.E.M. Cruz, 1987.

DARIDO, S. C. Os conteúdos da Educação Física escolar: influências, tendências, dificuldades e possibilidades. Revista Fluminense de Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 5-25, 2001.

DEL VECCHIO, F. B.; FRANCHINI, E. Lutas, artes marciais e esportes de combate: possibilidades, experiências e abordagens no currículo da educação física. In: SOUZA NETO, S.; HUNGER, D. (Org.). Formação profissional em Educação Física: estudos e pesquisas. Rio Claro: Biblioética, 2006. p. 99-108.

ESPARTERO, J. Aproximación histórico-conceptual a los deportes de lucha. In: VILLAMÓN, M. (Org.). Introducción al judo. Barcelona: Hispano Europea, 1999. p. 23-54.

FREITAS, L. C. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, 1995.

FREITAS. F. M. C. Judô: ética e educação: em busca dos princípios perdidos. Vitória: EDUFES, 2007. 316 p.

GARGANTA, J. Para uma Teoria dos Jogos Desportivos Coletivos. In: GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. (Eds.). O ensino dos jogos desportivos. 2. ed. Porto: Universidade do Porto, 1995.

GOMES, M. S. P. Procedimentos pedagógicos para o ensino das lutas: contextos e possibilidades. 2008. 119 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

GONÇALVES, A. V. L.; SILVA, M. R. S. Artes marciais e lutas: uma análise da produção de saberes no campo discursivo da educação física brasileira. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 35, n. 3, p. 657-671, jul./set. 2013.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução de Laurent León Schaffter. São Paulo: Vértice, 1990.

HENARES, D. A. Deportes de lucha. 1. ed. Barcelona, Espanha: Inde Publicaciones, 2000.

IPHAN. Inventário Nacional de Referências Culturais: Dossiê das Festividades de São Sebastião na Mesorregião do Marajó. Belém: IPHAN, 2010.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. 7. ed. Ijuí: Unijuí, 2006.

LANÇANOVA, J. E. S. Lutas na Educação Física Escolar: alternativas pedagógicas. 2006. 70 f. Monografia (Licenciatura em Educação Física) – Universidade da Região da Campanha, Alegrete, 2006. Disponível em: <https://sites.google.com/site/lutasescolar/lutas_na_educ_fis_escolar.pdf>. Acesso em: 28 maio 2018.

LOPES, R. G. B.; KERR, T. O. O ensino das lutas na Educação Física escolar: uma experiência no ensino fundamental. Motrivivência, Florianópolis, v. 27, n. 45, p. 262-279, set. 2015.

MEDINA, J. P. S. A educação física cuida do corpo e... “mente”. 14. ed. Campinas: Papirus, 1996.

NAKAMOTO, H. O. Luta: elementos para uma compreensão sistêmica. Monografia (Graduação em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005. Disponível em: Acesso em: 28 maio 2018.

NASCIMENTO, P. R. B. Organização e trato pedagógico do conteúdo de lutas na Educação Física escolar. Motrivivência, Florianópolis, ano 20, n. 31, p. 36-49, dez. 2008.

NASCIMENTO, P. R. B.; ALMEIDA, L. A tematização das lutas na Educação Física Escolar: restrições e possibilidades. Movimento, Porto Alegre, v. 13, n. 03, p. 91-110, set./dez. 2007.

PACHECO, A. S. As Áfricas nos Marajós: visões, fugas e redes de contatos. In: SCHAAN, D. P.; MARTINS, C. P. (Orgs.). Muito além dos campos: arqueologia e história na Amazônia Marajoara. 1. ed. Belém: Gknoronha, 2010. p. 33-71.

PARATUR. Ministério do Turismo. Resumo Executivo do Polo Marajó – PA. Belém: Empresa Expansão Gestão em Educação e Eventos, 2009. 46 p.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RICCI, M. Cabanagem, cidadania e identidade revolucionária: o problema do patriotismo na Amazônia entre 1835 e 1840. Tempo, Rio de Janeiro, v. 11, n. 22, p. 5-30, 2007.

RUFINO, L. G. B.; DARIDO, S. C. A produção científica em pedagogia do esporte: análise de alguns periódicos nacionais. Conexões, Campinas, v. 9, n. 2, p. 110-32, 2011.

______. Pedagogia do esporte e das lutas: em busca de aproximações. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 283-300, abr./jun. 2012.

SALLES, V. O negro na formação da sociedade paraense: textos reunidos. Belém: Paka-Tatu, 2004.

SANTOS JUNIOR, C. L. A formação de professores em Educação Física: a mediação dos parâmetros teórico-metodológicos. 2005. 194 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

TRUSZ, R. A.; NUNES, A. V. A evolução dos esportes de combate no currículo do Curso de Educação Física da UFRGS. Movimento, Porto Alegre, v. 13, n. 01, p.179-204, jan./abril. 2007.

VALA, J. Análise de Conteúdo. In: SANTOS SILVA, A.; PINTO, J. M. (Orgs.). Metodologia em Ciências Sociais. 13. ed. Porto Alegre: Afrontamento, 2005. p. 101-128.

Downloads

Publicado

05-06-2018

Como Citar

SANTOS, C. A. F. dos; FREITAS, R. G. de. Luta marajoara e memória: práticas "esquecidas" na educação física escolar em Soure-Marajó. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 16, n. 1, p. 57–67, 2018. DOI: 10.36453/2318-5104.2018.v16.n1.p57. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/19262. Acesso em: 27 nov. 2021.